Os povos tradicionais de terreiros e as políticas públicas governamentais face à ascensão dos neopentecostais aos cargos eletivos no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1982-1662.2023v6n37ID32019

Palavras-chave:

Povos de terreiro, Avanços, Retrocessos

Resumo

O presente trabalho tem o objetivo de analisar alguns os avanços e retrocessos no tocante às políticas públicas voltadas para os povos tradicionais de terreiro, tendo como parâmetro os Planos Plurianuais de (2016- 2019) e (2020- 2023), as leis promulgadas nesse período que efetivaram direitos e garantias. Salientamos que em 2016 ocorreu uma maior representatividade da bancada evangélica nos cargos eletivos, o que repercutiu diretamente na forma de direcionamento das ações governamentais. Ademais, mostraremos as narrativas dos povos de terreiros diante dessa conjuntura política no país e como isso impactou a liberdade religiosa e a luta diária para que seus direitos sejam respeitados. Por conseguinte, faz-se necessária tanto uma abordagem quantitativa, quanto qualitativa, para maior elucidação da temática, tendo em vista que tais métodos não são excludentes, mas sim complementares. Minayo (2001), afirma que a pesquisa qualitativa consegue responder a certas questões particulares que não podem ser quantificadas, trabalhando com o universo de significados, motivos, aspirações e crenças, valores e atitudes, adentrando num processo mais profundo e fenômenos que não podem ser reduzidos à operacionalização de variáveis. Nesse sentido, tanto a análise documental quanto as narrativas são importantes para  demonstrar que nem sempre as ações governamentais procuram diminuir as desigualdades sociais, e reconhecer a importância dos povos tradicional na construção do país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucy Patrícia da Silva Farias, Universidade Católica de Pernambuco

Doutoranda em Ciências da Religião, pela Universidade Católica de Pernambuco (2022),  atualmente é professora da Escola Boa Esperança, na Prefeitura de Recife e na Escola Ester Campelo na Prefeitura de Jaboatão dos Guararapes.

Referências

AGÊNCIA BRASIL. Em crescimento, bancada evangélica terá 91 parlamentares no Congresso. Disponível em: <https://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2018-10/em- crescimento-bancada-evangelica-tera-91-parlamentares-no-congresso>. Acesso em: 06 jul. 2020.

ALMEIDA, Marta Carmelita Bezerra de. (Ekedi) Intolerância Religiosa. Jan. 2020. Entrevistador: Lucy Patrícia da Silva de Farias. Entrevista gravada E-mail.

ARAGÃO, G. Da intolerância religiosa ao diálogo trans-religioso. Religare: Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiões da UFPB, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 152–171, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/religare/article/view/27256. Acesso em: ?

BETHENCOURT, Francisco. Racismos: das Cruzadas ao século XX. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

BRANDÃO, Helena H. Nagamine. Introdução à análise do discurso. 2. ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2004.

BRASIL. [Constituição (1988)] Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nos 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo no 186/2008. Brasília: Senado Federal, Coordenação de EdiçõesTécnicas, 2016. 496. Disponível em:

<https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf>. Acesso em: 12 out. 2019.

BRASIL, Ministério da Economia. Espelho de Programa do Plano Plurianual 2020 – 2023. 2021 Disponível em: https://www.gov.br/economia/pt-br/assuntos/planejamento-e-orcamento/plano-plurianual-ppa/espelhos_completos_programas_2022.pdf. Acesso em: 15 mar. 2023.

BRASIL, Ministério da Economia. Plano Plurianual 2016-2019. 2015. Disponível em: https://www.gov.br/economia/pt-br/arquivos/planejamento/arquivos-e-imagens/secretarias/arquivo/spi-1/ppa-2016-2019/ppa-2016-2019-ascom-3-1.pdf, Acesso em 30 mar. 2023.

CAMPOS, Z. D. P.; KOURYH, J. R. Religiões afro-brasileiras: perseguições antigas e novas. Revista de Teologia e Ciências da Religião da UNICAP (Descontinuada), [S. l.], v. 5, n. 1, p. 161–177, 2015. DOI: 10.25247/2237-907x.2015v5n1.p161-177. Disponível em: https://www1.unicap.br/ojs/index.php/theo/article/view/609.

CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 2000.

COSTA, M. R. N. A metafísica Cosmológico/Soteriológica Dualista Maniqueísta. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), [S. l.], v. 9, n. 11-12, p. 219–238, 2010. Disponível em: . Acesso em: 25 mai. 2022.

DE SALES JÚNIOR, Ronaldo Laurentino. O terreiro e a cidade: ancestralidade e territorialidade nas políticas de ação afirmativa. Estudos de Sociologia, [S.l.], v. 2, n. 20, jan. 2015. Disponível em: <https://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/235560>. Acesso em: 24 ago. 2022.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 4. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

SESTREM, Gabriel. Bancada evangélica terá recorde de membros para enfrentar pautas progressistas no Congresso. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/bancada-evangelica-congresso-tera-recorde-membros-proxima-legislatura/. Acesso em: 20 mar. 2023.

GREGOLIN, Maria do Rosário. O acontecimento discursivo na mídia: metáfora de uma breve história do tempo. In: Discurso e mídia: a cultura do espetáculo. São Carlos: Claraluz, 2003. p. 95- 96.

LACERDA, Gustavo Biscaia de. Sobre as relações entre a igreja e o Estado: conceituando a laicidade. In: Conselho Nacional do Ministério Público. (Org.) Ministério Público – Em defesa do Estado Laico. Brasília: Conselho Nacional do Ministério Público, 2014. p. 181.

MARQUES. Jean Pierre de Lima. (Babalorixá). Intolerância Religiosa. Jan. 2020. Entrevistador: Lucy Patrícia da Silva de Farias. Entrevista gravada E-mail.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2001.

ORLANDI. Discurso em análise: Sujeito, sentido, ideologia. Campinas: Pontes, 2012.

PRANDI, Reginaldo O Brasil com axé: candomblé e umbanda no mercado religioso. Estud. av. vol.18 no.52 São Paulo Set./Dez. 2004, p. 223 – 238. ISSN 0103-4014.

REGO, Thiago Henrique da Conceição. Intolerância Religiosa. Jan. 2020. Entrevistador: Lucy Patrícia da Silva de Farias. Entrevista gravada E-mail.

REVISTA VEJA. O escolhido. Disponível em: <https://veja.abril.com.br/revista-veja/o- escolhido/>. Acesso em: 06 jul. 2020.

SILVA, Clemildo Anacleto da; RIBEIRO, Mário Bueno. Intolerância Religiosa e direitos humanos: mapeamento de intolerância. Porto Alegre: Sulina, 2007.

SILVA, Marcos Antônio Gomes da. (Pai Martin de Oxum) Intolerância Religiosa. Mar. 2020. Entrevistador: Lucy Patrícia da Silva de Farias. Entrevista gravada E-mail.

SILVA, Lúcia Maria Crispiano da. (Mãe Lúcia de Oyá)

SILVA, Vagner Gonçalves da (Org.). Intolerância Religiosa: Impactos do Neopentecostalismo no Campo Religioso Afro - Brasileiro. São Paulo- Editor da Universidade de São Paulo, 2007, p. 9- 28.

VITAL DA CUNHA, Christina; LOPES, Paulo Victor Leite; LUI, Janayna. Religião e Política: medos sociais, extremismo religioso e as eleições 2014. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll: Instituto de Estudos da Religião, 2017. 196 p.

Downloads

Publicado

30-09-2023

Como Citar

FARIAS, L. P. da S. Os povos tradicionais de terreiros e as políticas públicas governamentais face à ascensão dos neopentecostais aos cargos eletivos no Brasil. Revista Inter-Legere, [S. l.], v. 6, n. 37, p. c32019, 2023. DOI: 10.21680/1982-1662.2023v6n37ID32019. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/interlegere/article/view/32019. Acesso em: 25 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ POLÍTICAS PÚBLICAS, DESENVOLVIMENTO E O PAPEL DO ESTADO NO ATUAL CONTEXTO BRASILEIRO