A Percepção de inovação dos gestores das micro e pequenas empresas turísticas, localizadas no bairro da Praia Grande, Centro Histórico de São Luís-MA

  • Gilson de Jesus Mota Rodrigues
  • Francisco Antônio dos Anjos Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI, Balneário Camboriú, Brasil

Resumo

Este estudo tem por objetivo verificar a percepção, sobre inovação, dos gestores das MPE’s turísticas no bairro da Praia Grande, Centro Histórico de São Luís-MA. A pesquisa se caracteriza como quantitativa, sendo realizada por meio de um questionário fechado formado por 4 constructos para a medição da percepção sobre inovação dos gestores das MPE’s. Foram respondidos 43 questionários dos segmentos artesanato, restauração e outros empreendimentos turísticos. O resultado aponta que os gestores possuem no geral uma boa percepção sobre inovação. As maiores observações são relacionadas ao construto confiança como fator para inovar, em que existe uma incoerência relacionada à liberdade no processo de inovação, bem como, dificuldade para inovar, pois a maior parte dos gestores não sente dificuldade para inovar devido a grande quantidade de empresas no mercado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

REFERÊNCIAS

Appolinário, F. (2009). Metodologia da ciência: filosofia e prática da pesquisa. São Paulo: Cengage Learning.

Bessant, J.; & Tidd, J. (2009). Gestão da Inovação. 5. ed. Porto Alegre: Bookman.

Braga, A., Marques, C., & Braga, V. (2009). La decisión de innovar en las empresas portuguesas - un análisis multivariado, In: VI International Conference of Ibero American Academy of Management, Buenos Aires.

Brasil. Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Recuperado em 11 mai 2015. de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm.

Bouchikhi, H., & Kimberly, J.R. (2001). It is difficult to innovate: The death of teaching free teacher and the birth of the knowledge entrepreneur, Human Relations, v.54, p. 77-84.

Bramwell, B., & Lane, B. Tourism cooperation and partnerships: policies, practices and sustainability. Clevedon: Channel View, 2000.

Brue, S. L. (2006). História do pensamento econômico. São Paulo: Thomson Learning.

Carvalho, K. D., & Simões, M. L. N. (2011). Turismo e patrimônio cultural sob o olhar do sujeito-morador: uma leitura do bairro da Praia Grande, São Luís, Maranhão (Brasil). Turismo e Sociedade, Curitiba, Vol. 4 - nº 1 - p. 12–31- / abr;

Davila, T., Epstein, M. J., & Shelton, R. (2007). As regras da inovação. Porto Alegre: Bookman.

Drucker, P. F. (1985). The discipline of innovation. Haward Business Review, v. 63, n. 3.

______. (2014). Inovação e espírito empreendedor: práticas e princípios. São Paulo: Cengage Learning.

Duarte, C. M. M. F. (2013). Gestão estratégica como ferramenta de competitividade nos engenhos de cana de açúcar do Brejo Paraibano. 95 f. Dissertação (Mestrado em Administração e Desenvolvimento Rural) Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife-PE.

Dzikowski, P. (2014). The design of a sectoral innovation system in the tourism sector in Poland. 2014. Journal of Tourism & Services, v. 5, p. 18-29.

Fitzsimmons, J. A., & Fitzsimmons, M. J. (2000). Administração de serviços: operações, estratégias e tecnologia de informação. 2.ed. Porto Alegre: Bookman.

FNQ. A importância da inovação para a sobrevivência das organizações. Recuperado em: 02 mai 2015. de: http://www.fnq.org.br/informe-se/artigos-e-entrevistas/entrevistas/a-importancia-da-inovacao-para-a-sobrevivencia-das-organizacoes.

Fortes, V. M. M., Turismo em Cabo Verde: um estudo da competitividade entre os clusters de Santo Antão-São Vicente e Sal-Boa Vista. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul-RS.

Gadrey, J. (2000). The characterization of the best services: an approach alternative. Review of Income and Wealth, v. 46, n. 3, 369-387 p. set.

