Práticas de uma escola de Educação Infantil

uma proposta para a diversidade

  • Simone Pereira Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Antropologia e Educação, Educação Infantil, Projeto Político Pedagógico, Relações étnico-raciais

Resumo


As problematizações em torno dos projetos educacionais brasileiros indicam que há currículos mais conservadores e outros para a diversidade. Esta pesquisa etnográfica apresenta um conjunto de ações de um currículo progressista a partir da proposta de uma escola de Educação Infantil da cidade de São Paulo. Essa unidade educacional passou a realizar práticas pedagógicas com matrizes africanas, afro-brasileiras e indígenas no centro de sua proposta curricular. O objetivo central do estudo é circunscrever os saberes mobilizados pelas professoras para a organização de tal currículo. As experiências etnográficas e as entrevistas com as educadoras indicam um trabalho coletivo e intenso de estudos, de planejamento e de concretização de ações. As educadoras apontam que o projeto foi construído e se mantém devido a sua importância no processo de constituição da identidade de todas e todos da comunidade escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  • BAKKE, Rachel Rua Baptista. Na escola com os orixás: o ensino das religiões afro-brasileiras na aplicação da Lei 10.639. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: doi:10.11606/T.8.2011.tde-31052012-160806. Acesso em: 20 mai 2021.

  • BRANDÃO, Carlos. O que é Educação. São Paulo: Editora Brasiliense, 1981.

  • BRASIL. Lei 10.639/ 2003 de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.639.htm. Acesso em: 20 mai 2021.

  • EMEI. Projeto Político Pedagógico. São Paulo: EMEI, 2018; 2020.

  • EVANGELISTA, Marcela B.. A transcriação em história oral e a insuficiência da entrevista. Revista de História Oral Oralidades. São Paulo, nº 7, p. 169-182, Jan-Jun 2010.

  • FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

  • GOMES, Nilma Lino. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de estereótipos e/ou ressignificação cultural? Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, nº 21, p. 40-51, Set/Out/Nov/Dez 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n21/n21a03.pdf. Acesso em: 20 mai 2021.

  • GOMES, Nilma Lino. O movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017. 2ª reimpressão, 2018.

  • GUSMÃO, Neusa Maria M. de. AFRICANIDADES E BRASILIDADES: desafios da formação docente. Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais REALIS, Pernambuco, vol. 2, nº 01, p. 93-108, jan-jun, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/realis/article/view/8757. Acesso em: 20 mai 2021.

  • MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In: Programa de educação sobre o negro na sociedade brasileira [S.l: s.n.] 2004.

  • MUNANGA, Kabengele. Apresentação. In: MUNANGA, Kabengele (Org.) Superando o Racismo na Escola. 2 ed. revisada. – Brasília: MEC/ SECAD- Secretaria da Educação Continuada, Alfabetização e diversidade, 2005, p. 15-20. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/racismo_escola.pdf. Acesso em: 20 mai 2021.

  • PEREIRA, Simone dos S., NASCIMENTO, Iracema S. do. Literatura infantil com personagens negras: narrativas descolonizadoras para novas construções identitárias e de mundo. Espaço Pedagógico. v. 27, p.481 - 496, 2020. Disponível em: http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/11440/114115339. Acesso em: 20 mai 2021.

  • SANTOS, Tamires Cristina. R. Etnografia de uma lei: O ensino de História e Cultura Afro-brasileira e indígena. 2019. 129 p. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/12371. Acesso em: 20 mai 2021.

  • SILVA, Tomaz Tadeu da. Uma introdução às teorias do currículo. In.: SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999, p. 11-17.

  • SOTO, Pepi. Explorando las posibilidades transformativas de la práctica educativa: el conocimiento antroplógico aplicado a la formación del profesorado. Disponível em: https://uab.academia.edu/PepiSoto. Acesso em: 20 mai 2021.

Publicado
12-08-2021
Como Citar
PEREIRA, S. Práticas de uma escola de Educação Infantil. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, v. 8, n. 15, p. 1-23, 12 ago. 2021.