Gestão do turismo em tempos de crises e vulnerabilidades

Palavras-chave: Turismo. Gestão. Crises. Vulnerabilidade. Resiliência.

Resumo

As constantes crises de ordem econômica, política, social, ambiental tem acometido diversos países e afetam diretamente a gestão do turismo. Na busca pela superação das adversidades, as organizações e gestores que apresentam características resilientes tendem a preservar e restaurar suas estruturas e funções essenciais após os eventos perturbadores. Desta forma, com vistas a compor um documento de apoio para os debates sobre a gestão do turismo em tempos de crise e em situações de vulnerabilidade, se realizou um levantamento bibliográfico e eletrônico para identificar textos científicos e também de organismos internacionais que clarificassem os conceitos da resiliência e sua utilização no turismo. É preciso: a) perseguir as indicações do Tourism Resilience Committee para mitigação de riscos relacionados ao turismo; b) diagnosticar a capacidade resiliente de um gestor do turismo (metodologia SOBRARE) visando desenvolver características capazes de tornar os sujeitos mais preparados para enfrentar e superar as adversidades; c) incorporar no processo de planejamento e gestão de cidades turísticas as indicações da Campanha da ONU para tornar as cidades resilientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sinthya Pinheiro Costa, Instituto Federal da Paraíba
Doutoranda e Mestra em Turismo pela UFRN. Docente do Instituto Federal da Paraíba.
Kerlei Eniele Sonaglio, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Bacharel em Turismo (ESTH). Especialista em Turismo Empreendedor (ENE/UFSC). Mestre e Doutora em Engenharia Ambiental (PPGEA/UFSC). Docente na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Vice-líder do Grupo de Pesquisa em Planejamento e Organização do Turismo – GEPPOT/UFRN. CV: http://lattes.cnpq.br/1823313556538300.

Referências

AJONU - Associação de Jovens ONU Brasil (2012). Organização Mundial do Turismo. Recuperado em 20 de março, 2016 de http://ajonu.org/2012/10/17/organizacao-mundial-do-turismo-omt/.

Antoniazzi, A. S., DellÀglio, D. D., & Bendeira, D. R. (1998). O conceito de coping: uma revisão teórica. Estudos de Psicologia, 3(2), 273-294.

Araújo, J. F. F. E., & Silvestre, H. C. (2014). As parcerias público-privadas para o desenvolvimento de infraestrutura rodoviária: experiência recente em Portugal. Rev. Adm. Pública, 48(3), 571-593, maio/jun. Rio de Janeiro.

Barbosa, G. S. (2011). Resiliência e enfermagem: caminhos de superação para o estresse. In: Sociedade Brasileira de Resiliência (SOBRARE). Resiliência e enfermagem: caminhos de superação. São Paulo: SOBRARE, caderno 2.

Biggs, D., Hall, C. M., & Stoeckl, N. (2012). The resilience of formal and informal tourism enterprises to disasters: reef tourism in Phuket, Thailand. Journal of Sustainable Tourism, 20(5), 645–665.

Brandão, J. M., Mahfoud, M., & Gianordoli-Nascimento, I. F. (2011). A construção do conceito de resiliência em psicologia: discutindo as origens. Paidéia (Ribeirão Preto), 21(49). Mai/Ago.

Cabral, N. W. S. S. (2010). Zona Costeira Resiliente: um estudo sócioecológico no nordeste paraense. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sócio-Ambiental). Universidade Federal do Pará, Belém. 199 f.

Carvalho, R. (2009). O que é ser resiliente?. Recuperado em 20 de janeiro, 2017, de http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/o-que-e-ser-resiliente/33338/.

Deslandes, S. F., Junqueira, M. F. P., (2003). Resiliência e maus tratos à criança. Caderno Saúde Pública, 19(1), 227-235. Jan-fev. Rio de Janeiro.

Esslin, L., Ensslin, S. R., Lacerda, R. T. O., & Tasca, J. E. (2010). ProKnow-C, Knowledge Development Process-Constructivist. Processo técnico com patente de registro pendente junto ao INPI. Brasil.

Francisco, M. V., & Coimbra, R. M. (2015). Resiliência em si na perspectiva da teoria histórico-cultural. Anais de Coimbra, R. M. & Morais, N. A. (orgs.). A resiliência em questão: perspectivas teóricas, pesquisa e intervenção. Porto Alegre: Artmed.

