Determinantes dos fluxos de caixa de financiamento: um estudo iniciado sob a ótica da concentração acionária

Palavras-chave: Concentração acionária, Fluxo de Caixa de Financiamento, Governança Corporativa

Resumo

Objetivo: Considerando que a literatura indica uma relação entre a captação de recursos externos com a governança corporativa e também entre a governança corporativa e a concentração acionária, este estudo teve por objetivo verificar se a concentração acionária é um determinante dos fluxos de caixa de financiamento, buscando também identificar o impacto de outras determinantes sobre estes fluxos.

Metodologia: A amostra é composta por 284 empresas não financeiras de capital aberto ativas na BM&FBovespa no ano de 2014. Inicialmente, foi utilizada a regressão linear simples, cuja variável dependente foi o fluxo de caixa de financiamento e a variável independente o controle acionário. Para identificar o impacto de outras variáveis determinantes do fluxo de caixa de financiamento, utilizou-se a regressão múltipla, na qual a variável dependente manteve-se a mesma e as variáveis independentes foram: controle acionário, tamanho da empresa, oportunidade de investimento, fluxo de caixa e despesa de capital.

Resultados: Verificou-se que a concentração acionária não é um determinante do fluxo de caixa de financiamento, mas que as demais variáveis testadas impactam o referido fluxo com os sinais esperados, com exceção da oportunidade de investimento, para a qual era esperado um efeito negativo, porém verificou-se um efeito positivo. O resultado referente à concentração acionária contraria esperado, pois, com base na literatura, entende-se haver uma relação entre concentração acionária e o nível de governança corporativa, e que quanto maior o nível de governança, maior a facilidade de captar recursos de terceiros.

Contribuições do Estudo: O trabalho agrega aos demais estudos relativos aos determinantes do saldo de caixa e dos fluxos de caixa realizados no Brasil, visto não ter sido encontrado, na literatura nacional, trabalho com enfoque nos determinantes dos fluxos caixa de financiamento. Além disso, investigou uma variável que não havia ainda sido indicada como uma possível determinante dos fluxos de financiamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manuela Gonçalves Barros, Universidade Federal de Mato Grosso

Mestra em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo FEA-RP/USP e Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Professora Assistente A na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Pesquisadora na área de Contabilidade Financeira.

Marina Oliveira Gomes, Centro Universitário Alves Faria

Bacharel em Ciências Contábeis pelo Centro Universitário Alves Faria.

Jéssica Duarte de Andrade, Centro Universitário Alves Faria

Bacharel em Ciências Contábeis pelo Centro Universitário Alves Faria.

Kálita Santos Sá

Bacharel em Ciências Contábeis pelo Centro Universitário Alves Faria

Referências

Avelar, E. A., Boina, T. M., Cunha, N. G., & Souza A. A. (2015). Teoria dos fluxos de caixa livres: uma análise no mercado acionário brasileiro. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo.

Braga, R., & Marques, J. A. V. C. (2001). Avaliação da liquidez das empresas através da análise da demonstração de fluxos de caixa. Revista Contabilidade & Finanças, 12(25), 06-23.

Colombo, J. A., & Galli, O. C. (2012). Governança corporativa no Brasil: Níveis de governança e rendimentos anormais. Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa, 11(2-3), 117-128.

Costa, J. C. B. F., Viana, D. B. C. Jr, Domingos, S. R. M., & Ponte, V. M. R. (2016). Endividamento e qualidade da governança corporativa nas companhias listadas na bm&fbovespa. Revista de Contabilidade da UFBA, 10(3), p. 41-62.

Silveira, A. D. M., Perobelli, F. F. C., & Barros, L. A. B. C. (2008). Governança corporativa e os determinantes da estrutura de capital: evidências empíricas no brasil. Revista de Administração Contemporânea, 12(3), p. 763-788.

David, M., Nakamura, W. T., & Bastos, D.D. (2009). Estudo dos modelos trade-off e peckingolder para as variáveis endividamento e payout em empresas brasileiras (2000-2006). Revista de Administração Mackenzie, 10(6), p. 132-153.

