Vias tortas, papo reto: a centralidade da literatura da favela

  • Gundo Rial y Costas UFF, ICG (Instituto Cultural Germânico) RJ
  • Lígia Chiappini FU (Freie Universität Berlin), Alemanha
Palavras-chave: Literatura. Favela. FLUP. Cânone. Romance.

Resumo


RESUMO: Este artigo aborda a paradigmática Festa Literária das Periferias (FLUP) no Rio de Janeiro e a sua prolífica produção de novos autores, incluindo material empírico próprio, baseado numa etnografia multi-situada de nove anos da festa com os dois leitmotiv: o “abraço coletivo” e o “papo reto”. Assim, contempla-se o papel dos mediadores culturais, ao indagar pela centralidade da literatura da favela, apresentando, analisando e destacando seus valores. Para isso, escolhemos três romances, (Só por hoje, de Julio Ludemir, 2012; Cidade de Deus Z, de Julio Pecly, 2015; e A número um, de Raquel de Oliveira, 2015) surgidos na ou ligados à FLUP para uma leitura filológica e cultural. No final, explicitam-se algumas questões sobre a dimensão estética e os valores em jogo nessa nova literatura, questões polêmicas que podem abrir novos caminhos para esta pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gundo Rial y Costas, UFF, ICG (Instituto Cultural Germânico) RJ

Doutor com summa cum laude pela Freie Universität Berlin (2011) em Lateinamerikanistik (literatura e cultura).

Lígia Chiappini, FU (Freie Universität Berlin), Alemanha

Professora aposentada pela Freie Universität Berlin.

Publicado
20-12-2020
Como Citar
RIAL Y COSTAS, G.; CHIAPPINI, L. Vias tortas, papo reto: a centralidade da literatura da favela. Revista Odisseia, v. 5, n. Especial, p. 36-63, 20 dez. 2020.