TeatrAs feministas, substantivo feminino plural: trabalho-de-memória sobre as narrativas do feminismo no teatro brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36025/arj.v6i1.17416

Palavras-chave:

A(r)tivismo feminista, Teatro e feminismo, Teatro feminista brasileiro, Trabalho-de-memória, Frigga Haug

Resumo

O ensaio propõe a reconstrução do encontro presenciado pela autora entre Amelinha Teles, Cláudia Schapira e Fernanda Azevedo, promovido pelo SESC Belenzinho e ocorrido no bojo das comemorações de 08 de Março de 2016. A memória é empregada como método, inspirando-se no trabalho da socióloga alemã Frigga Haug (1992, 1996), em suas considerações sobre o trabalho detetivesco que toma como ponto de partida a experiência real das pessoas no mundo e a teoria marxista de exame das condicionantes materiais, discursivamente evocadas pelas mulheres. Observo, desse modo, as práticas de gênero na área do teatro brasileiro num enquadramento amplo, em que atuam as políticas de identidade, os papéis sociais, os feminismos e as modalidades de criação e produção teatrais, num arco histórico de cerca de 50 anos. A retomada do ano de 2016, portanto, lança mão do método de trabalho-da-memória a fim de aplica-lo ao exame da construção social de gênero feminino no teatro, assim como para convidar à revisão em ato, em 2018-19, desse processo e das estruturas históricas envolvidas, buscando apontar aqui as contradições que as tornam móveis e mutáveis. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lúcia Regina Vieira Romano, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquista Filho (UNESP)

Bacharel em Teoria do Teatro pela Escola de Comunicações e Artes da USP (1991), Mestre em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (em 2002, com orientação da Profa. Dra. Helena Katz) e Doutora pela ECA-USP (em 2009, com orientação do Prof. Dr. Jacó Guinsburg), tem experiência nas áreas de Artes Cênicas e Dança, com ênfase em interpretação teatral, performance, corporeidade, performatividade de gênero, teatro e feminismo e processos de criação. Professora na UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO, Instituto de Artes, DACEFC. Atriz fundadora dos grupos Barca de Dionisos e Teatro da Vertigem, atua hoje como intérprete e produtora na Cia Livre de Teatro.

Referências

BESKOW, Daniela Alvares. O discurso das mulheres na cena paulistana de 2015-2016: uma proposta feminista de análise de espetáculos. (Mestrado). Dissertação apresentada para a banca de defesa de Mestrado em Artes no Programa de Mestrado em Artes – Teatro, São Paulo: Unesp, 2017.

CANCIONERO. Dilemma, un espectáculo diferente. In: Cancionero. 05 de Janeiro de 2006. Disponível em: https://cancionero.net/dilemma-un-espectaculo-diferente/. Acesso em: 24 Set. 2018.

CARTER, Erica. Translator Foreword. In: HAUG, Frigga (org.). Female Sexualization: A collective work of memory. Trans. by Erica Carter. London, New York: Verso, 1999. p. 11-19.

CIA KIWI. Dossiê Carne. 2015. Disponível em: http://www.kiwiciadeteatro.com.br/wp-content/uploads/2017/04/Dossie_Carne_2015.pdf. Acesso em 24 Set. 2018.

COMISSÃO DA VERDADE – SP. Cap. III – As ações judiciais das Famílias Teles e Merlino/ Parte III – Ações de resistência e medidas de justiça e transição/ Tomo I – Recomendações gerais e recomendações temáticas. In: Relatório da Comissão de Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva". São Paulo: Plataforma Verdade Aberta. Disponível em: http://comissaodaverdade.al.sp.gov.br/relatorio/tomo-i/parte-iii-cap3.html. Acesso em: 24 Set. 2018.

CRUZ, Bianca Bogianni. A relação entre teatro e expectação numa proposição feminista: os casos de duas peças exclusivas para mulheres no Brasil. (Mestrado). Dissertação apresentada para a banca de defesa de Mestrado em Artes no Programa de Mestrado em Artes – Teatro, São Paulo: Unesp, 2018.

DOLAN, Jill. Presence and Desire: essays on gender, sexuality, performances. Michigan: University of Michigan Press, 1993.

GARCIA, Lauro Lisboa. Assunto proibido. In: Revista Época Online. Coluna Mente Aberta, 13 de dezembro de 2010. Disponível em: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI156994-15220,00-ASSUNTO+PROIBIDO.html. Acesso em: 25 set. 2018.

GOODMAN, Lizbeth. Contemporary Feminist Theatre – to each her own. London, New York: Routledge, 2005.

GUIRRA, Rafael. Regina Braga em Um Porto para Elizabeth Bishop. In: Blog Recanto Adormecido. 5 dezembro, 2011. Disponível em: http://recantoadormecido.com.br/2011/12/05/regina-braga-em-um-porto-para-elizabeth-bishop. Acesso em: 24 Set. 2018.

HAUG, Frigga. Beyond female masochism: memory work and politics. Translated by Rod-ney Livingstone. London, New York: Verso, 1992.

HAUG, Frigga (org.). Female Sexualization: A collective work of memory.Trans. by Erica Carter. London, New York: Verso, 1999.

MARQUES, Maurício Cundari. Teatro traz reflexão sobre o aborto. In: Semanário.com.br. Disponível em: http://www.semanario.com.br/noticia/2014/10/teatro-traz-reflexao-sobre-o-aborto/10800. Acesso em: 24 Ago. 2018.