Gândara, J. M. Inovações no turismo experiencial: casos de sucesso no Brasil e exterior. Recuperado em: 31 ago., 2015. de: http://www.uesc.br/cultur/palestras/gandara_josemanoel.pdf.

Gelman A., & Hill J. (2007). Data Analysis Using Regression and Multilevel/Hierarchical Models. New York : Cambridge University Press.

Gorni, P.M., Dreher, M.T., & Machado, D.D.P.N. (2009). Inovação em serviços turísticos: a percepção desse processo em agências de viagens. Revista Acadêmica: Fgv Ebape, v.4, n.1, mar.

Gronrros, C. (2004). Marketing: gerenciamento e serviços. 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Hall, M., & Rusher, K. (2004). Estilos de vida de risco? Características empreendedoras de cama e pequeno-almoço na Nova Zelândia. In: Thomas, R. As pequenas empresas no setor de turismo: perspectivas internacionais. UK: Elsevier.

Hamel, G., & Prahalad, C. K. (2005). Competindo pelo futuro. 19. ed. Elsevier.

Hisrich, R. D.; & Peters, M. P. (2004). Empreendedorismo. 5. ed. Porto Alegre: Bookman.

Hoffman, K. D. et al. (2009). Princípios de marketing de serviços. São Paulo: Cengage Learning.

IBGE. (2012). Economia do turismo: uma perspectiva macroeconômica 2003-2009. Estudos e pesquisas, Informação econômica nº 18, Rio de Janeiro.

Iordache, C. (2015). Innovation in tourism - between desideratum, development and braking. Strategic policy innovation. Romanian Journal of Marketing. jan./mar. p. 53-66.

João, B. N. Claro, J. Sarmento, M. B. Dias, A. H. (2011). Inovação de valor: o caso Citizen M Hostels. Turismo Visão e Ação, Balneário Camboriú (SC), v. 13, n. 3, p. 299-310.

Kotler, P.; Keller, K. L. (2006). Administração de marketing. 12. ed. São Paulo: Pearson.

Lima, F. O., & Alves, J. L. (2011). Inovação no setor do turismo: apontamentos do processo inovador através do estudo do Grupo Pestana. [s.l]: Algarve.

L. Júnior, J. C. (2014). Proposição de um modelo de inovação em serviços a partir da perspectiva do marketing de serviços. Tese (Doutorado em Administração e Contabilidade) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

Lovelock, C., & Wright, L. (2004). Serviços: marketing e gestão. São Paulo: Saraiva.

Malzoni, J. C., Malzoni, J. C. (2010). 100 grandes chefs contemporâneos escolhidos por 10 mestres internacionais. São Paulo-SP: SENAC.

OECD. (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). (1997). Manual de Oslo: Diretrizes para coleta e interpretação de dados para inovação, 3. ed. Eurostat: Londres.

Penalva, W. (2015). A ordem é inovar. In: Revista Brasileira de Administração. A regra é inovar. 25, n. 104, jan./fev.

Porter, M. (1999). Competição: Estratégias competitivas essenciais. 11. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Quandt, C. O. (2009). Inovação Tecnológica. In: Empreendedorismo Tecnológico. Instituto de Engenharia do Paraná: Curitiba.

Rodrigues, G. J. M. (2015). Inovação e Empreendedorismo: percepção das MPE’s turísticas no bairro da Praia Grande, Centro Histórico de São Luís-MA. 173 f. Dissertação (Mestrado em Turismo e Hotelaria) Universidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú-SC.

Rodrigues, A., & Rodrigues, Á. (2009). Turismo e inovação em espaços rurais: estudo de caso da rede européia de turismo de aldeia. Turismo em Análise, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 35-47.

Rush, M. (2005). Administração: uma abordagem bíblica. Belo Horizonte: Betânia.

Schumpeter, J. A. (1961). Capitalismo, sociedade e democracia. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura.

