O efeito dos ajustes de exercícios anteriores no patrimônio líquido e no ROE de companhias listadas no Novo Mercado da B3

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2024v16n1ID30862

Palavras-chave:

Ajustes de Exercícios Anteriores, Mudanças de políticas contábeis, Retificação de erros, Retorno sobre o Patrimônio Líquido, Escolhas Contábeis

Resumo

Objetivo: Analisar o efeito dos ajustes de exercícios anteriores (AEA) no Patrimônio Líquido (PL) e no Retorno sobre o Patrimônio Líquido (ROE).

Metodologia: Foram pesquisadas as Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL) e as Notas Explicativas das companhias listadas no Novo Mercado da B3, de 2010 a 2019. Para analisar os efeitos dos AEA no PL e no ROE, aplicou-se o teste de Wilcoxon.

Resultados: A maior parte dos AEA identificados referem-se a mudanças de política contábil, notadamente relacionadas à aplicação da IFRS 9/CPC 48 e IFRS 15/CPC 47, em 2018. Isso significa que as companhias escolheram reconhecer os efeitos da adoção dessas normas de forma retrospectiva, com efeito cumulativo no PL, sem a apresentação das informações comparativas (escolha contábil). Houve diferença estatisticamente significativa entre as variações médias do PL e do ROE ajustados e não ajustados (com e sem AEA). Em outras palavras, observa-se que há influência de mudanças de políticas contábeis e/ou retificações de erros na análise desses indicadores. Importante ressaltar que os AEA não devem afetar o resultado líquido do exercício corrente, sugerindo que os efeitos decorrentes de mudanças de políticas contábeis e erros tendem a proteger resultados presentes e/ou futuros em detrimento de resultados passados.

Contribuições do Estudo: A principal contribuição do estudo reside em avaliar alterações no PL que não decorrem, necessariamente, do desempenho operacional ou das estratégias de financiamento, mas advindas das mudanças de critérios contábeis ou erros, que podem afetar outros componentes patrimoniais.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda de Deus Vieira Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Federal de Uberlândia.

Denise Mendes da Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Ciências Contábeis, Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Ciências Contábeis.

Geovane Camilo dos Santos, Universidade Federal de Uberlândia

 Doutorando em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Uberlândia. Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Uberlândia. Especialista em Planejamento e Gestão Tributária pelo Centro Universitário de Patos de Minas. Bacharel em Ciências Contábeis pelo Centro Universitário de Patos de Minas. Bolsista CAPES - Doutorado em Ciências Contábeis - UFU. Professor Auxiliar na Pontifícia Universidade Católica de Goias (PUC Goiás).

Referências

Acuña, B. C. M., Cruz, C. F., Oviedo, T. G., Salotti, B. M., & Martins, E. (2013). Impactos da transição de normas contábeis sobre o lucro e o patrimônio líquido de companhias brasileiras componentes do IBrX-100. Revista de Contabilidade, Gestão e Governança. 16(3), 138-154.

Ali, A.; Akbar, S., & Ormrod, P. (2016). Impact of international financial reporting standards on the profit and equity of AIM listed companies in the UK. Accounting Forum, 40, 45-62. Recuperado de: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0155998215301204. doi: 10.1016/j.accfor.2015.12.001.

Almeida, S. R.V., Costa, T. A., Silva, A. H. C., & Laurencel, L. C. (2011). Análise dos impactos das normas internacionais de contabilidade sobre o lucro líquido e o patrimônio líquido das empresas do setor de extração e processamento de recursos naturais. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 16(3), 136-156.

ATMA. (2018). Demonstrações Financeiras Padronizadas, 2018. São Paulo: ATMA. Recuperado em 16 de outubro, 2022, de https://www.rad.cvm.gov.br/ENET/frmGerenciaPaginaFRE.aspx?NumeroSequencialDocumento=81136&CodigoTipoInstituicao=1

Bergantini, D. C., Sella, L. C., & Bortolon, P. M. (2020). Fatores Impeditivos para a Migração ao Novo Mercado. In: USP International Conference in Accounting, 20, 2020, São Paulo. Anais eletrônicos… São Paulo, USP, 2020. Recuperado em 19 de setembro, 2022, de: https://congressousp.fipecafi.org/anais/20UspInternational/ArtigosDownload/2305.pdf

Biglari, V., Peng, F., Azar, N., (2015). Prior Period Adjustments and Information Asymmetry: The Case of Iran. International Business Management, 9(7), 1623-1628. Recuperado de: https://www.researchgate.net/publication/292143856_Prior_Period_Adjustments_and_Information_Asymmetry_The_Case_of_Iran. doi: 10.36478/ibm.2015.1623.1628

Burca, V., Nicolaescu, C., & Dragut, D. (2019). Critical analysis on the amendments discussed, concerning changes in accounting estimates. Studies in Business and Economics, Lucian Blaga University of Sibiu, Faculty of Economic Sciences, 14(1), 17-33. Recuperado de: https://ideas.repec.org/a/blg/journl/v14y2019i1p17-33.html. doi: 10.2478/sbe-2019-0002