Infante, F. (2005). A resiliência como processo: uma revisão da literatura recente. Anais de Melillo, A.; Ojeda, E.N.S. (Eds.). Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas. Artmed, São Paulo, 22-38. Recuperado em 13 de junho, 2016, de http://www.larpsi.com.br/media/mconnect_uploadfiles/c/a/cap_01ppplo.pdf.

Kaplan, H. (1999). Toward an understanding of resilience: A critical review of definitions and models. In: Glantz, M.; Johnson, J. (Eds.). Resilience and development: positive life adaptations. New York, Plenum Publishers, 17-84.

Luthar, S., Cicchetti, D., & Becker, B. (2000). The Construct of resilience: A critical evaluation and guidelines for future work. Child Development, 71(3), 543-558. Recuperado em 12 de junho, 2016, de http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1885202/.

Masten, A. (1999). Resilience comes of age: Reflections on the past and outlooks for the next generation of researchers. In: Glantz, M.; Johnson, J. (Eds.). Resilience and development: positive life adaptations. New York: Plenum Publishers, 281-296.

Miguel, M. E. G. B. (2012). Resiliência e qualidade de vida dos docentes de enfermagem. Ribeirão Preto. Tese de doutorado apresentada à escola de enfermagem de Ribeirão Preto/USP. Universidade de São Paulo.

Ministério da Integração Nacional (2016). Construindo cidades resilientes. Recuperado em 13 de julho, 2016, de http://www.mi.gov.br/web/guest/cidades-resilientes.

Ojeda, E. N. S. (2004). Introducción: Resiliencia e subjetividad. Anais de A. Melillo, E. N. S. Ojeda, & D. Rodríguez (Orgs.). Resiliencia y subjetividad: Los ciclos de la vida. Buenos Aires: Paidós.

Raichelis, R. (2006). Gestão pública e a questão social na grande cidade. Lua Nova, São Paulo, (69), 13-48.

Santos, F. T. (2009). Resiliência estratégica para um desenvolvimento regional sustentável. Revista Portuguesa de Estudos Regionais, (20), 29-40.

SOBRARE, Sociedade Brasileira de Resiliência. (2016). E-book Comportamento resiliente nas organizações. Recuperado em 07 de julho, 2014, de www.sobrare.com.br.

Sordi, A. O., Manfro, G. G., & Hauck, S. (2011). O Conceito de Resiliência: Diferentes Olhares. Revista Brasileira de Psicoterapia, 13(2), 115-132.

Souza, M. L. (2010). Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos. (6ª ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Taboada, N. G., Legal, E. J., & Machado, N. (2006). Resiliência: em busca de um conceito. Revista Brasileira de Desenvolvimento Humano, 16(3), 104-113.

Tavares, J. (2001). A resiliência na sociedade emergente. Anais de Tavares, J. (Org.). Resiliência e educação. São Paulo: Cortez.

Timoshenko, S. P. (1953). History of strength of materials: With a brief account of the history of theory of elasticity and theory of structures. New York: McGraw-Hill. Recuperado em 13 de junho, 2016, de https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=tkScQmyhsb8C&oi=fnd&pg=PR5&ots=X4irge5BEB&sig=A9xcVF0Vik5iIgKvZTLNxuaaw2M&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false.

UNISDR, United Nations International Strategy for Disaster Reduction (2012). Como construir cidades mais resilientes: um guia para gestores públicos locais. Genebra: Nações Unidas.

UNISDR, The United Nations Office for Diseaster Risk Reduction. (2012). Recuperado em 10 de maio, 2016, de http://www.unisdr.org/.

______.(2016). “Participating Local Government”. Recuperado em 29 de novembro, 2016, de http://www.unisdr.org/campaign/resilientcities/home/cities.

UNWTO (2016). World Tourism Organization. Recuperado em 20 de março, 2016, de http://rcm.unwto.org/en/content/about-us-7.

Publicado
30-06-2017
Como Citar
COSTA, S.; SONAGLIO, K. Gestão do turismo em tempos de crises e vulnerabilidades. Revista de Turismo Contemporâneo, v. 5, n. 1, 30 jun. 2017.
Seção
Artigos