Cultura organizacional e desempenho financeiro: evidências em empresas listadas no Índice Brasil 100

Palavras-chave: Cultura Organizacional; Desempenho Financeiro; Empresas Listadas na Brasil Bolsa Balcão [B]³; IBrX 100.

Resumo

Objetivo: O estudo investiga a relação entre cultura organizacional e desempenho financeiro de empresas listadas no IBrX 100.

Metodologia: Analisou-se a cultura organizacional de 83 empresas por meio da análise textual, a partir das tipologias culturais desenvolvidas por Cameron et al. (2006) e os dados referentes ao desempenho foram extraídos da Thomson Reuters®.

Resultados: Os resultados da regressão linear múltipla destacam que a cultura organizacional se relaciona de diferentes formas com o desempenho financeiro. No entanto, nem todas as dimensões da cultura tiveram a mesma relação na promoção do desempenho. As dimensões de controle e a criativa tem impacto no desempenho financeiro. Já as orientações culturais voltadas para a competitividade e para colaboração não se relacionam com o desempenho. Nessa perspectiva, o desempenho financeiro incorpora dois aspectos principais da cultura organizacional: (i) a permeabilidade de elementos inovadores e de flexibilidade; e (ii) a condução de processos por meio da eficiência e controle operacional.

Contribuições do Estudo: A pesquisa oferece para sociedade um mapeamento explícito das tipificações de cultura organizacional, assim em longo prazo esse documento pode servir de informações estratégicos para as instituições sociais construírem mecanismos que maximizem a qualidade e tempestividade informacional das narrativas contábeis. Do ponto de vista teórico a pesquisa contribui para o fomento das discussões a respeito da posicionalidade das narrativas contábeis no que tange influenciar o desempenho e a cultura da companhia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Portella Ilowski, Universidade Federal do Paraná - UFPR.

Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Paraná.

Iago França Lopes, Universidade Federal do Paraná - UFPR.

Doutorando em Contabilidade no Programa de Pós-Graduação em Contabilidade na Universidade Federal do Paraná.

Cintia Lopes da Silva Vieira, Universidade Federal do Paraná - UFPR.

Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Paraná.

Danieli de Assis Machado, Universidade Federal do Paraná - UFPR.

Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Paraná.

Ruberval Gonçalves de Matos, Universidade Federal do Paraná - UFPR.

Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Paraná.

Nayane Thais Krespi Musial, Universidade Federal do Paraná - UFPR.

Doutora em Métodos Numéricos em Engenharia pela Universidade Federal do Paraná. Professora no Programa de Pós-Graduação em Contabilidade na Universidade Federal do Paraná. Campus III – Jardim Botânico

Referências

Acar, A. Z., & Acar, P. (2014). Organizational culture types and their effects on organizational performance in Turkish hospitals. EMAJ: Emerging Markets Journal, 3(3), 18-31.

Brasil Bolsa Balcão [B]³. Índice Brasil 100 (IBrX). Recuperado em 23 out. 2018. de http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/produtos/indices/indices-amplos/indice-brasil-100-ibrx-100-composicao-da-carteira.htm.

Cameron, K. S. & Quinn, R. E. (2006). Diagnosing and changing organizational culture : based on the competing values framework. São Francisco: Jossey Bass.

Cameron, K. S.; Quinn, R. E.; Degraff, J. & Thakor, A. V. (2006). Competing values leadership: creating value in organizations. Cheltenham: Edward Elgar.

Cervo, A. L. & Bervian, P. A. (1983). Metodologia Científica: para uso dos estudantes universitários. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.

Comissão de Valores Mobiliários. Instrução CVM 480, de 07 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o registro de emissores de valores mobiliários admitidos à negociação em mercados regulamentados de valores mobiliários. Recuperado em 04 abr. 2019. de http://www.cvm.gov.br/legislacao/instrucoes/inst480.html.

Deal, T. E., & Kennedy, A. A. (1983). Culture: A new look through old lenses. The journal of applied behavioral science, 19(4), 498-505.

Fiordelisi, F., & Ricci, O. (2014). Corporate culture and CEO turnover. Journal of Corporate Finance, 28(1), 66-82.

Fleury, M. T. & Fischer, R. M. (1989). Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas.

Fonseca, C. A. M., & Bastos, A. V. B. (2003). Criatividade e comprometimento organizacional: suas relações com a percepção de desempenho no trabalho. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 3(1), 61-88.

Freitas, M. E. D. (1991). Cultura organizacional grandes temas em debate. Revista de Administraçao de empresas, 31(3), 73-82.

Gonçalves, A. R., & Quintella, R. H. (2006). The role of internal and external factors in the performance of Brazilian companies and its evolution between 1990 and 2003. Revista de Administração Contemporânea, 10(SPE), 117-136.

Hall, R. H. (2004). Organizações: estruturas, processos e resultados. Pearson.

Han, H. (2012). The relationship among corporate culture, strategic orientation, and financial performance. Cornell Hospitality Quarterly, 53(3), 207-219.