Silva, P. M. (2011). A Rota Romântica: uma análise das inovações sociais decorrentes de um empreendimento turístico. 84 f. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade do Vale do Rio Sinos, São Leopoldo-RS.

Silva, R. de A. (1997). Proposta do Governo do Estado do Maranhão para inclusão do Centro Histórico de São Luís na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO. São Luís.

Siqueira, J. (2009). Inovação: o desafio permanente. Recuperado em: 23 ago 2015.

de: http://criatividadeaplicada.com/2009/03/29/inovacao-o-desafio-permanente.

Smith, S. L. J. (2006). How big, how many? Company size distributions in tourism and other industries. Journal of Travel Research, v. 12, p. 243-254.

Sundbo, J. (1997). Management of innovation in services. The Service Industries Journal. London, v. 17, n.3, jul., p. 432.

Sundbo, J., & Gallouj, F. (1998). Innovation in services. SI4S Synthesis Paper, n. 2.

Tellechea, R. (2015). Empreender, inovar e administrar: uma união indefectível. Recuperado em: 23 ago. de: http://www.administradores.com.br/artigos/administracao-e-negocios/empreender-inovare-administrar-uniao-indefectivel/69453/#.

Tidd, J., & Hull, F. M. (2005). Inovação Serviço: As respostas organizacionais, oportunidades tecnológicas e exigências do mercado. Imperial College Press.

Tour da experiência. (2015). Experiência em destaque. Recuperado em: http://www.tourdaexperiencia.com.br/inicio. Em: 12 mai.

Váldes, J. A. (2003). Marketing estratégico e estratégia competitiva de empresas turísticas: um estudo de caso da cadeia hoteleira Sol Meliá. 84 f. Tese (Doutorado em Administração) Universidade de São Paulo, São Paulo-SP.

Valadares, C. (2015). A inovação é a alma do negócio. 2014. Recuperado em: 04 mai. de: http://www.turismo.gov.br/turismo/noticias/todas_noticias/20141002_2.html.

Valei, G. V., Wilkinson, J., & Amâncio, R. (2008). Empreendedorismo, inovação e redes: uma nova abordagem. Revista Era. v. 7, n. 1, jan./jun.

Varani, C. B. (2009). Caminhos da inovação: Southwest Airlines. Recuperado em: 02 mai 2015. de: http://www.plataformai.com.br/v4.0/2009/06/caminhos-da-inovacao-southwest-airlines/.

Vargo, S. L., & Lusch, R. F. (2004). The four myths of marketing services: remains of a good base, manufacturing model. Journal of Marketing Research, Chicago, v. 6, n. 4, mai. p.324-335.

Vasconcellos, L. H. R., & Marx, R. (2011). Como ocorrem as inovações em serviços? um estudo exploratório de empresas no Brasil. Gest. Produção, São Carlos, v. 18, n.3, p. 443-460.

Vergara, S. C. (2011). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 13. ed. São Paulo. Editora Atlas S.A.

Yazigi, E. A. (2014). Criatividade ou Inovação? Espaço e Cultura do Gênio Gaúcho. Revista Rosa dos Ventos, Caxias do Sul (RS), v. 6, n. 3, p. 469-480.

Zanotto, C. (2015). Relaxamento intefere nos lucros. In: Revista Brasileira de Administração. A regra é inovar. v.25, n.104, jan./fev.

Zehrer, A., Pechlaner, H., & Reuter, C. (2013). Tourism innovation capacity: the perception of participants of innovation awards. Journal of Tourism, v.14, n.1.

Publicado
30-12-2016
Como Citar
RODRIGUES, G. DE J. M.; ANJOS, F. A. DOS. A Percepção de inovação dos gestores das micro e pequenas empresas turísticas, localizadas no bairro da Praia Grande, Centro Histórico de São Luís-MA. Revista de Turismo Contemporâneo, v. 4, n. 2, 30 dez. 2016.
Seção
Artigos