Ativo não circulante mantido para venda e operações descontinuadas: uma análise no nível de evidenciação e nas características das companhias de capital aberto brasileiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2022v14n2ID23254

Palavras-chave:

Ativos não circulantes mantido para venda, Operações descontinuadas, CPC 31, IFRS 5, Evidenciação

Resumo

Objetivo: O objetivo desta pesquisa é analisar o nível de evidenciação e as características das companhias de capital aberto brasileiras em relação aos ativos não circulantes mantidos para venda e operações descontinuadas.

Metodologia: Para analisar o nível de evidenciação, elaborou-se uma lista de verificação com base no CPC 31 (2009). Este estudo se enquadra como documental, tendo em vista que foram analisadas as Notas Explicativas, o Balanço Patrimonial (BP) e a Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) das empresas componentes da amostra. A abordagem do problema foi qualitativa. A amostra é constituída por todas as companhias da Brasil, Bolsa, Balcão (B3) que apresentaram ativos não circulantes mantidos para venda (ANCMV) e/ou operações descontinuadas (OD) no ano de 2018, o que corresponde a 67 empresas divididas em 10 setores de atuação. As características analisadas foram: setor de atuação, governança corporativa, rentabilidade, empresa de auditoria, e se negociam ações na New York Stock Exchange (NYSE).

Resultados: Os resultados sugerem que as companhias que se enquadram no Novo Mercado, possuem rentabilidade negativa e negociam ações na NYSE tendem, em média, a realizar um maior nível de evidenciação dos ANCMV e OD. Os setores que apresentaram maior concentração dos ANCMV e OD foram o de Bens Industriais e Consumo Cíclico, ambos compostos por 16 empresas das 67 da amostra. A natureza do ANCMV que mais se destacou foram as controladas, com representatividade de 49%. Observou-se que as empresas ainda precisam melhorar quanto a evidenciação, pois a média da amostra foi de 44%.

Contribuições do Estudo: A realização da presente investigação contribui no sentido que a prática contábil pertinente aos ANCMV e OD é relativamente recente no Brasil e muitos acadêmicos ainda podem ter dúvidas sobre o tema, considerando que o pronunciamento contábil CPC 31 trouxe novos procedimentos de evidenciação. Nesse sentido, esta pesquisa contribui no sentido de apresentar a maneira como as companhias de capital aberto brasileiras estão evidenciando os ANCMV e das OD num contexto atualizado, demonstrando que elas precisam melhorar o nível das informações divulgadas para atender plenamente o CPC 31.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andressa Fernanda da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduanda em Ciências Contábeis, Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Socioeconômico.

Maíra Melo de Souza, Universidade Federal de Santa Catarina - Centro Socioeconômico

Professora Doutora do Departamento de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Santa Catarina - Centro Socioeconômico. Doutorado em Administração.

Referências

Barros, M.G., Santos M. S. F., Oliveira, L. S. S., Brito, G. K. M. C. (2018) Escolhas Contábeis: O Impacto do Ativo Não-Circulante Disponível para Venda sobre o Indicador de Liquidez Corrente. XV Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade, São Paulo. Recuperado em 28 julho, 2021, de https://congressousp.fipecafi.org/anais/18UspInternational/ArtigosDownload/896.pdf

Brasil, Bolsa, Balcão (2019). Segmentos de listagem. Recuperado em 16 novembro, 2019, de http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/listagem/acoes/segmentos-de-listagem/sobre-segmentos-de-listagem/

Correia, A. M. (2012). Activos não correntes detidos para venda e operações descontinuadas: a IFRS5-NCRF 8 e a sua aplicação a empresas portuguesas. Dissertação (Mestrado em Contabilidade), Instituto Universitário de Lisboa - ISCTE, Lisboa. Recuperado em 01 setembro, 2019, de https://repositorio.iscte-iul.pt/handle/10071/4636

Diniz, E. H. & Lopes, A. B. (2003). Contabilidade: dos escândalos à renovação. GV Executivo, [S.l.], 2(2), 31-35. ISSN 1806-8979. Recuperado em 20 outubro, 2019, de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/gvexecutivo/article/view/34890

Franco, H. & Marra, E. (2009). Auditoria Contábil. (4a. ed.) São Paulo: Atlas.

Gelbcke, E. R., Santos, A., Iudícibus, S., & Martins, E. (2018). Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades de acordo com as normas internacionais e do CPC. (3a. ed.) São Paulo: Atlas.

Gornik-Tomaszewski, S., Shoaf V. (2004). Accounting for noncurrent assets held for sale and discontinued operations converges. Bank Accounting & Finance, 18(1). Recuperado em 28 outubro, 2020, de https://go.gale.com/ps/i.do?v=2.1&it=r&sw=w&id=GALE%7CA126584179&prodId=AONE&sid=googleScholarFullText&lat=-27.5608643&lng=-48.5019481&userGroupName=ufsc_br

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. (6a. ed.) São Paulo: Atlas.

