Diálogos entre Arquitetura e Fenomenologia: do Moderno ao Pós-Moderno

  • Simone Helena Tanoue Vizioli IAU-USP
  • Mateus Segnini Tiberti Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo
  • Gabriel Braulio Botasso Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo
Palavras-chave: arquitetura pós-moderna; fenomenologia arquitetônica; experiência corporal; relação corpo-espaço; percepção.

Resumo

Longe de ser um campo fechado em si mesmo, a Arquitetura sempre procurou estabelecer pontes com outros campos disciplinares – notadamente, com a Filosofia. Entre as correntes de pensamento que fomentaram e que continuam a instigar o pensamento arquitetônico está a fenomenologia. Tal corrente filosófica, fundada por Edmund Husserl no início do século XX, teve um papel fundamental nas discussões sobre a experiência, a relação corpo-espaço em projetos de Arquitetura, contribuindo para a formação e o desenvolvimento do pensamento arquitetônico Pós-Moderno – uma questão ainda pouco estudada e fonte de debates. A fenomenologia representa uma alternativa crítica ao pensamento positivista, que, no campo arquitetônico, identifica-se, sobretudo, com o Movimento Moderno. É possível observar a influência da fenomenologia tanto nas questões de Teoria e História da Arquitetura, quanto nas discussões projetuais – em ambos, o problema do “empobrecimento” da experiência comparece de diversos modos. O presente artigo procura estabelecer diálogos entre o pensamento de três arquitetos e autores que têm a fenomenologia como base de suas discussões: o espanhol Jorge Otero-Pailos (1971-), o norueguês Christian Norberg-Schulz (1926-2000) e o finlandês Juhani Pallasmaa (1936-). Com a escolha destes autores, nota-se a persistência das discussões sobre a fenomenologia no interior do campo arquitetônico ao longo das décadas de 1970, 1990 e 2010, especialmente, nos contextos estadunidense e europeu. Além disso, observa-se que a fenomenologia arquitetônica não é um pensamento unívoco: ocorreram desenvolvimentos e modificações ao longo dos mais de 50 anos de discussões no meio acadêmico e no campo da prática profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mateus Segnini Tiberti, Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

Mestrando em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo no Programa de Pós-Graduação do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (PPG/IAU.USP), São Carlos, e pesquisador do N.ELAC, Núcleo de Apoio à Pesquisa em Estudos de Linguagem em Arquitetura e Cidade, pertencente à mesma instituição de ensino. Graduado em Arquitetura e Urbanismo no Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo pela qual recebeu Láurea de Excelência Acadêmica. Em 2012, bolsista de Iniciação Científica pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC - Santander.

Gabriel Braulio Botasso, Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

Doutorando em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo no Programa de Pós-Graduação do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (PPGAU/IAU.USP), São Carlos, e pesquisador do N.ELAC, Núcleo de Pesquisa em Estudos de Linguagem em Arquitetura e Cidade, pertencente à mesma instituição de ensino. Desenvolve seu Doutorado iluminando uma discussão crítica a respeito da fenomenologia no campo da Arquitetura e do Urbanismo, defendendo que, mesmo o lado científico, advém de um conhecimento baseado na experiência do mundo - neste caso, a experiência do locus projetual; para tanto, debruça-se sobre as relações entre corpo, lugar e Arquitetura nas obras dos arquitetos Angelo Bucci e Eduardo Souto de Moura. Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pelo IAU.USP (2018), com período de um ano de mobilidade internacional na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, FAUP, Portugal (2015-2016), a partir da obtenção de bolsa de mérito acadêmico. No término do curso, foi premiado com Láurea de Excelência Acadêmica, concedida pelo IAU.USP, e também recebeu o prêmio Destaque Acadêmico, concedido pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo (CAU/SP). Durante sua graduação, realizou 3 pesquisas como bolsista de iniciação científica (PIBIC, 2013-2014; FAPESP, 2014-2015/2017-2018). Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em fundamentos de Arquitetura e Urbanismo, representação e linguagem, atuando, principalmente, nos seguintes temas: fenomenologia do lugar; Arquitetura paulista; Arquitetura portuguesa; projeto de Arquitetura; processo de projeto; desenho. Indicadores bibliométricos: Researchgate, Google Scholar.

