ESPACIALIDADE, AMBIENTE E IMIGRAÇÃO:

a territorialização de alemães em Santa Maria (Rio Grande do Sul, século XIX)

  • Octávio Becker Neto Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS
Palavras-chave: Espacialidade, Ambiente, Territorialização, Imigração alemã, Santa Maria

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apreender as categorias espacial e ambiental no processo de inserção e territorialização de imigrantes alemães no município de Santa Maria, na Província do Rio Grande do Sul, no século XIX. Para tanto, utiliza-se de alguns preceitos da Micro-história italiana (TORRE, 2018; 2020) e da História Ambiental (ESPÍNDOLA, 2012) e propõe uma reflexão sobre o espaço encontrado, ocupado e experenciado pelos imigrantes, mas também sobre o espaço produzido pelos mesmos. Associa-se a isso o diálogo com uma historiografia dedicada à temática da imigração e preocupada com o espaço enquanto uma categoria analítica não meramente contextual. Entende-se que o espaço de inserção dos imigrantes passa a ser um produto das suas relações e das suas práticas sociais localmente reproduzidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AVELLO, Adriano Sequeira. À sombra do sucesso: dinâmica social numa Colônia alemã no sul do Brasil (Colônia do Pinhal – Itaara/RS, 1857-1894). Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2018.

BECKER NETO, Octávio. A morfogênese urbana de Santa Maria/RS sob perspectiva social: uma análise das concessões de terrenos realizada pela Câmara Municipal na segunda metade do século XIX. Temporalidades – Revista de História, Belo Horizonte, v. 12, n. 1, jan./abr. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/temporalidades/article/view/19617. Acesso em: 31 mai. 2020.

BECKER NETO, Octávio. Requerimentos e concessões fundiárias: experiências sociais de apropriação do solo urbano (Santa Maria, Rio Grande do Sul, século XIX). Dissertação (Mestrado em História), Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2020b.

BUBLITZ, Juliana. Forasteiros na floresta subtropical: notas para uma história ambiental da colonização alemã no Rio Grande do Sul. Ambiente e Sociedade, v. 11, n. 2, p. 323-340, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/asoc/v11n2/v11n2a08.pdf. Acesso em: 2 nov. 2020.

DE VITO, Christian G. Por uma micro-história translocal (micro-spatial history). In: VENDRAME, Maíra; KARSBURG, Alexandre (org.). Micro-história: um método em transformação. São Paulo: Letra e Voz, 2020.

DRUMMOND, José Augusto. A história ambiental: temas, fontes e linhas de pesquisa. Estudos Históricos, v.4, n. 8, p. 177-197, 1991. Disponível em: http://www.nuredam.com.br/files/divulgacao/artigos/Hist%F3ria%20Ambiental%20Drumond.pdf. Acesso em: 21 set. 2020.

ESPÍNDOLA, Haruf Salmen. Sociedade, natureza e território: contribuição para a história ambiental. In: NODARI, Eunice Sueli; KLUG, João (org.). História ambiental e migrações. São Leopoldo: Oikos, 2012.

FARINATTI, Luís Augusto Ebling. Sobre as cinzas da mata virgem: lavradores nacionais na Província do Rio Grande do Sul (1845-1880). Dissertação (Mestrado em História), Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

GRENDI, Edoardo. Microanálise e história social. In: OLIVEIRA, Mônica Ribeiro de; ALMEIDA, Carla Maria Carvalho de (org.). Exercícios de micro-história. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

MACHADO, Paulo Fernando dos Santos; NOAL FILHO, Valter Antonio; MARCHIORI, José Newton Cardoso (org.). Do céu de Santa Maria. Santa Maria: D. Marin, 2008.

MÍGUEZ, Eduardo. Microhistoria, redes sociales e historia de las migraciones: ideas sugestivas y fuentes parcas. BJERG, María; OTERO, Hernán (org.). Inmigración y redes sociales en la Argentina moderna. Buenos Aires; Tandil: Instituto de Estudios Históricos Sociales; Centro de Estudios Migratorios Latinoamericanos, 1995.
NICOLOSO, Fabrício Rigo. Fazer-se elite em Santa Maria – RS: os imigrantes alemães entre estratégias políticas e sociais – 1830/1891. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2013.

PÁDUA, José Augusto. As bases teóricas da história ambiental. Estudos Avançados, 2010, v. 24, p. 81-101, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ea/v24n68/09.pdf. Acesso em: 28 set. 2020.

RELLY, Eduardo. A agricultura e floresta dos alemães no Brasil: mobilidade, conhecimentos e transfers no Urwald (século XIX). Estudos Ibero-Americanos, v. 46, n. 1, p. 1-16, 2020a. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/iberoamericana/article/view/34021. Acesso em: 12 out. 2020.

RELLY, Eduardo. As origens aldeãs das comunidades teuto-brasileiras no sul do Brasil: os commons. Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 13, n. 2, 2020b. Disponível em: http://ppghis.com/territorios&fronteiras/index.php/v03n02/article/view/1079. Acesso em: 31 mar. 2021.

TORRE, Angelo. Micro/macro: ¿local/global? El problema de la localidad en una historia espacializada. Historia Crítica, n. 69, p. 37-67, jul. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.7440/histcrit69.2018.03. Acesso em: 9 jun. 2021.

TORRE, Angelo. A produção histórica dos lugares. In: VENDRAME, Maíra; KARSBURG, Alexandre (org.). Micro-história: um método em transformação. São Paulo: Letra e Voz, 2020.

WITT, Marcos Antônio. Em busca de um lugar ao sol: estratégias políticas, imigração alemã. Rio Grande do Sul – Século XIX. 2. ed. São Leopoldo: Oikos: Editora Unisinos, 2015.

WORSTER, Donald. Para fazer história ambiental. Estudos Históricos, v. 4, n. 8, p. 198-215, 1991. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2324/1463. Acesso em: 21 set. 2020.

ZARTH, Paulo Afonso. História agrária do planalto gaúcho 1850-1920. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 1997.
Publicado
02-09-2021
Como Citar
BECKER NETO, O. ESPACIALIDADE, AMBIENTE E IMIGRAÇÃO:. Revista Espacialidades, v. 17, n. 2, p. 129-146, 2 set. 2021.