EROS VOLÚSIA Performance, poéticas criativas e afirmação identitária

Palavras-chave: Dança, Poética, Performance, Identidade, Indústria Cultural.

Resumo

A partir dos anos 1940, o Rio de Janeiro, a  Capital Federal, centro de poder, começa a produzir e projetar para o Brasil uma imagem do "carioca" que agrega tanto a ideia de ser integrante do rol das nações civilizadas pretendida pelas elites, como também portadora de uma malemolência, musicalidade e humor peculiares, trazidos pelo movimento cultural popular e negro. Já sob a influência da Segunda Guerra Mundial, estreitam-se relações entre os governos americano e ditaduras latino-americanas, a chamada política de boa vizinhança. Neste contexto cultural, Eros Volúsia desponta em performance exuberante como bailarina, professora e criadora da Dança Brasileira, uma realidade múltipla e contraditória entre a tradição e o popular. Mais que uma garota propaganda Eros explode a cena com uma poética criativa, sendo mais e além.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Mancebo Zenicola, UFF - Universidade Federal Fluminense
Departamento de Artes e Estudos CulturaisPossui Mestrado em Teatro e Doutorado em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO. Pós Doutoramento Sênior em Danças Negras e Grafismos Corporais /financiamento Capes, em Lisboa. Bailarina, Coreógrafa e Diretora Teatral. Formação em Dança Clássica, Contemporânea, Contato Improvisação e Danças Negras. Trabalha com fusões de Danças Contemporâneas com as Estéticas Afro descendentes na cena. É Professora da Universidade Federal Fluminense - UFF e líder no grupo inscrito no CNPQ Coletivo MUANES Dançateatro e Performances Afro Brasileiras. É pesquisadora do Grupo Arte e Literatura Latino Americana e é pesquisadora colaboradora há 18 anos na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro junto ao NEPAA (Núcleo de Estudos das Performances Afro Ameríndias). É Coordenadora na ABRACE, Associação Brasileira de Pós Graduação em Artes Cênicas no GT Estudos da Performance. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Estudo da Performance, atuando principalmente nos seguintes temas em Transdisciplinaridade: dança, teatro, memória, arte negra, videodança. Projetos em Desenvolvimento: Efetua performances artísticas com o Coletivo Muanes Dançateatro; Efetua performances artísticas com o Grupo Nepaa; Desenvolve o Projeto de Pesquisa e Extensão Quando Toca o Tambor. Em 2014 lançou o livro Ritual e Performance.

Referências

ANDRADE, Mário de. Danças dramáticas do Brasil. Belo Horizonte/Brasília: Itatiaia, Instituto Nacional do Livro, Fund. Nacional Pró Memória, 1992.

BACHELARD, G. A Poética do Espaço. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

LIMA, Nelson. A dança de Eros Volúsia. In: Entre Europa e África: a invenção do carioca. Rio de Janeiro: Topbooks, 2000.

MOTA, Carlos Guilherme. Ideologia da Cultura Brasileira (1933-1974). São Paulo: Ática, 1990.

MOURA, Roberto. A indústria cultural e o espetáculo-negócio no Rio de Janeiro. In: Entre Europa e África: a invenção do carioca. Rio de Janeiro: Topsbooks, 2000.

ORTIZ, Renato. Cultura Brasileira & Identidade Nacional. São Paulo: Brasiliense, 2008.

PEREIRA, Roberto. Eros Volusia a criadora do bailado nacional - perfis do Rio. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

SALIBA, Elias Thomé. A dimensão cômica da vida privada na República. In: História da Vida Privada no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

SEVCENKO, Nicolau. A capital irradiante: técnica, ritmos e ritos do Rio. In: História da Vida Privada no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

TINHORÃO, José Ramos. Pequena história da música popular. São Paulo: Art Editora, 1998.

VELLOSO, Monica. Que cara tem o Brasil? As maneiras de pensar e sentir o nosso país. Rio de Janeiro: Ediouro, 2000.

VOLÚSIA, Eros. Eu e a dança. Rio de Janeiro: Revista Continente, 1983.

ZENICOLA, Denise. The Slaves In: A Gazelle of the Savannah. Abuja: Alpha Crownes Publishers, 2012.

Publicado
18-12-2016
Como Citar
ZENICOLA, D. EROS VOLÚSIA Performance, poéticas criativas e afirmação identitária. ARJ - Art Research Journal, v. 3, n. 2, p. 209-225, 18 dez. 2016.