Recompensa ou fraude? Um olhar multiteórico sobre a pejotização

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2022v14n2ID24079

Palavras-chave:

Triângulo da Fraude de Cressey, Recompensas internas e externas, relações trabalhistas, Pejotização

Resumo

Objetivo: Este estudo se propôs a fazer uma investigação acerca do fenômeno da pejotização a partir da teoria do triângulo de Cressey e das recompensas internas e externas, buscando verificar se a pejotização pode ser identificada como artifício fraudulento a partir do Triângulo de Cressey e da teoria das recompensas.

Metodologia: A metodologia empregada segue os preceitos de uma pesquisa com abordagem qualitativa, cuja coleta dos dados foi realizada por meio da técnica de questionários estruturados e, para a análise dos dados, aportou-se na técnica bardiniana da análise de conteúdo.

Resultados: Neste estudo, os resultados alcançados revelam que os participantes diagnosticaram a existência da pejotização e se enquadraram nessa realidade. E a linearidade da hipótese segue na assertividade das respostas nas quais o grupo que não percebeu recompensas é o mesmo grupo que considera a pejotização como uma fraude aos direitos trabalhistas, já o outro grupo não considerou a pejotização como fraude, pois priorizaram as recompensas concedidas, com a finalidade de maximizar seus próprios interesses.

Contribuições: A pesquisa consegue contribuir assertivamente ao Triângulo da fraude no que condiz à caracterização da pejotização quanto à fraude, adjunto do cumprimento dos vértices.  No entanto, no caso da teoria das recompensas internas e externas, a caracterização da pejotização como fraude está paralela à proporcionalidade dada pelos sujeitos a essas recompensas, pois se os benefícios financeiros forem mais relevantes do que a moral para esses empregados, o autoconceito moral pesa mais para as recompensas, ignorando, dessa forma, a presença da fraude.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Borges de Santana, PROPADM - UFS

Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal de Sergipe – PROPADM/UFS.

Ivone Vieira Pereira, Universidade de Rio Verde

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis pela Universidade de Brasília -  PPGCONT/UNB. Docente do departamento de Ciências Contábeis na Universidade de Rio Verde.

Referências

Artonson, E. (1996). A theory of cognitive dissonance: a currente perspective. In: Berkowitz, L. (Ed.). Advances in experimental social psychology, 4, 1-34.

Almeida, S. R. V., & Alves, F. J. D. S. (2015). Testando o Triângulo de Cressey no Contexto da Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade: um Estudo Empírico Sobre Comportamento Ético de Profissionais de Contabilidade . Revista de Administração da UFSM, 8(2), 282-297.

Bem, D. J. (1972). Self-perception theory. In L. Berkowitz, Advances in experimental social psychology (pp. 1-62). New York, NY: Academic Press.

Baumeister, R. F. (1998). The self. In D. T. Gilbert, S. T. Fiske, & G. Lindzey, The handbook of social psychology (pp. 680-740). New York, NY: McGraw-Hill.

Barbosa, A., & Orbem, J. (2015). “PEJOTIZAÇÃO”: Precarização das relações de trabalho, das relações sociais e das relações humanas. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, 10(2), 839-859.

Decreto-lei n.º 5.452, de 1º de maio de 1943. (1943). CLT: Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho, Brasília. Recuperado em 10 de dez. de 2020, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452.htm.

Lei nº 13.467, de 13 de julho de 2017. (2017). Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e as Leis n º 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho, Brasília. Recuperado em 10 de dez. de 2020, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13467.htm.

Lei n° 13.429, de 31 de março de 2017. (2017) Altera dispositivos da Lei no 6.019, de 3 de janeiro de 1974, que dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas e dá outras providências; e dispõe sobre as relações de trabalho na empresa de prestação de serviços a terceiros, Brasília. Recuperado em 10 de dez. de 2020, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13429.htm.

Condé, R. A. D., Almeida, C. O. F., & Quintal, R. S. (2015). Fraude Contábil: Análise Empírica à Luz dos Pressupostos Teóricos do Triângulo da Fraude e dos Escândalos Corporativos. Gestão & Regionalidade, 31(93), 94-108.

Cressey, D. R. (1953). Other people’s money: a study in the social psychology of embezzlement. Glencoe, IL: The Free Press.

Cruz, R. E. D. (2019). Empresário sem empresa: trabalho desregulamentado, pejotização e uberização. A precarização do trabalho dos jornalistas na era digital. Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento Econômico pelo Programa de Pós Graduação do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil.

