Sobre a Revista

Foco e Escopo

A revista ARJ – ART RESEARCH JOURNAL: REVISTA DE PESQUISA EM ARTES é uma publicação acadêmica bilíngue, português e inglês (ou outros idiomas ocidentais), seriada, arbitrada e em linha, a cargo de um consórcio das associações brasileiras de pesquisa e pós-graduação em artes ABRACE (Artes Cênicas), ANPAP (Artes Visuais), ANPPOM (Música) e ANDA (Dança) em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e apoio da Universidade Estadual de Santa Catarina (UDESC)

A revista ARJ tem o objetivo de socializar resultados da pesquisa em artes para a comunidade artística, acadêmica e científica.

A missão da revista ARJ é divulgar material de referência sobre pesquisa em artes e pesquisa artística para os cursos de graduação dos países de língua portuguesa e, ao mesmo tempo, promover a produção brasileira junto à comunidade acadêmica internacional.

Processo de Avaliação pelos Pares

As submissões de artigos e ensaios são revistas por pares, consultores especialistas em avaliação em processo duplo-cego. Os revisores são independentes dos autores e não são afiliados à mesma instituição. Sua tarefa é fornecer conselhos construtivos, justos e oportunos aos autores e editores.

Periodicidade

Semestral 

Política de Acesso Livre

ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. 
A revista ARJ não cobra taxas de seus autores para publicação de artigos. 
Os editores e membros acadêmicos da equipe não são pagos; ou seja, o trabalho é executado em esforços totalmente voluntários.

Ética na pesquisa e publicação científica

Os artigos publicados na revista ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes devem ser atentos às indicações estabelecidas através de normativas de fóruns para editores de periódicos revisados por pares, dos comitês de ética em pesquisa de universidades e de associações de pesquisa do Brasil e outros países. A revista ARJ preza pela integridade de seus artigos; em caso de plágio, informações fraudulentas ou outras faltas éticas, os autores serão responsabilizados. 
A conduta de ARJ atende a Resolução CNS nº 510, de 07 de abril de 2016, do Conselho Nacional de Saúde, que dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. ARJ também recomenda o engajamento a recomendações de comitês internacionais de ética na publicação acadêmica.

Indexação, diretórios, portais e afins

Portal de Periódicos CAPES/MEC(Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, fundação do Ministério da Educação)

Cariniana: Rede Brasileira de Serviços de Preservação Digital 
Diadorim/IBICT
: Diretório de políticas editoriais das revistas brasileiras, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

DOAJ: Directory of Open Access Journals
ERIH PLUS: European Reference Index for the Humanities and Social Sciences
LatinIndex: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal 
LatinREV: Red Latinoamericana de Revistas Académicas en Ciencias Sociales y Humanidades 
Livre: Revistas de Livre Acesso 
EZB: Electronic Journals Library 
Google Scholar (Google Acadêmico)
REDIB: Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico
Sherpa Romeo - JISC (Joint Information Systems Committee)
WordCat
(network of library content and services)

Facebook da revista ARJ

Revista ARJ

Histórico do periódico

A revista ARJ – ART RESEARCH JOURNAL: REVISTA DE PESQUISA EM ARTES é uma publicação acadêmica bilíngue (português e inglês), seriada, arbitrada e online, a cargo de um consórcio de associações brasileiras de pesquisa e pós-graduação em artes (ABRACE – Artes Cênicas; ANPAP – Artes Visuais; ANPPOM – Música; ANDA – Dança) em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Tem o objetivo de socializar resultados da pesquisa em artes para a comunidade artística, acadêmica e científica. A missão da revista ARJ é divulgar material de referência sobre pesquisa em artes e pesquisa artística para os cursos de graduação dos países de língua portuguesa e, ao mesmo tempo, promover a produção brasileira junto à comunidade acadêmica internacional.

A ideia da criação do periódico surgiu nos fóruns de coordenadores dos programas de pós-graduação da área de Artes/Música junto à CAPES durante o triênio 2007-2009, como planejamento de ações indutoras do fortalecimento da pesquisa na área. Desde então, durante as discussões, ao observar que a construção da série de critérios para avaliação de indexadores externos da produção artística já estavam em andamento, e que no processo de avaliação dos Programas, a produção artística tinha o mesmo peso da produção bibliográfica, a área começou a ficar atenta à sua consolidação em termos de pesquisa acadêmica.

Às três associações principais da área foi solicitada a indicação de quatro associados para compor o Comitê Editorial da ARJ. As indicações ocorreram por ocasião das assembleias anuais de cada associação: Artes Cênicas (ABRACE): Beatriz Cerbino (UFF) em substituição a Armindo Bião, Cássia Navas (UNICAMP), Marta Isaacsson (UFRGS) e Silvia Fernandes (USP); Artes Visuais (ANPAP): Daisy Peccinini de Alvarado (USP), Luiz Alberto Ribeiro Freire (UFBA), Maria Beatriz de Medeiros (UnB) e Sandra Ramalho (UDESC); Música: Adriana Lopes (USP), em substituição a Zelia Chueke, Carole Gubernikoff (UNIRIO), Eliane Leão (UFG) e Sonia Albano (UNESP-Carlos Gomes).

Em 2008 as professoras Martha Ulhôa e Maria Beatriz de Medeiros (coordenadora e coordenadora-adjunta da área da CAPES) planejaram um evento com o objetivo de criar a revista ARJ – ART RESEARCH JOURNAL, que não foi à frente por questões de superdimensionamento.

