Uso do sistema de controle gerencial como propulsor do desenvolvimento de uma empresa familiar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2024v16n2ID32592

Palavras-chave:

Desenvolvimento das Organizações, Empresa Familiar, Uso do Sistema de Controle Gerencial

Resumo

Objetivo: Investigar como se deu o uso do sistema de controle gerencial ao longo do desenvolvimento de uma empresa familiar, buscando-se compreender como a empresa se desenvolveu, fundamentalmente no que diz respeito ao pacote de sistema de controle gerencial.

Metodologia: Estudo de caso único, realizado por meio de entrevistas, observação e análise documental, com abordagem qualitativa.

Resultados: No que tange ao desenvolvimento, a empresa enfrentou momentos de evolução e revolução, marcados por uma fase de ruptura em que foi preciso profissionalizar os processos que vinham sendo adotados. O sistema de controle sofreu evolução significativa, imprimindo uma readequação às necessidades do mercado. O planejamento é difundido e o orçamento é uma ferramenta utilizada para fins de controle. O sistema de recompensas é utilizado de forma tímida e os controles administrativos são evidenciados a partir da consolidação das políticas e regras organizacionais.

Contribuições do Estudo: A pesquisa em contabilidade vem demonstrando que há espaço para pesquisas que busquem extrapolar a mera utilidade básica dela: o fisco. Assim, o presente estudo contribui para evidenciar que essa concepção ainda existe, na qual o Controller e a Contadora reforçam este estereótipo. Dessa forma, os achados contribuem em termos práticos que essa empresa e outras que tenham estrutura semelhante possam se fazer valer desses resultados para transpor esta estagnação, permitindo que o setor contábil forneça suporte gerencial à organização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michele Josiane Rutz Buchweitz, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Mestra em Contabilidade pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG - 2018). Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel - 2016); Especialista em Controladoria e Finanças (Fatec/SENAC - 2012); e Graduada em Administração pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel - 2009).

Ana Paula Capuano da Cruz, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Doutora em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (FEA/USP), Mestre em Contabilidade pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Especialista e Graduada em Ciências Contábeis pela FURG. É professora Adjunta do Instituto de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis da Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e leciona nos cursos de Graduação e Especialização (Lato Sensu) em Ciências Contábeis e nos Programas de Pós Graduação em Contabilidade (PPGCONT-FURG - mestrado acadêmico) e Administração (PPGA-FURG - mestrado acadêmico). Atua, principalmente, nas linhas de pesquisa de Controle Gerencial e Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade;

Alexandre Costa Quintana, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (USP), Mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Graduado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Atualmente professor da Universidade Federal do Rio Grande(FURG). Autor dos Livros: Fluxo de Caixa: Demonstrações Contábeis; Contabilidade Pública; Exame de Suficiência do CFC Comentado; Transparência: instrumento para governança pública no Brasil; NBCASP - Normas de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público sob a ótica das IPSAS: um estudo comparativo; e Contabilidade Básica. Tem experiência na área de Contabilidade, com ênfase em Contabilidade Pública e Educação em Contabilidade, atuando principalmente nos seguintes temas: contabilidade aplicada ao setor público, transparência, tecnologias educacionais, pesquisa em contabilidade, organizações do terceiro setor e demonstração dos fluxos de caixa.

Referências

Adams, S. M., & Zanzi, A. (2005); The consulting career in transition: From partnership to corporate. Career Development International, 10(4), 325-338.

Almeida, D, M., & Gasparetto, V. (2022). Tensões dinâmicas no sistema orçamentário de empresa familiar e a dualidade da estrutura. Revista Contabilidade & Finanças, 33(89), 232-247.

Alves, A. B. (2010). Desenho e uso dos sistemas de controle gerencial e sua contribuição para a formação e implementação da estratégia organizacional. Dissertação de Mestrado em Controladoria e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Anthony, R. N., & Govindarajan, V. (2008). Sistemas de controle gerencial. AMGH Editora.

Atkinson, A. A., Banker, R., Kaplan, R. S., & Young, S. (2011). Contabilidade Gerencial. São Paulo: Atlas.

Chenhall, R. H. (2003). Management control systems design within its organizational context: findings from contingency-based research and directions for the future. Accounting, organizations and society, 28(2), 127-168.

Chua, J. H., Chrisman, J. J., & Sharma, P. (1999). Defining the family business by behavior. Entrepreneurship Theory and Practice, 23(4), 19-39.

Cunha, P. R., Klann, R. C., & Lavarda, C. E. F. (2013). Ciclo de vida organizacional e controle gerencial: uma análise dos artigos em periódicos internacionais de contabilidade. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 3(3), 170-186.

Frezatti, F., Bido, D. S., Mucci, D. M., & Beck, F. (2017). Estágios do ciclo de vida e perfil de empresas familiares brasileiras. RAE-Revista de Administração de Empresas, 57(6), 601-619.

