Análise do conhecimento dos discentes de ciências contábeis acerca dos red flags no processo investigativo da fraude

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2023v15n1ID26787

Palavras-chave:

Fraudes Contábeis. Teoria da Agência. Red Flags. Auditoria. Perícia Contábil.

Resumo

Objetivo: A presente pesquisa tem por objetivo analisar as percepções dos discentes de Ciências Contábeis, das universidades públicas da cidade de Mossoró/RN, sobre os red flags no processo investigativo de fraude contábil.

Metodologia: A amostra foi composta por 90 discentes de duas universidades públicas. A coleta de dados ocorreu através de questionário, que dispôs de 45 red flags, divididos em seis grupos, avaliados na escala do tipo Likert. Para cada ‘bandeira vermelha’, foi atribuído um nível de conhecimento, sendo: Não possui conhecimento (0), Muito baixo (1), Baixo (2), Médio (3), Alto (4) e Muito alto (5). Posteriormente, para a análise dos resultados, utilizou-se estatística descritiva, com cálculo da média, mediana, moda e desvio padrão.

Resultados: A interpretação dos achados, evidenciaram que os acadêmicos compreendem à nível “médio” os sinalizadores de fraudes relacionados aos relatórios contábeis e serviços de auditoria independente. Nesse sentido, comparando as médias, percebe-se que discentes têm maior percepção de conhecimento acerca dos registros inadequados, arquivos incompletos, ajustes excessivos na contabilidade e transações não registradas. Além disso, os estudantes também percebem, em grau “médio”, a influência do caráter e ética dos agentes de recursos (gestores) na elaboração e repassem informacional. Contudo, apresentam déficits quanto ao entendimento dos red flags associados ao segmento de mercado o qual estão inseridas as entidades.

Contribuições do Estudo: O avanço que o presente estudo proporciona é acentuar a discussão relativa ao nível de domínio, dos estudantes, sobre as fraudes financeiras que incorrem em prejuízos para as entidades. Desse modo, a relevância desta pesquisa é expor os déficits autoavaliados pelos graduandos de Contabilidade, quanto aos red flags no ambiente organizacional, concedendo resultados que fomentem as coordenações dos Cursos a mitigarem os déficits decorrentes de baixos níveis de conhecimento acerca dos indicadores de fraude.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Meire Regina Oliveira Costa, UFERSA

Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Federal Rural do Semi-árido (UFERSA).

Caritsa Scartaty Moreira , UFPB

Mestra em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Doutoranda em Ciências Contábeis pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). 

Jocykleber Meireles de Souza, UERN

Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Camilla Araújo Amaral Duarte, UFERSA

Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Federal Rural do Semiárido.

Referências

Apostolou, B., Hassell, J., Webber, S. & Sumners, G. E. (2001). The relative importance of management fraud risk factors. Behavioral Research in Accounting, 13(1), 1-24. doi: https://doi.org/10.2308/bria.2001.13.1.1

Beuren, I. M. I. (2013). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade. (3ª ed). São Paulo: Atlas.

Colares, A. C. V., Magalhães, R. L. dos R. & Andrade, F. de O. (2015). Percepção dos discentes da disciplina de auditoria no Curso de Graduação em Ciências Contábeis acerca dos sinalizadores de fraude (red flags) em comparação com os auditores independentes. Revista de Estudos Contábeis, 10(6), 3-22.

Demo, P. (2005). Metodologia científica em ciências sociais. (3ª ed). São Paulo: Atlas.

Farber, D. (2005). Restoring trust after fraud: does corporate governance matter? The Accounting Review, 2(80), 539-562.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. (6ª ed). São Paulo: Atlas.

Gullkvist, B. & Jokipii, A. (2015). Factors Influencing Auditors’ Self-Perceived Ability to Assess Fraud Risk. Nordic Journal of Business, 1(64), 2015.

