"Ou não" (1973), de Walter Franco: contracultura, experimentalismo e vanguarda na MPB

Palavras-chave: Walter Franco, LP Ou não (1973), contracultura, experimentalismo, vanguarda

Resumo

Músico atuante desde os anos 1960, Walter Franco surpreendeu o público e a crítica ao defender sua inusitada composição “Cabeça” no VII Festival Internacional da Canção da TV Globo, em 1972. Apesar das vaias que recebeu, o júri saiu em sua defesa por reconhecer a ousadia e a inovação da proposta num ambiente que prezava pelo lirismo e por formas musicais já padronizadas. Além das polêmicas que marcaram o VII FIC, este artigo analisa o primeiro álbum de Walter Franco, Ou não, lançado pela gravadora Continental em 1973. Busca, assim, discutir os aspectos contraculturais e experimentais presentes no disco bem como o seu caráter vanguardista não obstante a suposta inviabilidade de vanguardas emergirem no seio da indústria cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sheyla Diniz, Universidade de São Paulo (USP)

Sheyla Castro Diniz é atualmente pós-doutoranda (bolsista Fapesp) e professora colaboradora do Programa de Pós-graduação em História Social da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. É doutora e mestre em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas, com estágio doutoral na Université de Versailles Saint-Quentin-en-Yvelines/França. É graduada em Ciências Sociais e em Música pela Universidade Federal de Uberlândia. Atua nas áreas de Sociologia da Cultura, Música Popular e História social da canção. É autora do livro: ...De tudo que a gente sonhou: amigos e canções do Clube da Esquina (São Paulo: Intermeios/Fapesp, 2017) e da tese de doutorado Desbundados e marginais: MPB e contracultura nos anos de chumbo (1969-1974). E-mail: sheyladiniz@usp.br

Referências

ARAÚJO, Olívio Tavares de. Sinal de vida – Walter Franco: “já tenho a cabeça, só faltam tronco e membros”. Revista Veja, São Paulo, n. 212, p. 83-84, 27 set. 1972.

ANDERSON, Perry. Modernidade e revolução. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 14, p. 2-15, fev. 1986.

ARANTES, Otília. Depois das vanguardas. Arte em Revista (Dossiê Vanguarda e pós-modernismo), São Paulo, CEAC, USP, ano 5, n. 7, p. 4-24, ago. 1983.

BAHIANA, Ana Maria. Walter Franco, sem medo, como as crianças. In: Nada será como antes: MPB anos 70, 30 anos depois. Rio de Janeiro: Senac Rio, 2006, p. 273-277.

BORGES, Jorge Luís. O idioma analítico de John Wilkins. In: Outras inquisições. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, p. 121-126.

BOZZETTI, Roberto. Uma tipologia da canção no imediato pós-tropicalismo. Letras, Santa Maria, n. 34, p. 133-146, jan./jun. 2007.

BOZZO JUNIOR, Carlos. Militares regeram festival de música da Globo em 72. Folha de S. Paulo Ilustrada, São Paulo, p. E3, 27 mai. 2000.

BROWN, Nicholas. Tropicália, pós-modernismo e a subsunção real do trabalho sob o capital. In: CEVASCO, Maria Elisa; OHATA, Milton (org.). Um crítico na periferia do capitalismo: reflexões sobre a obra de Roberto Schwarz. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. p. 295-309.

BÜRGER, Peter. Teoria da vanguarda. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

CALLADO, Carlos. Tropicália: a história de uma revolução musical. 4.ed. São Paulo: Ed. 34, 1997.

COHEN, Renato. Performance como linguagem. São Paulo: Perspectiva, 2002.

DIAS, Márcia Tosta. Os donos da voz: indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo: Boitempo, 2000.

DIETRICH, Peter. Araçá azul: uma análise semiótica. Dissertação (Mestrado em Semiótica e Linguística Geral). FFLCH, USP, São Paulo, 2003.

DINIZ, Sheyla Castro. “Se oriente, rapaz...”: misticismo, dualidade e anomia na canção “Oriente” (Gilberto Gil. LP Expresso 2222, 1972). Música Popular em Revista, Campinas, ano 3, v. 2, p. 119-145, jan./jun. 2015.

DUNN, Christopher. Brutalidade jardim: a Tropicália e o surgimento da contracultura brasileira. São Paulo: Ed. UNESP, 2009.

DUNN, Christopher. Contracultura: alternative arts and social transformation in authoritarian Brazil. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 2016.

DUPRAT, Rogério; MEDAGLIA, Júlio; COZZELLA, Damiano; MENDES, Gilberto, OLIVEIRA, Willy Correia de; et alii. Manifesto da nova música brasileira. Invenção, Revista de arte de vanguarda, ano 2, n. 3, jun. 1963. Disponível em: https://www.latinoamerica-musica.net/historia/manifestos/3-po.html. Acesso em: 10 fev. 2021.

ECO, Umberto. Experimentalismo e vanguarda. In: A definição da arte. Tradução de Eliana Aguiar. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 2016, p. 220-239.

FAVARETTO, Celso; ARANTES, Otília; COSTA, Iná Camargo; ADDEO, Walter Cezar (coord.). Dossiê Vanguarda e pós-modernismo. Arte em Revista, Centro de Estudos de Arte Contemporânea (CEAC), USP, São Paulo, ano 5, n. 7, ago. 1983.

