Impactos na eficiência do gasto público na educação fundamental dos municípios paulistas por meio das categorias do elemento da despesa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2022v14n1ID23487

Palavras-chave:

Eficiência, Gasto Público, Educação, Elemento de despesa

Resumo

Objetivo: este trabalho tem como objetivo mensurar os impactos dos gastos públicos na educação fundamental dos municípios paulistas sobre a eficiência do gasto público educacional.

Método: o cálculo da eficiência se dá a partir da Análise Envoltória de Dados (DEA), tendo como input os gastos públicos em educação nos anos de 2014 à 2017 e output a nota municipal da Prova Brasil 2017. A mensuração do impacto dos gastos públicos sobre a eficiência se dá a partir da técnica de Regressão Linear Múltipla (RLM) por Mínimos Quadrados Ordinários (MQO), tendo como variáveis explicativas os gastos educacionais classificados em salários, compras, viagens, juros e materiais permanentes, e variável resposta o índice de eficiência do gasto público.

Resultados: a partir dos modelos estatísticos de RLM foram obtidos diferentes coeficientes de regressão, que estimam a mudança no índice de eficiência do gasto público quando os gastos são incrementados ou retraídos. Os resultados expressam que há correlação negativa entre todas as categorias do elemento da despesa e a eficiência do respectivo gasto público educacional no período de 2014 a 2017.

Contribuições do Estudo: de forma pioneira este trabalho adota a classificação contábil orçamentária das categorias do elemento da despesa, aproximando assim o estudo da eficiência do objeto mais próximo possível a que a classificação do gasto se refere.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Santana Machado, Universidade de São Paulo (USP)

Graduando em Gestão de Políticas Públicas pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH/USP).

Jaime Crozatti, Universidade de São Paulo (USP)

Doutor em Controladoria e Contabilidade pela FEA/USP, Prof. do Mestrado e da Graduação em Gestão de Políticas Públicas da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH/USP).

Vinicius Macedo de Moraes, Universidade de São Paulo (USP)

Mestre em Gestão de Políticas Públicas pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH/USP).

Bianca de Oliveira, Universidade de São Paulo (USP)

Bacharela em Gestão de Políticas Públicas pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH/USP)

Carlos Eduardo de Oliveira Silva, Universidade de São Paulo (USP)

Graduando em Economia pela Faculdade de Economia Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP).

Referências

Antico, C., & Jannuzzi, P. de M. (2006). Indicadores e a gestão de políticas públicas. São Paulo: Fundap.

Casado, F. L. (2007). Análise Envoltória de Dados: conceitos, metodologia e estudo da arte na Educação Superior. Revista Sociais e Humanas, 20(1), 59–71.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Brasília. Recuperado em 21 dezembro 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm

Costa Dantas, F. da, Costa, E. M., & da Silva, J. L. M. (2015). Eficiência nos gastos públicos em educação fundamental nos Municípios do Rio Grande do Norte. Revista Econômica do Nordeste, 46(1), 27–40.

Faria, F. P., Jannuzzi, P. de M., & Silva, S. J. da. (2008). Eficiência dos gastos municipais em saúde e educação: uma investigação através da análise envoltória no estado do Rio de Janeiro. Revista de Administração Pública, 42(1), 155-177. https://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122008000100008

Flores, I. (2017). Modelling efficiency in education: how are European countries spending their budgets and what relation between money and performance. Sociologia, Problemas e Práticas, (83), 157-170. https://dx.doi.org/10.7458/SPP2017836496

Geys, B; Heinemannh, F; Kalb, A. (2010). Voter involvement, fiscal autonomy and public sector efficiency: evidence from German municipalities. European journal of political economy, 26( 2), 265-278.

Hanushek, E. A. (2003). The failure of input?based schooling policies. The economic journal, 113(485), F64-F98.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE (2018). Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA e Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC. Recuperado 4 de novembro de 2018, de https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/precos/inpc_ipca/defaultinpc.shtm

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP. (2018a). IDEB. Recuperado 4 de novembro de 2018, de http://portal.inep.gov.br/ideb

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira -INEP. (2018b). Indicadores Financeiros Educacionais. Recuperado 4 de novembro de 2018, de http://portal.inep.gov.br/indicadores-financeiros-educacionais

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP. (2018c). Investimentos Públicos em Educação . Recuperado 4 de novembro de 2018, de http://portal.inep.gov.br/investimentos-publicos-em-educacao

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP. (2018d). Sobre a Anresc (Prova Brasil). Recuperado 4 de novembro de 2018, de http://portal.inep.gov.br/educacao-basica/saeb/sobre-a-anresc

Kakihara, A. A. S. D. S., da Silva, V. D. S., & Junior, J. H. P. (2020). Qualidade do Gasto Público em Educação Fundamental: uma análise de eficiência dos municípios paulistas. GESTÃO. Org, 18(1), 136-153.

López-Torres, L; Prior, D; Santín, D. (2016). Quality improvement programs in public schools. An evaluation of their effectiveness and efficiency.

