Entre Pollock e Benjamin: teoria e práxis no “Estado autoritário” de Horkheimer

  • Luiz Philipe de Caux Doutorando em filosofia pela UFMG
  • Graziano Mazzocchini Doutorando em filosofia pela UFMG
Palavras-chave: Capitalismo de Estado, Messianismo, Filosofia da História, Necessidade e liberdade, Dialética

Resumo

O artigo sustenta as seguintes teses interpretativas acerca
do ensaio “Estado autoritário”, de Max Horkheimer: a) que há, neste
texto, uma particular tensão, de difícil resolução, entre uma postura
pessimista e uma otimista por parte do autor, que remonta a um modo
tenso de compreender a separação entre teoria e práxis; b) que essas
tensões podem ser melhor compreendidas à luz da máxima horkheimeriana
do “pessimismo teórico” e do “otimismo prático” e também,
paralelamente, às influências contextuais e, em certo sentido, contraditórias,
de Friedrich Pollock e Walter Benjamin. Assim, busca-se explorar
essas influências a fim de melhor compreender como os pólos
daquelas tensões puderam encontrar uma articulação dialética em
Horkheimer naquele singular momento histórico.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
29-05-2019
Como Citar
DE CAUX, L. P.; MAZZOCCHINI, G. Entre Pollock e Benjamin: teoria e práxis no “Estado autoritário” de Horkheimer. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 26, n. 50, p. 239-262, 29 maio 2019.