Em 2012 a área de Artes/Música, coordenada pela professora Antonia Pereira promoveu o evento O conceito de pesquisa na pesquisa em Artes, em cooperação com o PPG em Artes Cênicas da UFRN, objetivando possibilitar a criação da ARJ e ensejar a coleta de material inédito para publicação. Durante o evento e antes das conferências, tiveram lugar as plenárias para se debater as questões editoriais e de gestão da ARJ. Nesta ocasião os presentes chegaram à conclusão que a melhor solução para criar e manter a ARJ seria um Acordo de Cooperação entre a ABRACE, ANPAP e ANPPOM (firmado em 1º de março de 2013).

A revista ARJ foi criada em plenárias que tiveram lugar dias 20, 21, 22 e 23 de novembro de 2012. Para tanto, reuniram-se no auditório da Secretaria de Ensino à Distância da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, na cidade de Natal (RN), membros do conselho editorial indicados por suas respectivas associações, a editora-chefe e mentora da ARJ, Martha Tupinambá de Ulhôa (PPGM/UNIRIO), a Coordenadora da área de Arte/Música, Antonia Pereira Bezerra (PPGAC/UFBA) e o Coordenador Adjunto Milton Terumitsu Sogabe (PPGA/UNESP), além de coordenadores dos cursos de pós-graduação em Artes ou representantes. Entre eles: Daisy Peccinini (ANPAP), Mário Fernando Bolognesi (PPGA/UNESP), Luciana Del Ben (ANPPOM), Luis Ricardo Silva Queiroz (PPGM/UFPB), Jean Joubert Freitas Mandes (PPGMUS/UFRN), Mario Videira (PPGMUS/USP), Diana Santiago (PPGMUS/UFBA), Gisela Reis Bianca Lana (PPGART/UFSM), Lucia H. A. Matos (PPGDança/UFBA), Angela Raffin Pohmann (PPGAV/UFpel), Edélcio Mostaço (PPGT/UDESC), Luis Sérgio Oliveira (ANPAP/UFF), Alexandre Emerick Neves (PPGA/UFES), Delane Maria Rego (URFN), Maria Betânia e Silva (PPGAV/UFPE/UFPB), Madalena de Fátima Zaccara (PPGAV/UFPE/UFPB), Beatriz Cerbino (ABRACE), José Luiz Kinceler (PPGAV/UDESC), Ana Maria Bulhões (PPGAC/UNIRIO), Mauricius Farina (PPGAV/Unicamp), Marise Malta (PPGAV/ UFRJ), Luís Freire (ANPAP).

O comitê gestor da ARJ passou a ser composto pelos(as) presidentes das associações, mais o(a) editor(a)-chefe (em sistema de rotação entre as subáreas); uma secretaria a ser atrelada ao PPG de origem do(a) editor(a)-chefe, e, coordenado pelo editor-chefe, além de outros quadros editoriais (Comitê Editorial e Conselho Consultivo). Posteriormente, no lugar de editor(a)-chefe decidiu-se por uma Editoria Executiva composta de três membros (editor-chefe e assistente para as decisões editoriais e mais um editor assistente para cuidar da intermediação ARJ-UFRN).

Em dezembro de 2018 a Associação Nacional de Pesquisadores em Dança (ANDA) passou a integrar o Comitê Gestor da revista.

O design do logo, capa e layout dos artigos foi elaborado pela equipe do LabDesign da UDESC, sob responsabilidade de João Salmória, coordenação do professor Murilo Scoz e supervisão da professora Sandra Ramalho, membro do conselho editorial do ARJ. O fundo da primeira capa é de autoria de Cacau Freitas (Caligrafia II. Gravura em metal s/ papel, (single plate), 76,5 x 56,5 cm, 1983)

O número inaugural do ARJ conta com versões editadas de comunicações apresentadas no evento O conceito de pesquisa na pesquisa em Artes, realizado na UFRN entre 19 e 23 de novembro de 2012 (com apoio da CAPES, da FAPERN e da própria UFRN). A UFRN também financiou as traduções e versões dos 17 artigos que compõem este volume, dividido em dois números.

A revista ARJ foi lançada durante as Jornadas do Art Research Journal, II Encontro, evento organizado pela área de Artes/Música da CAPES, com o apoio do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da UDESC em Florianópolis, nos dias 13 e 14 de maio de 2014. Na ocasião, com apresentação de palestras de representantes do IBICT, ABEC, Portais SEER, e mesa-redonda com editores de periódicos da área de artes, foi feita uma avaliação do processo de edição inaugural da ARJ e planejamento visando o refinamento da sua política editorial e consolidação.

No biênio 2015-2016 seriam publicados quatro números com a seguinte estrutura: dossiê temático, orientado por recorte teórico com temas transversais às subáreas de arte, constituído por textos e produção artística de convidados (com ensaios em torno de 8000 palavras); entrevistas (cerca de 4000 palavras), resenhas (com 1000-2000 palavras) ou artigos de revisão (entre 4000-8000 palavras).

Artigos originais submetidos em fluxo contínuo (acima de 4500 palavras) serão avaliados por pares. Os autores desses artigos deverão ter o título de doutor ou equivalente. Os artigos poderão ser submetidos em português ou inglês através do site da revista. Sendo aceito, o autor será instado a traduzir para o português ou verter para o inglês o artigo, sob orientação da editoria executiva.