Lourenço, R. L., Angotti, M., do Nascimento, J. C. H. B., & Sauerbronn, F. F. (2017). Eficiência do gasto público com ensino fundamental: uma análise dos 250 maiores municípios brasileiros. Contabilidade Vista & Revista, 28(1), 89–116.

Mainardes, J. (2006). Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação & Sociedade, 27(94), 47-69. https://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302006000100003

Matias, A. B., Quaglio, G. M., Oliveira, B. G., Lima, J. P. R., & Bertolin, R. V. (2018). Níveis de gastos e eficiência pública em educação: um estudo de municípios paulistas utilizando análise envoltória de dados. Revista de Administração da UFSM. Santa Maria, 11(4), 902-918.

Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – MPOG (2018). Manual Técnico de Orçamento 2018 [Manual]. Brasília: Secretaria de Orçamento Federal.

Moraes, V. M. de. (2018). Análise da Eficiência em Educação Fundamental das Municipalidades mediante a elaboração de uma Tipologia de Municípios. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Neves de Ázara, L., Rodrigo Gomes Pessanha, G., & Barbosa Neto, J. E. (2017). Eficiência dos municípios com relação aos gastos públicos em educação e cultura na microrregião de Varginha/MG. Capital Científico, 15(4).

OECD (2016). Education at a Glance 2016: OECD Indicators, OECD Publishing, Paris. http://dx.doi.org/10.187/eag-2016-en

Portaria Interministerial 163 de 04/05/2001 (2001). Dispõe sobre normas gerais de consolidação das Contas Públicas no âmbito da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado 4 de novembro de 2018, de http://www.planejamento.gov.br/assuntos/orcamento-1/legislacao/legislacao/portaria-interm-163_2001_atualizada_2015_04jul2016_ultima-alteracao-2016-2.docx/view

Galvão, N. M. (2021). Análise da eficiência dos municípios sergipanos: comparação entre notas da prova Brasil e recursos destinados à educação. Revistas Ambiente Contábil-Universidade Federal do Rio Grande do Norte-ISSN 2176-9036, 13(1), 181-200.

Scherer, G., Besen, F. G., de Araújo, T. V., & Serafim Jr, V. (2016). Eficiência dos gastos em educação básica nos Estados Brasileiros a partir da Análise Envoltória de Dados (DEA). Anais do Congresso Brasileiro de Custos-ABC, Porto de Galinhas, PE, Brasil.

Secretaria do Tesouro Nacional - STN (2017). Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público[Manual]. Recuperado 4 de novembro de 2018, de http://www.tesouro.fazenda.gov.br/documents/10180/456785/MCASP+7%C2%AA%20edi%C3%A7%C3%A3o+Vers%C3%A3o+Final.pdf/6e874adb-44d7-490c-8967-b0acd3923f6d

Sherman, H. D., & Zhu, J. (2006). Service productivity management: improving service performance using Data Envelopment Analysis (DEA). Springer science & business media.

Sobreira, R., & Campos, B. C. (2008). Investimento público em educação fundamental e a qualidade do ensino: uma avaliação regional dos resultados do Fundef. Revista de Administração Pública, 42(2), 327-346. https://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122008000200006

Sousa, M. G., dos Santos, C. M. V., Alves, A. T., & do Carmo Filho, M. M. (2021). Uma análise da eficiência dos gastos públicos com educação nos municípios do Estado do Amazonas no período de 2013 a 2017. Revistas Ambiente Contábil -Universidade Federal do Rio Grande do Norte-ISSN 2176-9036, 13(1), 222-243.

Todos Pela Educação [TPE]. (2020). Anuário Brasileiro da Educação Básica 2020. São Paulo: Editora Moderna.

Tribunal de Contas do Estado de São Paulo - TCESP. (2018). Portal da Transparência Municipal. Recuperado 4 de novembro de 2018, de http://transparencia.tce.sp.gov.br/

Veloso, F.; Pessôa, S.; Henriques, R.; Giambiagi, F. (Org.). (2009). Educação básica no Brasil. Rio de Janeiro: Campus.

Wilbert, M. D., & D’Abreu, E. C. C. F. (2013). Eficiência dos gastos públicos na educação: análise dos municípios do estado de alagoas. Advances in Scientific and Applied Accounting, 6(3), 348-372.

Wooldridge, J. (2017). Introdução à econometria: uma abordagem moderna. São Paulo: Cengage Learning.

Worthingtonw, A.C. (2001). An empirical survey of frontier efficiency measurement techniques in education. Education Economics, 9(3), 245-268.

Downloads

Publicado

06-01-2022

Como Citar

SANTANA MACHADO, G.; CROZATTI, J. .; MACEDO DE MORAES, V.; DE OLIVEIRA, B.; EDUARDO DE OLIVEIRA SILVA, C. Impactos na eficiência do gasto público na educação fundamental dos municípios paulistas por meio das categorias do elemento da despesa. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 290–312, 2022. DOI: 10.21680/2176-9036.2022v14n1ID23487. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/23487. Acesso em: 27 jun. 2022.

Edição

Seção

Seção 2: Contabilidade Aplicada ao Setor Público e ao Terceiro Setor (S2)