Registro e visualização da pandemia no Brasil

relato e autorreflexão sobre a produção de uma linha do tempo sobre a Covid-19 no país

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2447-0198.2022v6n0ID27317

Palavras-chave:

Timeline Covid-19, Covid-19, Infodemia, Visualização, Ferramentas Digitais

Resumo

Este artigo relata o processo de elaboração e implementação de uma visualização de linha do tempo de registros informacionais sobre a pandemia do novo coronavírus no Brasil, a Timeline Covid-19. Com o objetivo de preservar registros informacionais na forma de notícias veiculados por meios de comunicação e jornalísticos na internet, e tornar mais acessível à recuperação da informação, intentamos contribuir para a salvaguarda da memória sobre a Covid-19 no âmbito brasileiro e sua respectiva memória jornalística. O método empregado trata de uma coleta manual de cobertura diária das notícias e cuja curadoria buscou atentar tanto para a diversidade e proveniência da informação, como para sua veracidade. A produção de dados seguiu-se pelo lançamento deles em uma planilha que possibilitou a sua visualização cronológica e a recuperação do seu conteúdo. Até a data do aceite deste artigo, pouco mais de quatro mil notícias já se encontram referenciadas na planilha, cuja sustentação foi realizada pelos membros do Laboratório em Rede de Humanidades Digitais (Larhud). Atendendo alguns princípios da metodologia da “pesquisa-ação”, prática comumente utilizada em diversos projetos do Larhud, segue-se também uma análise exploratória prévia do conteúdo da timeline com auxílio da ferramenta de análise semântica IRaMuTeQ. Seguindo aspectos conceituais da Ciência da Informação aplicados aos campos da Visualização e das Humanidades Digitais, concluímos este relato de pesquisa com a indicação de um aprimoramento computacional a ser empregado nos parâmetros do processo de coleta e com o reconhecimento da relevância da Timeline Covid-19 para a produção do conhecimento científico de base humanista e informacional sobre a pandemia do novo coronavírus.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tainá Regly, IBICT/UFRJ

Doutoranda em Ciência da Informação no Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação do IBICT/UFRJ e Mestre pelo mesmo programa (2021). Graduada em Biblioteconomia e Documentação pela UFF (2018). Atualmente é Assistente de Pesquisa no Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e, dentre outros, atua nos grupos de pesquisa BRIET - Biblioteconomia, Representação, Interoperabilidade, E-science e Tecnologia e LEI - Laboratório de Ecossistemas Informacionais. Tem interesse nas áreas de Visualização de dados, Representação e Organização da informação e do conhecimento, Design UX, Arquitetura da Informação e Dados de Pesquisa.

Priscila Ramos Carvalho, IBICT/UFRJ

Doutoranda em Ciência da Informação do PPGCI no IBICT/ECO - UFRJ (desde 2020). Mestre em Ciência da Informação pelo PPGCI IBICT/ECO - UFRJ (2020). Especialista em Gestão Empresarial pela FGV/RJ (2008) e em Marketing pela ESPM/SP (2004). Graduada em Sistema de Informação pela UNESA/RJ (2019) e em Comunicação Social pela UCSAL/BA (2003). Membro do LARHUD (Laboratório em Rede de Humanidades Digitais), e dos grupos de pesquisa Perfil-i (Perspectivas Filosóficas em Informação) e Informação, Memória e Sociedade. Pesquisa atual: efeitos de algoritmos e big data sobre novos modelos de configuração de capital (capitalismo de plataforma) e regime de informação; governança e política digital; gestão de dados (FAIR) e acesso à informação; e práticas de Ciência Aberta nas Humanidades Digitais.