Frezatti, F., Rocha, W., Nascimento, A. D., & Junqueira, E. (2009). Controle gerencial. Atlas, São Paulo.

Frohlich, L., Rossetto, C. R., & Silva, A. B. (2017). Implicações das práticas de gestão no ciclo de vida organizacional: um estudo de caso. Análise–Revista de Administração da PUCRS, 18(1).

Grapeggia, M. (2008). Habilidades empreendedoras à luz do ciclo de vida organizacional. Tese de Doutorado em Engenharia da Produção, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Santa Catarina.

Greiner, L. E. (1972). Evolution and revolution as organizations grow. Harvard Business Review, 50(4), 37-46.

Greiner, L. E. (1998). Revolution is still inevitable. Harvard Business Review, 76(3), 64-64.

Helsen, Z., Lybaert, N. Steijvers, T., Orens, R., & Dekker, J. (2017). Management control systems in family firms: A review of the literature and directions for the future. Journal of Economic Surveys, 31(2), 410-435.

Hewege, C. R. (2012). A critique of the mainstream management control theory and the way forward. SAGE Open, 2(4).

Kantola, T. (2017). Management control systems during early life cycle phases-a case study in the social and healthcare services sector. Master’s Thesis. Accounting. Aalto University School of Business, Finlândia.

Kristensen, J. K. (2008). A Comparative Case Study of Growth and Strategy Within the Danish Management Consulting Industry. Master Thesis: Cand. Merc. International Management. University of Southern Denmark, Odense.

Lee, J., & Tan, F. (2001). Growth of Chinese family enterprises in Singapore. Family Business Review, 14(1), 49-74.

Machado-da-Silva, C. L., Vieira, M. M. F., & Dellagnelo, E. H. L. (1998). Ciclo de vida, controle e tecnologia: um modelo para análise das organizações. Organizações & Sociedade, 5(11), 77-104.

Malmi, T., & Brown, D. A. (2008). Management control systems as a package—Opportunities, challenges and research directions. Management Accounting Research, 19(4), 287-300.

Meirelles, B. O., Debastiani, S. M., & Rojo, C. A. (2015). Proposta de intervenção empresarial com base no ciclo de vida organizacional proposto por Greiner: o caso da Scherer Indústria de Implementos Agrícolas. Revista Capital Científico-Eletrônica, 13(3), 111-123.

Morais, É. D., & Silva, W. A. C. (2014). Ciclo de vida das organizações e longevidade: análise de indústrias da região metropolitana de Belo Horizonte/MG a partir da abordagem de Greiner. Tourism & Management Studies, 10(ESPECIAL), 69-78.

Moreira, L. V. M. (2016). Sistema de controle gerencial como fator de influência no ciclo de vida organizacional de empresas familiares. Dissertação de Mestrado em Contabilidade, Universidade de São Paulo.

Oro, I. M. (2015). Interação dos sistemas de controle gerencial com a estratégia e o desempenho organizacional em empresa familiar. Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Universidade Regional de Blumenau.

Oro, I. M., Beuren, I. M., & Carpes, A. M. S. (2014). Competências e habilidades exigidas do controller e a proposição para sua formação acadêmica. Contabilidade Vista & Revista, 24(1), 15-36.

Otley, D. (1994). Management control in contemporary organizations: towards a wider framework. Management Accounting Research, 5(3-4), 289-299.

Otley, D. T., & Berry, A. J. (1994). Case study research in management accounting and control. Management accounting research, 5(1), 45-65.

Prencipe, A., Bar-Yosef, S., & Dekker, H. C. (2014). Accounting research in family firms: Theoretical and empirical challenges. European Accounting Review, 23(3), 361-385.

Quinn, M., Hiebl, M. R., Moores, K., & Craig, J. B. (2018). Future research on management accounting and control in family firms: suggestions linked to architecture, governance, entrepreneurship and stewardship. Journal of Management Control, 28(4), 529-546.

Richardson, R. J. (1989). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Simons, R. (1991). Strategic orientation and top management attention to control systems. Strategic Management Journal, 12(1), 49-62.

Wanderley, C., Frezatti, F., Beuren, I. M., & Carmona, S. (2017). Mapping variety in management accounting research: an introduction. Advances in Scientific and Applied Accounting, 10(2), 133-136.

Downloads

Publicado

01-07-2024

Como Citar

BUCHWEITZ, M. J. R.; CRUZ, A. P. C. da .; QUINTANA, A. C. Uso do sistema de controle gerencial como propulsor do desenvolvimento de uma empresa familiar. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 306–325, 2024. DOI: 10.21680/2176-9036.2024v16n2ID32592. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/32592. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Seção 3: Pesquisas de Campo sobre Contabilidade (Survey) (S3)