EVIDENCIAÇÃO DA MENSURAÇÃO DO VALOR JUSTO E ALUSÃO NO RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE

  • Ana Paula Belli Andruchechen UFSC
  • Luiz Alberton UFSC

Resumo

O objetivo deste estudo é verificar quais as evidenciações da mensuração do valor justo e as alusões nos relatórios dos auditores independentes apresentados pelas empresas de construção e engenharia listadas na BM&FBovespa, em referência ao CPC 46. Sendo assim, teve-se como base documental as notas explicativas e os relatórios dos auditores independentes publicados por 37 empresas listadas na BM&FBovespa. Dentre os resultados encontrados, após ser elaborado um check-list do CPC 46, destaca-se que as empresas analisadas mensuram alguns ativos, passivos e instrumentos de capital a valor justo, principalmente os ativos e passivos financeiros identificados em sua maioria como investimentos e contas a pagar. Observou-se que 20 entidades classificam os itens mensurados a valor justo em relação ao nível de hierarquia de informação, em que a maioria das classificações encontram-se no nível 2. Em relação aos relatórios dos auditores independentes, não são feitas alusões em relação a mensuração do valor justo das empresas auditadas. Conclui-se que, na forma de evidenciação do valor justo, as empresas ainda estão em processo de adequação ao CPC 46, que necessitam de evidenciação mais específica sobre o assunto e que os relatórios dos auditores independentes não apresentam informações relevantes em relação ao valor justo.

Palavras-chave: CPC 46. Valor justo. Relatório dos auditores independentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRASCA. Anuário estatístico das companhias abertas 2013/2014. Disponível em: <http://www.abrasca.org.br/anuario/2012/> Acesso em: 06/09/2014.

AMARAL, N. A. L. A utilização do valor justo para mensuração da receita econômica: o que o mercado tem a dizer sobre o valor do curso de Ciências Contábeis da UFSC?. 2014. 156 f. Dissertação (Mestrado em Contabilidade) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis (SC), 2014.

ASSING, I.; AVILA, R. V.; ALBERTON, L. Atendimento às Normas na Reavaliação de Ativos Imobilizados e nos Pareceres Emitidos por Auditoria Independente. Revista de Informação Contábil, v. 4, n. 1, p. 01 - 21, 2010.

BARROS, C. C.; SOUZA, F. J. V.; ARAÚJO, A. O.; SILVA, J. D. G.; SILVA, M. C. O Impacto do Valor Justo na Mensuração dos Ativos Biológicos nas Empresas Listadas na BM&FBovespa. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, V. 17, n. 3, p. 41-59, 2012.

BECK, F.; MOURA, G. D.; KLANN, R. C.; BEZERRA, F.A. Principais alterações internas em uma empresa de capital aberto: um estudo do impacto da convergência contábil sob a ótica contingencial. In: VI Congresso ANPCONT, v.6., 2012. Anais… São Paulo, ANPCONT, 2012.

BENSTON; G. J. Fair-value accounting: A cautionary tale from Enron. Journal of Accounting and Public Policy, v. 25, n. 4, p. 465-484, 2006.

BOLÍVAR, M. P. R.; GALERA, A. N. The Role of Fair Value Accounting in Promoting Government Accountability. Abacus, v. 48, n. 3, p. 348-386, 2012.

CARMO, C. H. S.; RIBEIRO, A. M.; CARVALHO, L. N. G. Convergência de fato ou de direito? A influência do sistema jurídico na aceitação das normas internacionais para pequenas e médias empresas. Revista de Contabilidade & Finanças, v. 22, n. 57, p. 242 - 262, 2011.

CHRISTENSEN, B. E.; GLOVER, S. M.; WOOD, David A. Extreme Estimation Uncertainty and Audit Assurance. Current Issues in Auditing, v. 7, n. 1, p. P36-P42, 2013.

CNI. Sondagem Indústria da Construção. Disponível em: <http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_24/2014/08/22/54/SondagemIndustriadaConstruoJunho2014.pdf> Acesso em: 05/09/2014

COMISSÃO VALORES MOBILIARIOS (CVM). Instrução CVM nº 457. Brasília: CVM, 2007.

CPC. Disponível em: <http://www.cpc.org.br/pronunciamentosIndex.php>. Acesso em: 07/03/2014.

FABIANO, D. O nível de comparabilidade contábil dos países do BRIC. 2012. 127 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Gestão e Negócios, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia (MG), 2012.

FRANCO, H.; MARRA, E. Auditoria Contábil. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2001.

HENDRIKSEN, E. S.; VAN BREDA, M. F. Teoria da Contabilidade. 5ª Ed. São Paulo: Atlas, 2007.

INTERNATIONAL ACCOUTING REPORTING STANDARDS BOARDS. International Financial Reporting Standard 13: Fair Value Measurement. 2011. Disponível em: <http://eifrs.ifrs.org/eifrs/bnstandards/en/2012/ifrs13.pdf>. Acesso em: 30/04/2014.

________. Quem somos e o que fazemos. Disponível em: <http://www.ifrs.org/The-organisation/Documents/WhoWeAre_Portuguese_JAN_2014.pdf>. Acesso em: 29/08/2014.

INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARDS. Standards and Interpretations. Disponível em: <http://www.ifrs.org/IFRSs/Pages/IFRS.aspx>. Acesso em: 31/08/2014.

IUDÍCIBUS, S.; MARION, J. C. O Dicionário de Termos de Contabilidade. São Paulo: Atlas, 2001.

IUDÍCIBUS, S.; MARTINS, E.; GELBCKE, E. R.; SANTOS, A. Manual de Contabilidade Societária. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

JACQUES, F. V. S.; RASIA, K. A.; OTT, E. A evidenciação do ativo intangível em nos explicativas por empresas de capital aberto integrantes na Bovespa. Revista Espacios, v. 33, n. 3, p. 13 - 28, 2012.