MELO, Dayana. Roteiro da Peça de Teatro: Gravidez na Adolescência. In: Blog Dayana Melo. 10 de junho de 2011. Disponível em: http://dpachecomelo.blogspot.com/2011/06/peca-de-teatro-gravidez-na-adolescencia.html. Acesso em: 24 Ago. 2018.

MOREIRA, Andrea. Navegações estéticas – atriz Fernanda Azevedo. In: Vimeo. Disponível em: https://vimeo.com/263150786. Acesso em: 08 Mar 2019.

MOTA, Keli Rocha Silva. Feminismo contemporâneo: como ativistas de São Paulo compreendem uma terceira onda do movimento no país. Revista Extraprensa: Cultura e Comunicação na América Latina, 11 (1). São Paulo: USP, 2017. p. 108-127. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/extraprensa/article/view/139729. Acesso em: 01 Mar 2019.

MORENO, Newton. A máscara alegre: contribuições da cena gay para o teatro brasileiro. In: Revista Sala Preta. v. 2, 2002. São Paulo: ECA/ USP, 2002. p. 310-317. Disponível em: www.revistas.usp.br/salapreta/article/viewFile/57108/60096+&cd=12&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em: 24 Set. 2018.

NATARELLI, Natália. Morro como um país: "a arte deve responder ao perigo de uma época”. In: Carta Maior – O Portal da esquerda. 31 de Março de 2014. s.n. Disponível em: https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Arte/Morro-como-um-pais-a-arte-deve-responder-ao-perigo-de-uma-epoca-/39/30621. Acesso em 24 Set. 2018.

NEPOMUCENO, Tamires. A difícil escolha. In: Site Teatro Cristão. s.d. Disponível em: http://teatrocristao.net/texto/a_dificil_escolha. Acesso em: 24 Ago. 2018.

OLIVEIRA, Samir. Amelinha Teles e a incansável luta contra o machismo: dos anos 1960 aos dias de hoje. In: Sul 21. 25 de novembro de 2013. s.n. Disponível em: https://www.sul21.com.br/ultimas-noticias/politica/2013/11/amelinha-teles-e-incansavel-luta-contra-o-machismo-dos-anos-1960-aos-dias-de-hoje/. Acesso em: 25 ago. 2018.

PAIVA, Marcelo Rubens. Vange Leonel estréia peça sobre lésbicas dos anos 20. In: Jornal Folha de São Paulo Online. Ilustrada. São Paulo, terça-feira, 20 de junho de 2000. s.n. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2006200007.htm http://meusolsticio.blogspot.com/2009/01/sereias-da-rive-gauche.html. Acesso em: 24 de Set. 2018.

PROGRAMA PERFIL. Espetáculo Confissões de Adolescentes em Angra dos Reis. In: Programa Perfil. 10 de Dezembro de 2009. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=fpzECSog6vE. Acesso em: 24 Set. 2018.

ROCHA, Bruna e AZEVEDO, Isabelle. Nem presentes, nem congratulações: 8 de março é dia de luta! In: Marcha Mundial das Mulheres. 11 de Março de 2014. Disponível: https://marchamulheres.wordpress.com/2014/03/11/veja-como-foram-as-mobilizacoes-da-mmm-neste-8feminista-por-todo-o-brasil/. Acesso em: 24 Set. 2018.

ROCHA, Daniela. "Violeta Vita" disseca ardente paixão feminina. In: Jornal Folha de São Paulo Online. Ilustrada. São Paulo, quinta-feira, 14 de setembro de 1995. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1995/9/14/ilustrada/18.html. Acesso em 24 Set. 2018.

SCHAPIRA, Cláudia. A dramaturgia e a encenação em Orfeu Mestiço. In: Revista Sala Preta, v. 12 n.1. Dossiê Espetáculo, São Paulo: ECA/ USP, 2012. p. 181-193. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/salapreta/article/view/57560/60614. Acesso em 28 Set. 2018.

SCHAPIRA, Claudia. Memória Impressas – Caderno de Trabalho. 2015. São Paulo: CCSP. Disponível em: http://centrocultural.sp.gov.br/site/wp-content/uploads/2014/05/MEMORIAS_IMPRESSAS.pdf. Acesso em 28 set. 2018.

TELES, Maria Amélia de Almeida. A construção da memória e da verdade numa perspectiva de gênero. Revista Direito GV, v. 11, n. 2, Dec. 2015, São Paulo: GV, 2015. p. 505-522. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-24322015000200505&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 10 Mar. 2019.

ZIRBEL, Ilze. Estudos de gênero e estudos feministas no Brasil: um debate. (Mestrado). Dissertação apresentada ao Programa de PósGraduação em Sociologia Política da Universidade Federal de Santa Catarina, para a obtenção do título de Mestre em Sociologia Política. Joinville: UFSC, 2007. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/90380/241321.pdf?sequence. Acesso em: 25 Set 2018.

Downloads

Publicado

18-11-2019

Como Citar

ROMANO, L. R. V. TeatrAs feministas, substantivo feminino plural: trabalho-de-memória sobre as narrativas do feminismo no teatro brasileiro. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, [S. l.], v. 6, n. 1, 2019. DOI: 10.36025/arj.v6i1.17416. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/17416. Acesso em: 1 fev. 2023.