Jensen, M. C. & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of financial economics, 4(3), 305-360. doi: https://doi.org/10.1016/0304-405X(76)90026-X

Lisic, L. L., Silveri, S. D., Song, Y. & Wang, K. (2015). Accounting fraud, auditing, and the role of government sanctions in China. Journal of Business Research, 6(68), 1186-1195. doi: https://doi.org/10.1016/j.jbusres.2014.11.013

Luccas, R. G. & Relvas, T. R. S. (2013, Julho). O contador forense na investigação e no combate a fraudes no brasil: aplicação da técnica Delphi. Anais do Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 10.

Malhotra, N. K. (2012). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. (6ª ed). Porto Alegre: Bookman.

Marconi, M. de A. & Lakatos E. M. (2003). Fundamentos de metodologia científica. (5ª ed). São Paulo: Atlas.

Medrado, F. C. (2017). Indicadores econômico-financeiros como red flags de riscos de fraudes ou manipulação contábil. Dissertação de Mestrado. Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

Moyes, G. D. (2011). The differences in perceived level of fraud-detecting effectiveness of SAS No. 99 red flags between external and internal auditors. Journal of Business & Economics Research, 6(5), 9-26. doi: https://doi.org/10.19030/jber.v5i6.2551

Murcia, D. F., Borba, J. A. & Schiehll, E. (2008); Relevância dos red flags na avaliação do risco de fraudes nas demonstrações contábeis: a percepção de auditores independentes brasileiros. Revista Universo Contábil, Blumenau, 1(4), 25-45. doi: http://dx.doi.org/10.4270/ruc.20084

Magro, C. B. dal & Cunha, P. R. da (2017). Red flags na detecção de fraudes em cooperativas de crédito: percepção dos auditores internos. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 65(19), 469-491. doi: https://doi.org/10.7819/rbgn.v19i65.2918

NBC TA 240, de 05 de setembro de 2016. Responsabilidade do auditor relacionada com fraude em auditoria de demonstrações. Brasília: Conselho Federal de Contabilidade.

Perera, L. C. J., Freitas, E. C. & Imoniana, J. O. (2014). Avaliação do sistema de combate às fraudes corporativas no Brasil. Revista Contemporânea de Contabilidade, 23(11), 03-30. doi: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2014v11n23p3

Reina, D.; Zunino, A.; Alberton, L.; Reina, D. R. M. & Nascimento, S. (2008, novembro). A importância dos red flags na detecção do grau de risco de fraude nas demonstrações contábeis: um levantamento da percepção de profissionais das principais empresas de auditoria. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Curitiba, PR, Brasil, 15.

Rocha, I., Pereira, A. M., Bezerra, F. A. & Do Nascimento, S. A. (2012). Análise da produção científica sobre teoria da agência e assimetria da informação. Revista de Gestão, 2(19), 329-342. doi: 10.5700/rege466

Silva, G. R. da & Sousa, R. G. de (2017). A influência do canal de denúncia anônima na detecção de fraudes contábeis em organizações. Revista de Contabilidade e Organizações, 30(11), 46-56. doi: https://doi.org/10.11606/rco.v11i30.134372

Silva, L. M. da (2010). Atuação dos contadores e auditores na descoberta e na apuração de fraudes: uma reflexão. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ (ON-LINE), 1(12), 3. doi: https://doi.org/10.12979/rcmccuerj.v12i1.5566

Vergara S. C. (2010). Métodos de pesquisa em administração. (2ª ed). São Paulo: Atlas.

Downloads

Publicado

02-01-2023

Como Citar

COSTA, M. R. O.; MOREIRA , C. S.; SOUZA, J. M. de .; DUARTE, C. A. A. Análise do conhecimento dos discentes de ciências contábeis acerca dos red flags no processo investigativo da fraude. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 264–284, 2023. DOI: 10.21680/2176-9036.2023v15n1ID26787. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/26787. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Seção 3: Pesquisas de Campo sobre Contabilidade (Survey) (S3)