KPMG. Orientação unificada para mensuração e divulgação do valor justo para IFRS. IFRS em destaque. São Paulo, dez. 2011. Disponível em: <http://www.kpmg.com/BR/PT/Estudos_Analises/artigosepublicacoes/Documents/IFRS/IFRS_em_destaque_IFRS_13.pdf >. Acesso em: 02/03/2014.

LAGHI, E.; PUCCI, S.; TUTINO, M.; MARCANTONIO, M. Fair value hierarchy in financial instrument disclosure. Is there transparency for investors? Evidence from the banking industry. Journal of Governance and Regulation, v. 1, Issue 4, 2012.

LORENCINI, F. D.; COSTA, F.M. Escolhas contábeis no Brasil: identificação das características das companhias que optaram pela manutenção versus baixa dos saldos do ativo diferido. Revista de Contabilidade & Finanças, v. 23, n. 58, p.52-64, Jan-Abr, 2012.

MACKENZIE, B.; COETSEE, D.; NJIKIZANA, T.; COLYVAS, B.; HANEKOM, B. IFRS 12 interpretação e aplicação. Porto Alegre: Bookman, 2013.

MAPURUNGA, P.V.R.; MENESES, A.F.; PETER, M.G.A. O processo de convergência das normas internacionais de contabilidade: uma realidade nos setores privado e público brasileiros. Revista Controle, v. 09, n. 1, 87-107, Jan-Jun, 2011.

MARTIN, R., D,; RICH, J., S.; WILKS, T., J. Auditing Fair Value Measurements: A Synthesis of Relevant Research. Accounting Horizons, v.20, n. 3, p. 287-283, 2006.

MENDES, C.J.F.; FREIRE, F.S. A governança corporativa e manipulação de informação contábil: mensuração a valor justo nos bancos comerciais. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 11, n. 23, 53-76, Mai-Ago, 2014.

MIRZA, A. A.; HOLT, G. J. Pratical Implementation Guide and Workbook for IFRS. 3. ed. New Jersey: John Wiley & Sons, 2011.

MOST, K. S. Accounting theory.2. ed. Columbus, Ohio: Grid, 1982.

OLIVEIRA, V. A. Adoção inicial das normas contábeis internacionais por empresas brasileiras. 2010. 154 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Faculdade de Gestão e Negócios, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia (MG), 2010.

PESSOTTI, T. J. Impacto da convergência às normas internacionais de contabilidade sobre a acurácia dos analistas do mercado de capitais brasileiro. 2012. 70 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Fundação Ensino Capixaba de Pesquisa em Contabilidade, Economia e Finanças, Vitória, 2012.

PONTE, V. M. R.; DE LUCA, M. M. M.; OLIVEIRA, M. C.; DE AQUINO, L. D. P; CAVALCANTE, D. S. Análise do grau de cumprimento das práticas de divulgação definidas pelo pronunciamento técnico CPC 13 no âmbito das companhias abertas. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), v. 6, n. 1, 2012.

POWER, M. Fair value accounting, financial economics and the transformation of reliability. Accounting and Business Research, v.40, n. 3, p. 197-210, 2010.

PRADO, T. A. R. Os impactos da primeira adoção das normas IFRS nas demonstrações contábeis das companhias abertas brasileiras. 2013. 123 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Gestão e Negócios, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia (MG), 2013.

SANTOS, A. D.; GRATERON, I.R.G. Contabilidade criativa e responsabilidade dos auditores. Revista Contabilidade & Finanças, v. 14, n. 32, p. 07-22, 2003.

SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO: Anuário Estatístico 2012. In: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Secretaria do Desenvolvimento da Produção. Brasília: SDP, 2012. Disponível em: <http://http://www.desenvolvimento.gov.br>. Acesso em: 29 abr. 2014.

SILVA, C.B.A.; MADEIRA, G.J.; ASSIS, J.L.F. Harmonização de normas contábeis: um estudo sobre as divergências entre normas contábeis internacionais e seus reflexos na contabilidade brasileira. Revista Contemporânea de Contabilidade, v.1, n.1, 115-139, 2004.

SILVA, R. L. M.; LOPES, A. B. Demonstrações contábeis no Brasil após adoção do CPC 13: reação do mercado de ações e consequências econômicas. In: 12º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, v 12., 2012 - FEA-USP. Anais... São Paulo, FEA/USP, 2012.

SKODA, M.; BILKA, P. Fair value financial statements – advantage and disadvantage. Studia Universitatis “Vasile Goldiş” Arad. Economics Series, v.22, Issue 2, 2012.

TAVARES, M. T. N; RIBEIRO FILHO, F.; LOPES, J. E. G; VASCONCELOS, M .T. C; PEDERNEIRAS, M. M. M. Reconhecimento, mensuração e evidenciação contábil: um estudo sobre o nível de conformidade das empresas listadas na Bovespa com o CPC01 redução ao valor recuperável de ativos. Sociedade, Contabilidade e Gestão (UFRJ), v. 05, p. 01-17, 2010.

WEFFORT, E. F. J. O Brasil e a harmonização contábil internacional: influências dos sistemas jurídico e educacional, da cultura e do mercado. São Paulo: Atlas, 2005.

ZYLA. M. L. Fair Value Measurements: Practical Guidance and Implementation. John Wiley & Sons, 2009.

Publicado
03-01-2016
Como Citar
ANDRUCHECHEN, A. P. B.; ALBERTON, L. EVIDENCIAÇÃO DA MENSURAÇÃO DO VALOR JUSTO E ALUSÃO NO RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 8, n. 1, p. 187-204, 3 jan. 2016.
Seção
ARTIGOS