LER É PODER:

a criação das bibliotecas populares na cidade do Recife nas décadas de 1940-1960

Autores

  • Rosana Maria dos Santos Universidade Federal Rural de Pernambuco/UFRPE

DOI:

https://doi.org/10.21680/1984-817X.2022v18n1ID26135

Resumo

O artigo tem como objetivo analisar e problematizar a criação do Departamento de Documentação e Cultura e a sua importância para o desenvolvimento das políticas públicas voltadas para as construções de Bibliotecas Populares na cidade do Recife.  Em 1949, foi promulgada pelo presidente da Câmara Municipal do Recife e autorizada pelo prefeito Pelópídas Silveira a Lei n° 292, de 16 de abril, que instituía a criação de bibliotecas populares nos bairros da periferia da capital de Pernambuco. As políticas culturais e educacionais propiciadas pela efetivação da Lei impactaram as vidas daqueles que delas puderam ter acesso à leitura. Os benefícios trazidos por essas bibliotecas revelaram uma dimensão antes nunca vista no cenário cultural e educacional do Recife. As bibliotecas populares romperam com o imobilismo da Biblioteca Pública e conseguiram levar a leitura à população mais distante do centro, além disso, proporcionaram o crescimento intelectual do povo marginalizado. As implementações das políticas públicas voltadas ao acesso à educação através da cultura oportunizaram aos moradores do Recife um encontro com a própria identidade de ser humano. Esses espaços de leitura e compartilhamento de conhecimento foram uma inovação, pois proporcionaram o encontro do povo com o livro. Até o final do século XIX essas pessoas sequer poderiam usufruir dos bens públicos de uso comum do povo, como as praças, parques, cujo ingresso era limitado por grades, de sorte que apenas os privilegiados poderiam deles apropriar-se. No entanto, essa apropriação literária proporcionada ao povo foi definida e controlada pelo Estado, através das elites intelectuais do Recife.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Márcia. (org). Leitura, história e história da leitura. Campinas: Mercado de Letras, 2000.

ABRANTES, Jorge. “A Discoteca Municipal”. Contraponto. Ano II, N. 7. Recife, março de 1948, p. 24 e 25.

ARRAIS, Raimundo. Recife, culturas e Confrontos. Natal: EDUFRN, 1998.

AZEVEDO, J. M. Lins de. A educação como política pública. 3. ed. –Campinas, SP: Autores Associados, 2004.

BERSTEIN, Serge. Culturas políticas e historiografia. In: Cecília Azevedo. [et al.] (Orgs.) Cultura política, memória e historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: EDUSP, 2007.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas Híbridas : estratégias para entrar e sair da modernidade. 4.ed. São Paulo: edusp, 2003.

CÂNDIDO, Antônio. Vários escritos. 5 ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2011

CÂNDIDO, Antônio. O direito a literatura no livro Vários escritos. 3. ed. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

CHARTIER, R. Do livro à leitura. In: Práticas da leitura [sob a direção de Roger Chartier]. 4. ed. São Paulo: Estação Liberdade, 2009.

CHARLE, C. História das elites e método prosopográfico. 2006. In: HEINZ, F. M. (org.). Por outra história das elites. Rio de Janeiro : Fundação Getúlio Vargas.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. 1: artes de fazer. 20ª Ed. São Paulo: Vozes, 2013.

COSTA, Marisa Vorraber. Estudos culturais e educação – um panorama. In SILVEIRA, Rosa Maria Hessel (Org). Cultura, poder e educação: um debate sobre os estudos culturais em educação. 2ª ed. Canoas, Ed. da ULBRA: 2011.

COUCEIRO, Sylvia Costa. Artes de viver a cidade: conflitos e convivências nos espaços de diversão e prazer do Recife nos anos de 1920. Recife, tese de Doutorado em história. UFPE, 2003.

COUCEIRO, Sylvia. Entre festas, passeios e esportes: o Recife no circuito das diversões nos anos de 1920. In BARROS, Natália; REZENDE, Antônio Paulo; SILVA, Jaílson Pereira . Os Anos 1920: histórias de um tempo. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012.

CHRISPINO, Alvaro. Políticas Públicas: uma visão interdisciplinar e contextualizada. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2016.

FARGE, Arlette. O sabor do arquivo. São Paulo: Edusp, 2009.