Guia, L. D., Junior, C. B. M., Serrano, A. L. M., Wilbert, M. D., Laffin, N. H. F., & Neto, L. M. A. (2018). Nível de disclosure: análise das empresas brasileiras listadas na New York Stock Exchange. Contabilometria - Brazilian Journal of Quantitative Methods Applied to Accounting, Monte Carmelo, 5(1), 43-57.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (2015). Código das melhores práticas de governança corporativa. (5a.ed.) São Paulo, SP: IBGC. Recuperado em 20 outubro, 2019, de https://conhecimento.ibgc.org.br/Lists/Publicacoes/Attachments/21138/Publicacao-IBGCCodigo-CodigodasMelhoresPraticasdeGC-5aEdicao.pdf

Lei n.º 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as sociedades por ações. Brasília, 1976. Recuperado em 16 julho, 2021, de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6404consol.htm

Lérias, A. G. (2008). Activos não correntes detidos para venda e operações descontinuadas. Revista da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas - TOC. Lisboa, (97), 32-42. Recuperado em 15 setembro, 2019, de https://pt.calameo.com/read/0003249812f036c9f213e

Loureiro, D., Gallon, A., & De Luca, M. (2011). Subvenções e assistências governamentais (SAG): evidenciação e rentabilidade das maiores empresas brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações, 5(13), 34-54. Recuperado em 24 novembro, 2019, de https://doi.org/10.11606/rco.v5i13.34803

Maia, H. A., Formigoni, H., & Silva, A. A. (2012). Empresas de auditoria e o compliance com o nível de evidenciação obrigatório durante o processo de convergência às normas internacionais de contabilidade. Revista Brasileira de Gestão de Negócios. São Paulo, 14(44), 335-352. Recuperado em 06 maio, 2020, de http://www.spell.org.br/documentos/ver/8694

Marconi, E. M., & Lakatos, M. de A. (2010). Fundamentos de metodologia científica. (7a. ed.) São Paulo: Atlas.

Martins, A. C. S. R. L. (2013). Valor Relevante da Apresentação dos Ativos Não Correntes Detidos para Venda e Unidades Operacionais Descontinuadas. Dissertação (Mestrado em Contabilidade e Fiscalidade), Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa. Recuperado em 10 agosto, 2019, de http://recil.grupolusofona.pt/bitstream/handle/10437/4739/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20final.pdf?sequence=1

Manea, M., Stefan, V. (2010). Accounting Practices Regarding the Non-Current Assets Held for Sale. Studies and Scientific Researches - Economic Edition, (15). DOI: 10.29358/sceco.v0i15.69. Recuperado em 28 outubro, 2020, de https://www.researchgate.net/publication/46534117_Accounting_Practices_Regarding_the_Non-Current_Assets_Held_for_Sale

Mendes, L. H. (2019). Após seis trimestres no vermelho, BRF volta a lucrar. Valor Econômico. Recuperado em 19 outubro, 2019, de https://valor.globo.com/agronegocios/noticia/2019/08/09/apos-seis-trimestres-no-vermelho-brf-volta-a-lucrar.ghtml

Nakao, S. H. (2000). Teoria e Normas Contábeis de Operações em Descontinuidade: Um Estudo de Caso. Dissertação (Mestrado em Contabilidade e Controladoria), Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado em 11 agosto, 2019, de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-08032004-163756/en.php

Nunes, R. C. (2019). A relevância do Ativo não Circulante Mantido para Venda para o Disclosure das empresas. 5th International Congresso f Accounting and Governance, Brasília. Recuperado em 28 julho, 2021, de https://www.researchgate.net/profile/Ricardo-Nunes-9/publication/349104224_A_relevancia_do_Ativo_nao_Circulante_Mantido_para_Venda_para_o_Disclosure_das_empresas/links/6020163c92851c4ed5577b06/A-relevancia-do-Ativo-nao-Circulante-Mantido-para-Venda-para-o-Disclosure-das-empresas.pdf

Pimentel, R., Braga, R., & Casa Nova, S. (2010). Interação entre Rentabilidade e Liquidez: Um Estudo Exploratório. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, América do Norte, 10(2). Recuperado em 16 novembro, 2019, de http://www.atena.org.br/revista/ojs-2.2.3-08/index.php/UERJ/article/view/674/670

Pronunciamento Técnico CPC 26 (R1), de 02 de dezembro de 2011. Apresentação das Demonstrações Contábeis. Brasília, DF: Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). Recuperado em 15 setembro, 2019, de http://static.cpc.aatb.com.br/Documentos/312_CPC_26_R1_rev%2013.pdf

Pronunciamento Técnico CPC 31, de 17 de julho de 2009. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada. Brasília, DF: Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). Recuperado em 11 agosto, 2019, de http://static.cpc.aatb.com.br/Documentos/336_CPC_31_rev%2012.pdf

Richardson, R. J. (2014). Pesquisa social: métodos e técnicas. (3a ed.), 15 reimpressão. São Paulo: Atlas.

Ryngelblum, I. (2019). Prejuízo da operação descontinuada da Embraer sobe 150% no 1º tri. Valor Econômico. Recuperado em 01 setembro, 2019, de https://www.valor.com.br/empresas/6285895/prejuizo-da-operacao-descontinuada-da-embraer-sobe-150-no-1-tri

Silva, A. H. C., Silva, C. E. V., Sancovschi, M., & Borba, J. A. (2018). Análise das operações descontinuadas no brasil após adoção do IFRS 5. CONTEXTUS – Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 16(3), 8-39. Recuperado em 11 julho, 2019, de http://www.periodicos.ufc.br/contextus/article/view/39903

Souza, M. M., & Borba, J. A. (2017). Value Relevance do Nível de Disclosure das Combinações de Negócios e do Goodwill Reconhecido nas Companhias de Capital Aberto Brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, 28(73), 77-92.

Yamamoto, M. M., & Salotti, B. M. (2006). Informação contábil: estudos sobre a sua divulgação no mercado de capitais. São Paulo: Atlas.

Downloads

Publicado

04-07-2022

Como Citar

SILVA, A. F. da; MELO DE SOUZA, M. Ativo não circulante mantido para venda e operações descontinuadas: uma análise no nível de evidenciação e nas características das companhias de capital aberto brasileiras. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 1–21, 2022. DOI: 10.21680/2176-9036.2022v14n2ID23254. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/23254. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Seção 1: Contabilidade Aplicada ao Setor Empresarial (S1)