Ricardo Medeiros Pimenta, IBICT

É pesquisador 2 do CNPq (bolsa de produtividade) e Jovem Cientista do Nosso Estado FAPERJ (2018 - 2020). Pesquisador Titular do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC). Professor Permanente do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação (PPGCI/IBICT-UFRJ). Historiador graduado (2003) pela Universidade Gama Filho - UGF com pós-graduação em História do Brasil (2005) pela Universidade Cândido Mendes - UCAM. Possui mestrado em Memória Social e Documento (2006) pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO, e doutorado em Memória Social (2010) pela mesma instituição, com estágio doutoral (2007 - 2008) na École des Hautes Études en Sciences Sociales - EHESS de Paris. É líder do Grupo de Pesquisa Memória e Sociedade da Informação (http://www.meso.ibict.br), registrado no diretório do CNPq e coordenador do Laboratório em Rede de Humanidades Digitais do IBICT (Larhud/COEPE/IBICT). Atualmente é Editor Associado (América Latina e África) da  International Journal of Humanities and Arts Computing (IJHAC, antiga History and Computing). É também coordenador da rede GoFAIR Humanidades.

Referências

ALLCOTT, H.; GENTZKOW, M. Social media and fake news in the 2016 election. Journal of Economic Perspectives, v. 31, n. 2, p. 211-36, 2017. DOI: https://doi.org/10.1257/jep.31.2.211. Disponível em: https://www.aeaweb.org/articles?id=10.1257/jep.31.2.211. Acesso em: 26 jan. 2022.

ALVES, D. As Humanidades Digitais como uma comunidade de práticas dentro do formalismo académico: dos exemplos internacionais ao caso português. Ler História [Online], v. 69, 2016. DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.2496. Disponível em: https://journals.openedition.org/lerhistoria/2496. Acesso em: 9 fev. 2022.

BERRY, D. M. The Computational Turn: Thinking About the Digital Humanities. Culture Machine, v. 12, 2011. DOI: https://doi.org/10.2337/DB11-0751. Disponível em: https://www.semanticscholar.org/paper/The-Computational-Turn%3A-Thinking-About-the-Digital-Berry/7f61f59bddbfaacdcb4078acbb52d539bf2a0cbe. Acesso em: 26 jan. 2022.

BOUNEGRU, L. et al. A field guide to “Fake News” and other information disorders. Public Data Lab, 2018. DOI: https://doi.org/10.5281/zenodo.1136271. Disponível em: https://zenodo.org/record/1136272. Acesso em: 26 jan. 2022.

BUCKLAND, M. K. Information as thing. Journal of the American Society for information science, v. 42, n. 5, p. 351-360, 1991.

CAMARGO, B. V.; JUSTO, A. M. IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em psicologia, v. 21, n. 2, p. 513-518, dez. 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.9788/TP2013.2-16. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=513751532016. Acesso em: 28 jan. 2022.

CUNHA, M. B. Os impactos da Covid-19 nas áreas da Ciência da Informação. Revista Ibero-Americana de Ciência da Informação, Brasília, v. 13, n. 3, p. 756–759, set./dez. 2020. DOI: https://doi.org/10.26512/rici.v13.n3.2020.33373. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/RICI/article/view/33373. Acesso em: 1 set. 2021.

DIAMOND, S. Lenticular galaxies: The polyvalent aesthetics of data visualization. CTheory, 2010. Disponível em: https://journals.uvic.ca/index.php/ctheory/article/view/14687. Acesso em: 14 mar. 2022.

FIDALGO, A. Sintaxe e semântica das notícias online: para um jornalismo assente em base de dados. In: FIDALGO, A.; SERRA, P. (org.). Informação e Comunicação Online: Jornalismo Online. Covilhã, Portugal: Universidade da Beira Interior, Livros Labcom, 2003, v.1. Disponível em: https://labcom.ubi.pt/livro/79. Acesso em: 2 fev. 2022.

FLAMENT, C. L´Analyse de similitude: une technique pour les recherches sur les représentations sociales. Cahiers de psychologie cognitive, Marseille, n. 4, p. 357-396, 1981.

GALHARDI, C. P. et al. Fato ou Fake? Uma análise da desinformação frente à pandemia da Covid-19 no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva [online]. v. 25, supl. 2, p. 4201-4210, out. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320202510.2.28922020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/XnfpYRR45Z4nXskC3PTnp8z/?lang=pt. Acesso em: 26 jan. 2022.

GREEN, H. E. Facilitating Communities of Practice in Digital Humanities: Librarian Collaborations for Research and Training in Text Encoding. The Library Quarterly. v. 84, n. 2, p. 219–234, 2014. DOI: https://doi.org/10.1086/675332. Disponível em: https://www.journals.uchicago.edu/doi/10.1086/675332. Acesso em: 9 fev. 2022.