Coltro, T. C. P. (2013). IAS 08 – Política Contábil, Mudança de Estimativa e Retificação de Erros: os principais pontos de aplicação da norma. Revista de Ciências Gerenciais, 17(25), 243-253.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC (2009). CPC 23: Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro. Brasília, DF. Recuperado em 12 de fevereiro, 2021, de http://www.cpc.org.br/Arquivos/Documentos/296_CPC_23_rev%2014.pdf

Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC (2011). CPC 26 (R1): Apresentação das Demonstrações Contábeis. Brasília, DF. Recuperado em 12 de fevereiro, 2021, de http://www.cpc.org.br/Arquivos/Documentos/312_CPC_26_R1_rev%2014.pdf

Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC (2014). OCPC 07: Evidenciação na Divulgação dos Relatórios Contábil-Financeiros de Propósito Geral. Brasília, DF. Recuperado em 12 de fevereiro, 2021, de http://www.cpc.org.br/Arquivos/Documentos/488_OCPC_07_Orienta%C3%A7%C3%A3o.pdf

Corrêa, A. C. C., Assaf Neto, A., & Lima, F. G. (2013). Os indicadores financeiros tradicionais explicam a geração de valor no Brasil? Um estudo empírico com empresas não financeiras de capital aberto. Prática em Contabilidade e Gestão, 1(1), 9-39.

Fávero, L. P., & Belfiore, P. (2020). Manual de Análise de Dados: estatística e modelagem multivariada com Excel, SPSS e Stata. Atlas

Gelbcke, E. R., Santos, A., Iudícibus, S., & Martins, E. (2018). Manual de Contabilidade Societária - aplicável a todas as sociedades. (3a ed). São Paulo: Atlas.

JBS. (2019). Demonstrações Financeiras Padronizadas, de 2019. São Paulo: JBS. Recuperado em 16 de outubro, 2022, de https://www.rad.cvm.gov.br/ENET/frmGerenciaPaginaFRE.aspx?NumeroSequencialDocumento=91835&CodigoTipoInstituicao=1

KPMG (2019). A IFRS 9 cria novos desafios para as empresas. Recuperado em 12 de fevereiro, 2021, de https://home.kpmg/br/pt/home/insights/2019/05/a-ifrs-9-cria-novos-desafios-para-as-empresas.html

Morales-Díaz, J., & Zamora-Ramírez, C. (2018). The Impact of IFRS 16 on Key Financial Ratios: A New Methodological Approach. Accounting in Europe, 15(1), 105-133,

Napier, C. J., & Stadler, C. (2020). The real effects of a new accounting standard: the case of IFRS 15 Revenue from Contracts with Customers. Accounting and Business Research. 50(5), 474-503, doi: 10.1080/00014788.2020.1770933

Raza, A., Ilyas, M. I., Rauf, R., & Qamar, R. (2012) Relationship between Corporate Social Responsibility (CSR) and Corporate Financial Performance (CFP): Literature review approach. Elixir Financ. Manag, 46(3), 84048409.

Ruberto, R. B., & Alves, A. P. (2015). A Qualidade Informacional das Políticas Contábeis, Mudanças de Estimativas e Retificação de Erros: uma Análise nas Notas Explicativas das Maiores Empresas Brasileiras. Revista Pensar Contábil, 17(64), 14- 22.

Santos, E. S. (2012). Análise dos impactos dos CPCs da primeira fase de transição para o IFRS no Brasil: um exame dos ajustes aos resultados nas DFPs de 2008. Revista de Contabilidade e Organizações, 6(15), 23-43.

Silva, D. M., & Martins, V. A. (2018). Políticas contábeis recomendadas nas normas e escolhas contábeis predominantes em companhias abertas e fechadas no Brasil. Advances in Scientific and Applied Accounting, 11(3), 372-390. Recuperado de: https://asaa.anpcont.org.br/index.php/asaa/article/view/346/pdf. doi: 10.14392/asaa.2018110301

Silva, D. M., Martins, V. A., & Lemes, S. (2016). Escolhas Contábeis: reflexões para a pesquisa. Revista Contemporânea de Contabilidade, 13(29), 129-156.

Silva, L. C., & Machado, L. S. (2020). Um estudo em entidades goianas acerca do cumprimento das exigências previstas no Pronunciamento Contábil CPC 23. Brazilian Journal of Development, 6(1), 916-935, doi: 10.34117/bjdv6n1-064.

Tavares, S., & Carvalho, C. (2018). IAS 8 – Sua aplicação e consequências no relato financeiro. Estudos do ISCA, 4(17), 1-30. Recuperado de: https://proa.ua.pt/index.php/estudosdoisca/article/view/130. doi: 10.34624/ei.v0i17.130

Downloads

Publicado

02-01-2024

Como Citar

SILVA, F. de D. V.; SILVA, D. M. da .; SANTOS, G. C. dos. O efeito dos ajustes de exercícios anteriores no patrimônio líquido e no ROE de companhias listadas no Novo Mercado da B3. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 158–176, 2024. DOI: 10.21680/2176-9036.2024v16n1ID30862. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/30862. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Seção 1: Contabilidade Aplicada ao Setor Empresarial (S1)