InfoMoney (2021). Índice Brasil 100 IBrX 100. Recuperado de https://www.infomoney.com.br/cotacoes/ibrx100/

Iudícibus, S., & Marion, J. C. (2011). Curso de contabilidade para não contadores . São Paulo: Atlas.

Kos, S. R., Espejo, M. M. D. S. B., & Raifur, L. (2014). O conteúdo informacional do Relatório da Administração e o desempenho das empresas brasileiras do Ibovespa. Revista Universo Contábil, 10(2), 43-62.

Krauter, E. (2009). Contribuições do sistema de remuneração dos executivos para o desempenho financeiro: um estudo com empresas industriais brasileiras (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Lindquist, E. A. & Marcy, R. T. (2014). The Competing Values Framework: Strategic Implications for Leadership, Conflict and Change in Public Organizations. Anais… British Columbia:University of Victoria, British Columbia, 2014.

Lopes, I. F., & Beuren, I. M. (2016). Evidenciação da Inovação no Relatório da Administração: uma análise na perspectiva da Lei do Bem (Lei Nº. 11.196/2005). Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 6(1), 109-127.

Lopes, I. F., & Beuren, I. M. (2018). Reflexos da cultura local nos sistemas de controle de incubadoras de empresas. Revista de Contabilidade e Organizações, 12(1), 1-14.

Lopes, I. F., Gasparetto, V., Schnorrenberger, D., & Lunkes, R. J. (2017). Relação do desempenho financeiro e dos riscos operacionais na remuneração de executivos de empresas brasileiras com ADRs. Contabilidade Vista & Revista, 28(3), 22-52.

Martins, G. A. & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas.

Ogbonna, E., & Harris, L. C. (2000). Leadership style, organizational culture and performance: empirical evidence from UK companies. international Journal of human resource management, 11(4), 766-788.

Oyadomari, J. C. T. (2008). Uso do sistema de controle gerencial e desempenho: um estudo em empresas brasileiras sob a ótica da VBR. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil.

Parente, P. H. N., De Luca, M. M. M., de Lima, G. A. S. F., & de Vasconcelos, A. C. (2018). Cultura organizacional e desempenho nas empresas estrangeiras listadas na NYSE. Revista de Contabilidade e Organizações, 12, 1-21.

Pettigrew, A. (1979). Studying Organizational Culture. Administrative Science Quarterly, 24, 570-581

Ribeiro, J. S. D. A. N., Calijorne, M. A. S., Jurza, P. H., Ziviani, F., & de Ramos Neves, J. T. (2017). Gestão do conhecimento e desempenho organizacional: integração dinâmica entre competências e recursos. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 7(Número Especial), 4-17.

Rocha, L. C. S., Pelogio, E. A., & Añez, M. E. M. (2013). Cultura e clima organizacionais: um estudo em indústrias de laticínios do Estado do Rio Grande do Norte. Gestão & Produção, 20(2), 455-468.

Santos, J. L., Kelm, M. L., & Abreu, A. F. (2001). Um modelo de gestão por resultados segundo a teoria da agência-um estudo de caso: Banco do Estado de Santa Catarina S/A. Revista de Administração, 36(3), 59-69.

Santos, N. M. B. F. D. (1998). Cultura e desempenho organizacional: um estudo empírico em empresas brasileiras do setor têxtil. Revista de Administração Contemporânea, 2(1), 47-76.

Santos, N. M., Bronzo, M., Oliveira, M. P. V., & Resende, P. T. V. (2014). Cultura organizacional, estrutura organizacional e gestão de pessoas como bases para uma gestão orientada por processos e seus impactos no desempenho organizacional. BBR-Brazilian Business Review, 11(3), 106-129.

Schein, E. H. (1984). Coming to a new awareness of organizational culture. Sloan management review, 25(2), 3-16.

Schneider, B., Ehrhart, M.G. & Macey, W.H., (2012). Organizational Climate and Culture. Annual Review of Psychology. San Diego: California.

Shahzad, F., Luqman, R. A., Khan, A. R., & Shabbir, L. (2012). Impact of organizational culture on organizational performance: An overview. Interdisciplinary Journal of Contemporary Research in Business, 3(9), 975–985.

Svendsen, A. (1998). The Stakeholder Strategy: Profting from Collaborative Business Relationships. Berrett-Koehler Publishers: San Francisco, 1998.

Tseng, S. M. (2010). The correlation between organizational culture and knowledge conversion on corporate performance. Journal of knowledge management.

Venkatraman, N., & Ramanujam, V. (1987). Measurement of business economic performance: an examination of method convergence. Journal of management, 13(1), 109-122.

Publicado
05-01-2022
Como Citar
PORTELLA ILOWSKI, L.; FRANÇA LOPES, I.; LOPES DA SILVA VIEIRA, C.; DE ASSIS MACHADO, D.; GONÇALVES DE MATOS, R.; THAIS KRESPI MUSIAL, N. Cultura organizacional e desempenho financeiro: evidências em empresas listadas no Índice Brasil 100. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 14, n. 1, p. 44-68, 5 jan. 2022.
Seção
Seção 1: Contabilidade Aplicada ao Setor Empresarial (S1)