Referências

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. 7ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. 2ª ed. [trad. Paulo Neves]. São Paulo: Editora 34, 2010.
MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
NESBITT, Kate (org.). Uma nova agenda para a Arquitetura: antologia teórica 1965-1995. São Paulo: Cosac Naify, 2013.
NORBERG-SCHULZ, Christian. Existence, space and architecture. London: Praeger Publishers, 1971.
NORBERG-SCHULZ, Christian. Genius loci: towards a phenomenology of architecture. New York: Rizzoli, 1980.
NORBERG-SCHULZ, Christian. Intentions in Architecture. Cambridge: MIT Press, 1965.
OTERO-PAILOS, Jorge. Phenomenology and the Rise of the Architect-Historian. In: Repenser les limites: l’architecture à travers l’espace, le temps et les disciplines, 2005, Paris. Atas [...]. Paris: Publications de l’Institut national d’histoire de l’art, 2005. DOI: http://dx.doi.org/10.4000/books.inha.1449. Disponível em: http:// books.openedition.org/inha/1449. Acesso em: 6 out. 2020.
OTERO-PAILOS, Jorge. Photo[historio]graphy: Christian Norberg-Schulz's demotion of textual history. Journal of the Society of Architectural Historians, v. 66, n. 2, p. 220-241, jun/2007. DOI: 10.1525/jsah.2007.66.2.220. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/10.1525/jsah.2007.66.2.220. Acesso em: 13 fev. 2020.
OTERO-PAILOS, Jorge. Architecture’s historical turn. Phenomenology and the rise of the postmodern. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2010.
OTERO-PAILOS, Jorge. Theorizing the Anti-Avant-Garde: Invocations of Phenomenology in Architectural Discourse, 1945-1989. 2002. Tese (Ph.D. em História e Teoria da Arquitetura) - Department of Architecture, Massachusetts Institute of Technology, Cambridge, 2002. Disponível em: https://dspace.mit.edu/handle/1721.1/8313#files-area. Acesso em: 1 set. 2017.
PALLASMAA, Juhani. A Geometria do sentimento: um olhar sobre a fenomenologia da Arquitetura. In: Uma nova agenda para a Arquitetura: antologia teórica (1965-1995). [org. Kate Nesbitt; trad. Vera Pereira]. São Paulo: Cosac Naify, 2013, p. 481-489.
PALLASMAA, Juhani. Habitar. São Paulo: Gustavo Gili, 2017.
PALLASMAA, Juhani. Os olhos da pele: a Arquitetura e os sentidos. [trad. Alexandre Salvaterra]. Porto Alegre: Bookman, 2011.
PALLASMAA, Juhani. Essências. São Paulo: Gustavo Gili, 2018.
PÉREZ-GÓMEZ, Alberto. Architecture and the crisis of modern science. Cambridge: The MIT Press, 1983.
RYKWERT, Joseph. A casa de Adão no paraíso: a ideia da cabana primitiva na história da Arquitetura. São Paulo: Perspectiva, 2003.
STEINER, Henriette; STERNBERG, Maximilian. Phenomenologies of the city: studies in the history and philosophy of architecture. Farnham: England, 2015.
VALÉRY, Paul. Eupalinos ou O Arquiteto. [trad. Olga Reggiani]. Rio de Janeiro: Editora 34, 1996.
Publicado
28-09-2021
Como Citar
VIZIOLI, S. H. T.; SEGNINI TIBERTI, M.; BRAULIO BOTASSO, G. Diálogos entre Arquitetura e Fenomenologia: do Moderno ao Pós-Moderno. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, v. 6, n. 3, p. 39-50, 28 set. 2021.
Seção
TEORIA E CONCEITO