A Diversidade como arma

sobre as guerras culturais no campo da educação

  • Alef de Oliveira Lima UFRGS
Palavras-chave: Diversidade, Antropologia da Educação, Estado

Resumo


O presente artigo parte de uma série de notícias, reportagens e materiais etnográficos retirados da minha pesquisa de tese para apontar e refletir, a partir de uma mirada antropológica, a existência de um jogo marcial de ataques e resistências no campo da educação, em que a questão dos valores, ideologias e formas de representação social da diversidade se chocam dentro da conjuntura político-social atual. Esses conflitos são tomados enquanto campos de batalha assimétricos e vistos por um conceito de Guerra cultural. Minorias políticas, de gênero, raça, classe e diferentes atores sociais marginalizados e estigmatizados se colocam no frame de resistências simbólicas-materiais frente às práticas conservadores do Estado brasileiro na contemporaneidade. Tal processo instrumentaliza a diversidade não apenas de maneira conceitual-descritiva, mas como produto performático de poder e rebeldia. A diversidade, nesse sentido, se apresenta por perspectivas e escalas conflitantes: instrumento de pânico moral, pauta progressista, modo de construção de identidades sociais, critério de autopromoção política, chave de debates pedagógicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  • ABU-LUGHOD, Lila; LUTZ, Catherine (Ed.). Language and the politics of emotion. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

  • ANDRADE, Paula Deporte de; COSTA, Marisa Vorraber. Nos rastros do conceito de pedagogias culturais: invenção, disseminação e usos. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 10, n. 33, 2017, p. 1-23.

  • ANTUNES, Deborah Christina. Tolerância e democracia hoje: o discurso de deputados em defesa da posição conservadora. Psicologia & Sociedade, Fortaleza, v. 28, n.1, p. 3-13, 2016.

  • ARROYO, Miguel. Currículo, território em disputa. Petrópolis: Vozes, 2011.

  • BENDER, D.; LEONE, B. (Org.) Culture Wars. Opposing Viewpoints. San Diego: Greenhaven Press, 1994.

  • COHEN, Stanley. Folk Devils and Moral Panics: The Creation of Mods and Rockers. London, MacGibbon & Kee, 1972.

  • ELLSWORTH, Elizabeth. Modos de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. In: SILVA, Tomaz T. (Org.). Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, 2001, p. 45-67.

  • GIROUX, Henry A. Cruzando as fronteiras do discurso educacional: novas políticas em educação. Porto Alegre: Artmed, 1999.

  • GIROUX, Henry A. The terror of neoliberalism: authoritarianism and the eclipse of democracy. Boulder-CO: Paradigm, 2004.

  • HUNTER, J. D. Culture Wars: the struggle to define America. New York: Basic Books, 1991.

  • LOURO, Guacira Lopes. Gênero e Educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2001.

  • MISKOLCI, Richard. Pânicos morais e controles sociais: reflexões sobre o casamento gay. Cadernos Pagu, Campinas, n. 28, 2007, p. 101-128.

  • PINHEIRO-MACHADO, Rosana; SCALCO, Lucia Mury. From Hope to Hate: the rise of conservative in Brazil. HAU: Journal of Ethnographic Theory, Chicago, v, 10, n. 1, p. 21-31.

  • PROFÍRIO, Ana Luiza Gomes. Corpos como campos de batalha: uma etnografia sobre entrecruzamentos de gênero, raça e sexualidade no espaço escolar em Maceió. 2019. 118 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2019. Disponível em: http://www.repositorio.ufal.br/handle/riufal/5650 . Acesso em: 20 abr. 2021.

  • RUBIN, Gayle. Políticas do sexo. São Paulo: Ubu Editora, 2017.

  • SARAIVA, Karla; AQUINO, Júlio Groppa. Os paradoxos da forma escolar na contemporaneidade (Entrevista). Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 28, n.2, p. 293-303, 2020.

  • SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Alienígenas na sala de aula: uma Introdução aos Estudos Culturais em Educação. Petrópolis: Vozes, 2008.

  • STEINBERG, Shirley R. Kindercultura: a construção da infância pelas grandes corporações. In: SILVA, Luiz Heron da; AZEVEDO, José Clóvis de; SANTOS, Edmilson Santos dos (Org.). Identidade Social e a Construção do Conhecimento. Porto Alegre: SMED, 1997. p. 98-14.

  • TURNER, Victor W. O processo ritual: estrutura e antiestrutura. Tradução de Nancy Campi de Castro. Petrópolis: Editora Vozes, 1974.

Publicado
12-08-2021
Como Citar
LIMA, A. DE O. A Diversidade como arma. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, v. 8, n. 15, p. 1-19, 12 ago. 2021.