Identidade docente e prática profissional

experimentações autoetnográficas em um Pré-Vestibular Popular

  • Taynã Ribeiro Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Autoetnografia, Identidade docente, Formação de professores, Antropologia e educação

Resumo


Este artigo, na forma de uma narrativa autoetnográfica, é fruto de experiências vividas em um curso pré-vestibular popular de Niterói, Rio de Janeiro, e pretende refletir sobre um processo de construção de identidade docente a partir das experiências de trabalho do autor. Este processo ocorreu por meio intelectual, físico e emocional através do encontro com os sujeitos, artefatos e instituições que configuram um espaço de educação. Como se dá a relação entre a prática profissional e a construção de uma identidade docente? Como espaços de educação originados em movimentos sociais podem contribuir para a formação de professores da escola básica? O artigo examina essas dinâmicas a partir de trechos de meu caderno de campo e de imagens produzidas durante um período de aulas remotas ocorridas no ano de 2020. Conclui-se pela construção de uma identidade especialmente atravessada por noções de incerteza, produto da imposição de uma “realidade educativa virtual” e de processos históricos que abriram novos horizontes sobre o que é ser professor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  • BONDIA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, abr. 2002.

  • DAYRELL, Juarez. A escola como espaço sócio-cultural. In: DAYRELL, Juarez (Org.). Múltiplos olhares sobre educação e cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1996. p. 65-72.

  • ELLIS, Carolyn; BOCHNER, Arthur P. Autoethnography, personal narrative, reflexivity. In: DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. (Eds.). Handbook of qualitative research. 2. ed. Thousand Oaks, CA: Sage, 2000.

  • GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008

  • HANDFAS, Anita; TEIXEIRA, Rosana da Câmara. A Prática de Ensino como rito de passagem e o ensino de sociologia nas escolas de nível médio. Mediações, Londrina, v. 12, n. 1, p. 131-142, jan/jun. 2007.

  • MELLO, Anahí Guedes de. Olhar, (não) ouvir, escrever: uma autoetnografia ciborgue. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Florianópolis, 2019.

  • NASCIMENTO, Alexandre do. Universidade e cidadania: o movimento dos Cursos Pré-Vestibulares Populares. Lugar Comum, n.17, pp. 45-60, 2002.

  • REED-DANAHAY, Deborah. Auto/Ethnography: Rewriting the Self and the Social. New York: Berg, 1997.

  • SANTOS, Silvio Matheus Alves. O método da autoetnografia na pesquisa sociológica: atores, perspectivas e desafios. Plural, Revista do Programa de Pós‑Graduação em Sociologia da USP, São Paulo, v.24.1, 2017, p.214-241.

  • SÖKEFELD, Martin. Debating Self, Identity, and Culture in Anthropology. Current Anthropology, 40 (4): 417-447, 1999.

  • STRATHERN, Marilyn. Fora de contexto: as ficções persuasivas da antropologia. In: O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo; Cosac & Naify, 2014.

  • TARDIF, Maurice. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários: elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas conseqüências. Revista Brasileira de Educação, n. 13, 2000.

  • TAVARES, Maria Tereza Goudard; LISBOA, Adrielle karolyne Sousa. A experiência do Pré-vestibular Pedro Pomar: uma luta por educação popular e formação política em periferias urbanas. Cadernos CIMEAC, v. 10, n. 1, 2020.

  • VELHO, Gilberto. Projeto, emoção e orientação em sociedades complexas. In: Velho, Gilberto. Um antropólogo na cidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2013.

Publicado
12-08-2021
Como Citar
RIBEIRO, T. Identidade docente e prática profissional. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, v. 8, n. 15, p. 1-20, 12 ago. 2021.