Aprimoramento das práticas punitivas e prevenção distal do crime: Uma alternativa ao ceticismo sobre a responsabilidade moral

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1983-2109.2022v29n59ID27258

Palavras-chave:

responsabilidade moral, ceticismo, punição, reforma penal

Resumo

Em décadas recentes, a investigação filosófica sobre a responsabilidade moral e o livre-arbítrio, que por muito tempo foi vista como um empreendimento em grande medida teórico, passou a também incluir preocupações de tipo mais prático. Essa mudança é bem ilustrada pela proposta cética desenvolvida por autores como Derk Pereboom e Gregg Caruso. Seus trabalhos buscam não apenas defender a tese de que não somos agentes livres e moralmente responsáveis (em um sentido delimitado dos termos), mas também advogar em favor de reformas na maneira como a responsabilização é efetivada em nossas relações interpessoais e, especialmente, no sistema penal. Este artigo examina as implicações práticas do ceticismo de Pereboom e Caruso, especialmente no que diz respeito à sua implementabilidade. Argumento que o núcleo propriamente cético da proposta é inviável para seres humanos com a psicologia moral que temos, mas que, apesar disso, alguns elementos da proposta são compatíveis com uma proposta não-cética focada no aperfeiçoamento das práticas punitivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. Decreto-lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Rio de Janeiro, 1940. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848compilado.htm>. Acesso em: 21 jan 2018.

Brasil. Lei no 11.343, de 23 de agosto de 2006. Brasília, 2006. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11343.htm>. Acesso em: 21 jan 2018.

Brasil. Lei no 13.104 de 9 de março de 2015. Brasília, 2015. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13104.htm>. Acesso em: 21 jan 2019.

BROOKS, Thom. Punishment. London: Routledge, 2012.

Caruso, Gregg D. Free will skepticism and criminal behavior: A public health-quarantine model. Southwest Philosophy Review, v. 32, n. 1, p. 25–48, 2016.

Caruso, Gregg D. e Pereboom, Derk. A non-punitive alternative to retibutive punishment. FOCQUAERT, F.; WALLER, B.; SHAW, E. (Org.). Routledge handbook of the philosophy and science of punishment. Routledge, 2020.

CLARK, Cory J. e colab. Free to punish: A motivated account of free will belief. Journal of Personality and Social Psychology, v. 106, n. 4, p. 501–513, 2014.

COSTA, Arthur Trindade M. A (in)efetividade da justiça criminal brasileira: uma análise do fluxo de justiça dos homicídios no Distrito Federal. Civitas - Revista de Ciências Sociais, v. 15, n. 1, p. 11–26, 2015.

DOOB, Anthony N. e WEBSTER, Cheryl Marie. Sentence severity and crime: Accepting the null hypothesis. Crime and Justice, v. 30, p. 143–195, 2003.

FARRINGTON, David P. e NUTTALL, Christopher P. Prison size, overcrowding, prison violence, and recidivism. Journal of Criminal Justice, v. 8, n. 4, p. 221–231, 1980.

FISCHBORN, Marcelo. Aprimorar a responsabilidade: Direções para uma investigação interdisciplinar. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, 2018.

FRIESEN, Lana. Certainty of punishment versus severity of punishment: An experimental investigation. Southern Economic Journal, v. 79, n. 2, p. 399–421, 2012.

HANEY, Craig. The wages of prison overcrowding: Harmful psychological consequences and dysfunctional correctional reactions. Washington University Journal of Law & Policy, v. 22, p. 265–293, 2006.

HIRSCH, Andrew Von e colab. Criminal deterrence and sentence severity: An analysis of recent research. Oxford: Hart Publishing, 1999.

INSTITUTO SOU DA PAZ. Onde mora a impunidade? São Paulo: Instituto Sou da Paz, 2017.

IPEA. Reincidência criminal no Brasil: relatório de pesquisa. Rio de Janeiro: Livraria Ipea, 2015.

KIM, Ryang Hui e CLARK, David. The effect of prison-based college education programs on recidivism: Propensity Score Matching approach. Journal of Criminal Justice, v. 41, p. 196–204, 2013.

MONROE, Andrew E. e BRADY, Garrett e MALLE, Bertram F. This isn’t the free will worth looking for: General free will beliefs do not influence moral judgments; agent-specific choice ascriptions do. Social Psychological and Personality Science, v. 8, n. 2, p. 191–199, 2017.

MORRIS, Norval e ROTHMAN, David J. Introduction. MORRIS, N.; ROTHMAN, D. J. (Org.). . The Oxford history of the prison. Oxford: Oxford University Press, 1995. p. vii–xiv.

NADELHOFFER, Thomas e colab. The free will inventory: Measuring beliefs about agency and responsibility. Consciousness and Cognition, v. 25, p. 27–41, 2014.

Pereboom, Derk. Free will, agency, and meaning in life. New York: Oxford University Press, 2014.

RAINE, Adrian. The anatomy of violence: The biological roots of crime. New York: Pantheon Books, 2013.

RIEDEL, Marc e WELSH, Wayne. Criminal violence: patterns, explanations, and interventions. Fourth edition ed. New York: Oxford University Press, 2015.

Santin, Thiago Rafael e colab. Evidências de validade do Inventário do Livre-Arbítrio (ILA) para a população brasileira. Avaliação Psicológica, v. 17, n. 1, p. 1–11, 2018.

SANTOS, Thandara (Org.). Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias Atualização - Junho de 2016. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública, 2017.

SAPORI, Luis Flávio e SANTOS, Roberta Fernandes e MAAS, Lucas Wan Der. Fatores sociais determinantes da reincidência criminal no Brasil: o caso de Minas Gerais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 94, p. 1–18, 2017.

SCHOOLER, Jonathan e colab. Measuring and manipulating beliefs and behaviors associated with free will: The good, the bad, and the ugly. MELE, A. R. (Org.). . Surrounding freedom: philosophy, psychology, neuroscience. New York: Oxford University Press, 2015. p. 72–94.

SELLERS, Martin P. Online learning and recidivism rates. International Journal of Leadership in Education, 2015.

STEARNS, A Warren. Evolution of punishment. Journal of Criminal Law and Criminology, v. 27, n. 2, p. 219–230, 1936.

Downloads

Publicado

04-08-2022

Como Citar

FISCHBORN, M. Aprimoramento das práticas punitivas e prevenção distal do crime: Uma alternativa ao ceticismo sobre a responsabilidade moral. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), [S. l.], v. 29, n. 59, p. 233–247, 2022. DOI: 10.21680/1983-2109.2022v29n59ID27258. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/principios/article/view/27258. Acesso em: 6 out. 2022.