FAVARETTO, Celso. Tropicália, alegoria, alegria. 4.ed. Cotia: Ateliê, 2007.

FAVARETTO, Celso. O Tropicalismo e a crítica da canção. Revista USP, São Paulo, n. 111, p. 117-124, out./dez. 2016.

FAVARETTO, Celso. A contracultura, entre a curtição e o experimental. São Paulo: N-1, 2019.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das Ciências Humanas. Tradução de Salma Tannus Muchail. 8.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FRANCO, Walter. Depoimento de Walter Franco concedido a Sheyla Diniz por e-mail em 19 nov. 2016.

FREIRE, Roberto. Eu é um outro. Salvador: Maianga, 2002.

FREITAS, Artur. Arte de guerrilha: vanguarda e conceitualismo no Brasil. São Paulo: EDUSP, 2013.

GAVIN, Charles. Entrevista de Walter Franco. O som do vinil: memória da música brasileira, 2014. Disponível em: http://osomdovinil.org/walterfranco/. Acesso em: 10 mar. 2015.

HUNGRIA, Júlio. Cada cabeça, cada sentença. O Pasquim, Rio de Janeiro, n. 170, p. 17, 2 a 7 out. 1972.

HUYSSEN, Andreas. A dialética oculta: vanguarda – tecnologia – cultura de massa. In: Memórias do modernismo. Tradução de Patrícia Farias. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1997. p. 22-40.

MEDAGLIA, Júlio. Crise da MPB. Jornal do Brasil, Caderno B, Rio de Janeiro, p. 5, 11 abr. 1972.

MELLO, Zuza Homem de. A era dos festivais: uma parábola. 3.ed. São Paulo: Ed. 34, 2003.

MIDANI, André. Entrevista com o cara que decide o que você vai ouvir. O Pasquim, Rio de Janeiro, n. 242, p. 8-12, 19 a 25 fev. 1974.

MORELLI, Rita. Indústria fonográfica: um estudo antropológico. 2.ed. Campinas: Ed. Unicamp, 2009.

MUGNAINI JR, Ayrton. Ou não? Sim! In: ALBUQUERQUE, Célio (org.). 1973: o ano que reinventou a MPB. Rio de Janeiro: Sonora, 2013. p. 393-401.

MÚSICA BRASILEIRA em 72: louka retrospectiva. Rolling Stone, Rio de Janeiro, n. 36, p. 4, 5 jan. 1973.

NAPOLITANO, Marcos. A república das bananas: o tropicalismo no panorama da MPB. In: Seguindo a canção: engajamento político e indústria cultural na MPB (1959-1969). São Paulo: Annablume/Fapesp, 2001, p. 231-286.

NAPOLITANO, Marcos. Arte e política no Brasil: história e historiografia. In: EGG, André; FREITAS, Artur; KAMINSKI, Rosane (org.). Arte e política no Brasil: modernidades. São Paulo: Perspectiva, 2014, p. XV-XLVI.

NAVES, Santuza Cambraia. Da Bossa Nova à Tropicália. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

NAVES, Santuza Cambraia. A desconstrução tropicalista da canção. In: Canção popular no Brasil: a canção crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. p. 95-107.

NUZZI, Vitor. Geraldo Vandré: uma canção interrompida. Rio de Janeiro: Kuarup Produções, 2015.

ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira: cultura brasileira e indústria cultural. São Paulo: Brasiliense, 2006.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasilense, 2006b.

RIDENTI, Marcelo. Ensaio geral de socialização da cultura: o epílogo tropicalista. In: CARNEIRO, Maria Luzia Tucci (org.). Minorias silenciadas: história da censura no Brasil. São Paulo: Edusp/Imprensa Oficial do Estado/FAPESP, 2002. p. 377-401.

RIDENTI, Marcelo. Do ciclo das vanguardas ao ciclo das bases: sinais das ruas. In: Brasilidade revolucionária: um século de cultura e política. São Paulo: Ed. UNESP, 2010. p. 160-164.

SCHWARZ, Roberto. Cultura e política, 1964-69. In: O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978. p. 61-92.

SCOVILLE, Eduardo Henrique Martins Lopez de. Na barriga da baleia: a rede Globo de televisão e a música popular brasileira na primeira metade da década de 1970. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

STESSUK, Sílvio. O silêncio em espirais: Walter Franco. Anais do XI Congresso Internacional da ABRALIC: tessituras, interações, convergências, São Paulo, USP, p. 1-10, 13 a 17 jul. 2008.

VARGAS, Herom. A canção experimental de Walter Franco. Comunicação & Sociedade, ano 32, n. 54, p. 191-210, jul./dez. 2010.

VASCONCELLOS, Gilberto. Música popular: de olho na fresta. Rio de Janeiro: Graal, 1977.

VENTURA, Zuenir. O vazio cultural. In: GASPARI, Elio; HOLLANDA, Heloísa Buarque de; VENTURA, Zuenir. Cultura em trânsito: da repressão à abertura. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000. p. 40-51.

ZAN, José Roberto. Do fundo do quintal à vanguarda: contribuição para uma história social da música popular brasileira. Tese (Doutorado em Sociologia). IFCH, Unicamp, Campinas, 1996.

Publicado
22-11-2021
Como Citar
CASTRO DINIZ, S. "Ou não" (1973), de Walter Franco: contracultura, experimentalismo e vanguarda na MPB. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, v. 8, n. 2, 22 nov. 2021.