FERRARO, A. R. História inacabada do analfabetismo no Brasil. São Paulo: Cortez, 2009.

FERREIRA, Luzilá Gonçalves. Sobre um tempo, sobre um livro. Prefácio. In: VERRI, Gilda. Templários da ausência em bibliotecas populares. Recife: ed. Universitária, 2010.

FAUSTO, Boris. A revolução de 1930. História e historiografia. 4a edição. São Paulo: Brasiliense, 1976.

GODOY, Miriam Adalgisa Bedim; POLON, Sandra Aparecida Machado. (orgs) Políticas públicas na educação. Ponta Grossa (PR): Atena Editora, 2017.

GOMES, Alfredo Macedo. Politicas públicas, discurso e educação, In: GOMES, Alfredo Macedo. (org.) Politicas públicas e gestão da educação. São Paulo: companhia das letras, 2011.

GOMINHO, Zélia de Oliveira. Cidade vermelha: a experiência democrática no pós Estado Novo Recife, 1945 -1955. Tese de doutorado em história, Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2011.

LINS, A. M. GREGO; Lira, A. P. A. A Imprensa Recifense e a luta contra os regimes de exceção no século XX. In: MARQUES DE MELO, José (org.). Síndrome da Mordaça: mídia

e censura no Brasil. 1ed.São Bernardo do Campo - SP: Metodista Editora (Universidade Metodista de São Paulo), 2007, v. 01.

MAURÍCIO, Ivan; CIRANO, Marcos; ALMEIDA, Ricardo. Arte popular e dominação: o caso de Pernambuco 1961-1977. Recife: alternativa, 1978.

MORROQUIM, Dirceu S.M. História de um navio holandês (1939): antecipações do turismo em Pernambuco. In CASTRO, Celso; GUIMARÃES, Valéria Lima; MAGALHÃES Aline Montenegro. Histórias do Turismo no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2013, p.197-209.

MORROQUIM, Dirceu S.M. História de um navio holandês (1939): antecipações do turismo em Pernambuco. In CASTRO, Celso; GUIMARÃES, Valéria Lima; MAGALHÃES Aline Montenegro. Histórias do Turismo no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2013, p.197-209.

PANDOLFI, D. C. Pernambuco de Agamenon Magalhães: consolidação e crise de uma elite política. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 1984.

PAZ, Raissa Alves Colaço. Preocupações artísticas: o caso do atelier coletivo da sociedade de Arte Moderna do Recife. Dissertação de Mestrado em história. Campinas: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), 2015.

PONTUAL, Virgínia. Uma cidade e dois prefeitos: narrativas do Recife de nas décadas de 1930 a 1950. Recife: Editora da UFPE, 2001.

PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE. O Recife: história de uma cidade. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 2000, fascículo 08, p.59.

REZENDE, Antonio Paulo de Morais. O Recife: História de uma Cidade. Recife: Fundação de Cultura da cidade do Recife, 2002.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA. Documentário do tri-centenário da restauração pernambucana 1854 -1954. Recife. Acervo da Fundação Joaquim Nabuco.

SECCHI, Leonardo. Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. São Paulo: Cengage Learnig, 2013.

SINGER, Paul . Economia política da urbanização. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1980

SOUZA, Fábio José. O movimento de cultura popular no Recife (1959 – 1964). Dissertação em história. São Paulo: programa de pós-graduação em história, Universidade de São Paulo (USP), 2014.

TEIXEIRA, Flávio Weinstein. O Movimento e a Linha: presença do Teatro de Estudantes e do gráfico amador no Recife (1946 -1964). Recife: Editora Universitária da UFPE, 2007.

VAINSENCHER, Semira Adler. Ingleses em Pernambuco. Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: http://basilio.fundaj.gov.br. >. Acesso em: 10 de junho de 2021.

SUAIDEN, Emir. A biblioteca pública no contexto da Sociedade da Informação. Brasília, Ciência da Informação, v.29, n.2, mai/ago 2000.

Downloads

Publicado

14-04-2022

Como Citar

MARIA DOS SANTOS, R. LER É PODER: : a criação das bibliotecas populares na cidade do Recife nas décadas de 1940-1960. Revista Espacialidades, [S. l.], v. 18, n. 1, p. 160–179, 2022. DOI: 10.21680/1984-817X.2022v18n1ID26135. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26135. Acesso em: 26 nov. 2022.