Fávero, L.P. (2015). Analise de Dados Modelos de Regressão com EXCEL, STATA e SPSS, (1 ed). Rio de Janeiro: Elsevier Garrison.

Ferreira, M. A., & Vilela, A. S. (2004). Why do firms hold cash? Evidence from EMU countries. European Financial Management, 10(2), p. 295–319.

Jensen, M. C. (1986). Agency Costs of Free Cash Flow, Corporate Finance, and Takeovers. American Economic Review, 76(2), p. 323-329.

Kayhan, A. & Titman, S. (2004). Firms’ Histories and Their Capital Structure. The national bureau of economic research, vol. 83(1), p. 1-32.

Leal, R. P., Silva, A. L., & Valadares, S. M (2002). Estrutura de Controle das Companhias Brasileiras de Capital Aberto. Revista de Administração Contemporânea, 6(1), p. 7-18.

Loncan, T.R., & Caldeira, J.F. (2014). Estrutura de capital, liquidez de caixa e valor da empresa: estudo de empresas brasileiras cotadas em bolsa. Revista Contabilidade & Finanças, 25(64), p. 46-59.

Macedo, M. A., Machado, M. A., Murcia, F.D., & Machado, M. R. (2011). Análise do impacto da substituição da DOAR pela DFC: um estudo sob a perspectiva do value-relevance. Revista Contabilidade & Finanças, 22(57), p. 299-318.

Marques, T. A., Guimarães, T. M., & Peixoto, F. M. (2015). A Concentração acionária no Brasil: Análise dos impactos no desempenho, valor e risco das empresas. Revista de Administração Mackenzie, 16(4), p. 100-133.

Martins, E., Gelbcke, E. R., Santos, A., & Iudícibus, S. (2013). Manual de contabilidade das sociedades por ações (Aplicável a todas as sociedades). (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Matarazzo, D. C. (2010). Análise financeira de balanços: abordagem gerencial. 7. ed. São Paulo: Atlas.

Neves, P. A., & Pinheiro, L. E. (2016). Conflito entre acionistas, concentração acionária, governança corporativa e valor da empresa: um estudo nas companhias abertas brasileiras.

Anais do Congresso Anpcont, Ribeirão Preto, Brasil.

Pronunciamento técnico CPC 03, de 07 de Outubro de 2010. Demonstração dos fluxos de caixa, Recuperado de http://static.cpc.mediagroup.com.br/Documentos/183_CPC_03_R2_rev%2004.pdf.

Salazar, G. T. (2012). Administração dos Fluxos de Caixa. São Paulo: Atlas.

Sonza, I.B., & Kloeckner, G.O. (2014). A Governança Corporativa Influencia a Eficiência das Empresas Brasileiras? Revista Contabilidade & Finanças, 25(65), p. 145-160.

Spadin, C. E. (2008). A importância da demonstração dos fluxos de caixa enquanto instrumento gerencial para a tomada de decisão. Revista de Ciências Gerencias, 12(14), p. 167-177.

Tortoli, J. P., & Moraes, M. B. (2015). Fatores de Impacto sobre o Saldo de Caixa: Um Estudo em Empresas Brasileiras Não Financeiras de Capital Aberto. Revista Brasileira de Finanças, 14(1), p.125–150.

Tortoli, J. P., & Moraes, M. B. (2016). O efeito da concentração acionária no saldo de caixa: um estudo em empresas brasileiras de capital aberto. Anais do Congresso Anpcont, Ribeirão Preto, Brasil.

Zani, J., & Ness, W. L. (2000). Os juros sobre o capital próprio versus a vantagem fiscal do endividamento. XXIII Congresso Brasileiro de Custos, Pernambuco, Brasil.

Publicado
03-01-2020
Como Citar
BARROS, M. G.; GOMES, M. O.; DE ANDRADE, J. D.; SÁ, K. S. Determinantes dos fluxos de caixa de financiamento: um estudo iniciado sob a ótica da concentração acionária. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 12, n. 1, p. 44-65, 3 jan. 2020.
Seção
Seção 1: Contabilidade Aplicada ao Setor Empresarial (S1)