Coenen, T. L. (2008). Essentials of corporate fraud (4a. ed.). Hoboken, NJ: John Wiley & Sons.

Galvão, A., Castro, B., Krein, J. D., & Teixeira, M. O. (2019). REFORMA TRABALHISTA: precarização do trabalho e os desafios para o sindicalismo. Caderno CRH, 32(86), 253-270.

Mazar, N., & Ariely, D. (2006). Dishonesty in everyday life and its policy implications. Journal of Public Policy & Marketing, 25(1),117-126.

Mazar, N., Amir, O., & Ariely, D. (2008). The dishonesty of honest people: A theory of self-concept maintenance. Journal of Marketing Research, 45(6), 633-644.

Machado, M. R. R., & Gartner, I. R. (2018). A hipótese de Cressey (1953) e a investigação da ocorrência de fraudes corporativas: uma análise empírica em instituições bancárias brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, 29(76), 60-81.

Machado, M. R. R., & Gartner, I. R. (2017). Triângulo de Fraudes de Cressey (1953) e Teoria da Agência: Estudo Aplicado a Instituições Bancárias Brasileiras . Revista Contemporânea de Contabilidade, 14(32), 108-140.

Maragno, L. M. D., & Borba, J. A. (2017). Mapa Conceitual da Fraude: Configuração Teórica e Empírica dos Estudos Internacionais e Oportunidades de Pesquisas Futuras. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 11(Ed. Especial), 41-68.

Martins, S. P. (2014). Direito do Trabalho. – 30. ed. – São Paulo: Atlas.

Orbem, J. V. (2017) A pejotização no mercado de trabalho brasileiro: embate entre o segundo e o terceiro espírito do capitalismo. O novo espírito do capitalismo no Sul: paralelismos e contrastes. 1ªed. Pelotas: UFPel, v. 1, p. 111-129.

Oliveira, J. C. P.; Oliveira, A. L.; Morais, F. A. M.; Silva, G. M. (2016). O questionário, o formulário e a entrevista como instrumentos de coleta de dados: vantagens e desvantagens do seu uso na pesquisa de campo em ciências humanas. Anais III CONEDU. Campina Grande: Realize Editora.

Pereira, I. V., & Silva, C. A. T. (2020). A influência das recompensas internas e externas no comportamento das pessoas na prática da evasão fiscal no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 31(83), 228-243.

Rick, S.; Loewenstein, G.; Monterosso, J. R.; Langleben, D. D.; Mazar, N.; Amir, O.; Ariely, D. (2008) Commentaries and rejoinder to “the dishonesty of honest people”. Journal of Marketing Research, v. 45, n. 6, p. 645-653.

Silva, M. F. B. E. ; Ravnjak, L. L. S. (2020). Pejotização e precarização da relação de emprego. In: II Encontro Norte Mineiro de Serviço Social, 2020, Montes Claros. Anais do II Encontro Norte Mineiro de Serviço Social, v. 4. p. 756-767.

Silva, A. H., Moura, G. L., Cunha, D. E., Figueira, K. K., Horbe, T. de A. N., & Gaspary, E. (2013). Análise de Conteúdo: fazemos o que dizemos? Um levantamento de estudos que dizem adotar a técnica. Brasília: ANPAD.

Santos, A. D. (2019). Pejotização e fraude nas relações de emprego: análise dos efeitos trabalhistas e fiscais-tributários (o caso dos salões de beleza). Revista Ltr: legislação do trabalho, São Paulo, SP, v. 83, n. 2, p. 205-222.

Weiner, B. (1976). An attributional approach for educational psychology. Review of Research in Education, 4(1), 179-209.

Wells, J. T. (2011). Corporate fraud handbook: prevention and detection (3a. ed.). Hoboken, NJ: John Wiley & Sons.

Wuerges, A. F. E., & Borba, J. A. (2014). Fraudes contábeis: uma estimativa da probabilidade de detecção. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 16(52), 466-483.

Downloads

Publicado

04-07-2022

Como Citar

SANTANA, F. B. de .; PEREIRA, I. V. Recompensa ou fraude? Um olhar multiteórico sobre a pejotização. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 301–319, 2022. DOI: 10.21680/2176-9036.2022v14n2ID24079. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/24079. Acesso em: 10 dez. 2022.

Edição

Seção

Seção 3: Pesquisas de Campo sobre Contabilidade (Survey) (S3)