ANÁLISE DE RISCO FAMILIAR NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: UMA VIVÊNCIA COMPARTILHADA ENTRE PRECEPTORES, DISCENTES E AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

  • Ricardo Henrique Vieira Melo Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Rosana Lúcia Alves Vilar Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Antônio Fabiano Ferreira Universidade Federal do Rio grande do Norte
  • Eduardo Judene Silva Pereira Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Naiara Estefânia Alves Carneiro Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Nathália Gabrielle Henrique Bezerra Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • José Diniz Júnior Universidade federal do Rio Grande do Norte

Resumo

O estudo do risco familiar deve ser pautado nas teias dos significados sociais que o próprio homem tece e destece no cotidiano, em meio ao que extravasa das casualidades e nas relações e determinações sociais. A Estratégia Saúde da Família carreia o dilema da priorização da atenção às famílias de maior vulnerabilidade biológica e social. Este artigo tem o objetivo de relatar os resultados da validação de um instrumento utilizado para estratificação de risco familiar para priorização de visitas domiciliares. Foram utilizados registros de observações em diário de campo e dos portfólios de aprendizagem dos alunos dos cursos da área de saúde da UFRN. O estudo foi realizado durante o primeiro semestre letivo do ano de 2013. Inicialmente foram realizadas rodas de leitura entre o Grupo Tutorial do PET-Saúde, Profissionais do NASF, Agentes Comunitários de Saúde e demais trabalhadores da unidade. Em seguida, a escala foi aplicada em regime de mutirão por grupos de trabalho compostos por Agentes de Saúde e Monitores supervisionados por Preceptores. Foram analisadas 1904 fichas “A” do Sistema de Informação da Atenção Básica. Os escores gerais foram semelhantes, entretanto as micro áreas compostas por conjuntos habitacionais mostraram menor risco quando comparadas com as micro áreas constituídas por loteamentos, vilas residenciais e terrenos baldios. Foram observadas médias de 5,8% (equipe 046) e 6,7% (equipe 048) de famílias classificadas como de alto risco. A escala foi pertinente, entretanto é necessário maior investimento em outras ferramentas de análise das condições de vulnerabilidade não contempladas pela escala, tais como: condições de higiene, poluição local, condutas pessoais de alimentação, sedentarismo, aspectos relacionais, interpessoais e criminais. O estudo proporcionou aos discentes uma melhor compreensão da interface entre saúde, doença e cuidado, durante o processo de ensino-aprendizagem, multiplicando as frentes de trabalho em direção à discussão e construção de Projetos Terapêuticos Singulares compartilhados pela tocada interdisciplinar.

 

Palavras-chaves: Estratégia Saúde da Família, Risco Familiar, Vulnerabilidade Social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Henrique Vieira Melo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Aluno do Programa de Mestrado Profissional em Saúde da Família – RENASF / UFRN, Especialista em Saúde da Família – NESC / UFRN, Cirurgião-Dentista da Estratégia Saúde da Família do Município de Natal / RN
Rosana Lúcia Alves Vilar, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Doutora em Ciências Sociais – UFRN, Docente do Departamento de Enfermagem / NESC / UFRN, Docente do Programa de Mestrado Profissional em Saúde da Família – RENASF/UFRN
Antônio Fabiano Ferreira, Universidade Federal do Rio grande do Norte
Monitor do PET Saúde, Acadêmico do Curso de Odontologia / UFRN
Eduardo Judene Silva Pereira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Monitor do PET Saúde, Acadêmico do Curso de Medicina / UFRN
Naiara Estefânia Alves Carneiro, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Monitora do PET Saúde, Acadêmica do Curso de Serviço Social / UFRN
Nathália Gabrielle Henrique Bezerra Freitas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Monitora do PET Saúde, Acadêmica do Curso de Medicina / UFRN
José Diniz Júnior, Universidade federal do Rio Grande do Norte
Doutor em Medicina, Docente do Departamento de Cirurgia / UFRN, Tutor do PET Saúde – Grupo Tutorial Cidade Praia

Referências

AYRES JRCM, FRANÇA J.I., CALAZANS G.J., SALETTI H.C. O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In: CZERESNIA D, FREITAS CM. (Org.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003.p.117-139.

AYRES, J.R.C.M. et al. Caminhos da integralidade: adolescentes e jovens na Atenção Primária à Saúde. Interface comunicação saúde educação v.16, n.40, p.67-81, jan./mar. 2012.

BASTOS, A.C.S. & FRANCO, A.L.S. Aspectos da interação do médico com a família. In: LEITE et al. Habilidades de comunicação com pacientes e famílias. São Paulo: Editora Sarvier, 2007. 242p.

BRASIL, Ministério da Saúde. SIAB: manual do sistema de Informação de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2003. 96 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

CECÍLIO, L. C. O. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção em saúde. In: PINHEIRO, R., MATTOS, R. A. (Orgs.) Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado de saúde. Rio de Janeiro: IMS-UERJ/Abrasco, 2001.p.113-126.

CHAPADEIRO, Cibele Alves et al. A família como foco da atenção primária à saúde. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, 2011. SOUZA, Alex Sander Ribas. MENDES, Artur Oliveira. Abordagem Familiar. Associação Mineira de Medicina de Família e Comunidade. Grupo de Estudos em Saúde da Família, 02/04/2007. Disponível em: http://www.smmfc.org.br/mfcaz/gesfabordagemmarcoteorico.pdf.

COELHO, Flávio; SAVASSI, Leonardo. Aplicação de escala de risco familiar como instrumento de organização das visitas domiciliares. RBMFC, vol. 1, número 2, p.19-26.

FONTOURA, R.T. & Mayer, C.N. Uma breve reflexão sobre a integralidade. Rev Bras Enferm 2006 jul-ago; 59(4): 532-7.

NASCIMENTO F.G. et al. Aplicabilidade de uma escala de risco para organização do processo de trabalho com famílias atendidas na Unidade Saúde da Família em Vitória (ES). Ciência & Saúde Coletiva, 15(5):2465-2472, 2010.

SAVASSI, Leonardo; LAGE, Joana; COELHO, Flávio. Sistematização de um instrumento de estratificação de risco familiar: Escala de risco familiar de Coelho-Savassi. J Manag Prim Health Care 2012; 3(2):179-185.

SILVA, Janaina Vieira da. SANTOS, Sueli Maria dos Reis. Trabalhando com Famílias Utilizando Ferramentas. Revista APS, v.6, n.2, p.77-86, jul./dez. 2003.

TRAD, L. A. B. (Org.). Família contemporânea e saúde. Significados, práticas e políticas públicas. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2010.

Publicado
06-02-2014
Como Citar
Melo, R. H. V., Vilar, R. L. A., Ferreira, A. F., Pereira, E. J. S., Carneiro, N. E. A., Freitas, N. G. H. B., & Júnior, J. D. (2014). ANÁLISE DE RISCO FAMILIAR NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: UMA VIVÊNCIA COMPARTILHADA ENTRE PRECEPTORES, DISCENTES E AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE. Revista Brasileira De Inovação Tecnológica Em Saúde - ISSN:2236-1103, 3(4). https://doi.org/10.18816/r-bits.v3i4.4437
Seção
Artigos Originais