HJØRLAND, B. Domain analysis in information science: eleven approaches–traditional as well as innovative. Journal of documentation, v. 58, n.4, p. 447-448, 2002. DOI: https://doi.org/10.1108/00220410210431136. Disponível em: https://www.emerald.com/insight/content/doi/10.1108/00220410210431136/full/html

Acesso em 14 mar. 2022.

KOSCIEJEW, M. A conceptual framework for understanding information. Information Management. Overland Park, v. 51, n.5, [set./out.] 2017. Disponível em: https://search.proquest.com/scholarly-journals/conceptual-framework-understanding-information/docview/1944516768/se-2?accountid=201395. Acesso em: 28 abr. 2021.

KNIGHT LAB. About us, 2017. Disponível em: https://knightlab.northwestern.edu/about/. Acesso em: 7 abr. 2021.

MANOVICH, L. What is visualisation? Visual Studies, v. 26, n. 1, p. 36-49, 2011.

MORETZSOHN, S. A velocidade como fetiche: o discurso jornalístico na era do “tempo real''. [Dissertação de mestrado] Rio de Janeiro, UFF: 2000. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/moretzsohn-sylviavelocidade-jornalismo-3.html. Acesso em: 9 fev. 2022.

MUNICH Security Conference. World Health Organization, 2020. Disponível em: https://www.who.int/director-general/speeches/detail/munich-security-conference. Acesso em: 6 fev. 2021.

NEGROPONTE, N. A vida digital. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

OPAS. Entenda a infodemia e a desinformação na luta contra a Covid-19. 2020. Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/52054/Factsheet-Infodemic_por.pdf. Acesso em: 5 fev. 2021.

PALÁCIOS, M. Jornalismo online, informação e memória: apontamentos para debate. In: FIDALGO, J. A.; SERRA, P. (org.). Informação e Comunicação Online: Jornalismo Online. Covilhã, Portugal: Universidade da Beira Interior, Livros Labcom, 2003, v.1. Disponível em: https://labcom.ubi.pt/livro/79. Acesso em: 2 fev. 2022.

PIMENTA, R. M. Cultura da visibilidade informacional: estética e política da técnica no regime global de informação. In: BEZERRA, A. C et al. iKritika: estudos críticos em informação. Rio de Janeiro: Garamond, 2019. Disponível em: https://www.garamond.com.br/wp-content/uploads/2020/06/iKr%C3%ADtika_Livro.pdf?thwepof_product_fields=. Acesso em: 13 mar. 2022.

SIEMENS, R. Communities of practice, the methodological commons, and digital self-determination in the Humanities. Digital Studies / Le champ numérique. v. 5, n. 3, 2016. DOI: https://doi.org/10.16995/dscn.31. Disponível em: https://www.digitalstudies.org/article/id/7291/. Acesso em: 9 fev. 2022

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022005000300009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/3DkbXnqBQqyq5bV4TCL9NSH/?lang=pt. Acesso em: 1 set. 2021.

YAMAGUCHI, J. K. Diretrizes para a escolha de técnicas de visualização aplicadas no processo de extração do conhecimento. 2010. 181 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação) - Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2010. Disponível em: http://www.din.uem.br/~mestrado/diss/2010/yamaguchi.pdf. Acesso em: 13 mar. 2022.

ZATTAR, M. Competência em Informação e Desinfodemia no contexto da pandemia de Covid-19. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 1-13, dez. 2020. DOI: https://doi.org/10.18617/liinc.v16i2.5391. Disponível em: http://revista.ibict.br/liinc/article/view/5391. Acesso em: 14 mar. 2022.

Downloads

Publicado

22-03-2022

Como Citar

REGLY, T.; CARVALHO, P. R.; PIMENTA, R. M. Registro e visualização da pandemia no Brasil: relato e autorreflexão sobre a produção de uma linha do tempo sobre a Covid-19 no país. Revista Informação na Sociedade Contemporânea, [S. l.], v. 6, n. 1, p. e27317, 2022. DOI: 10.21680/2447-0198.2022v6n0ID27317. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/informacao/article/view/27317. Acesso em: 17 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos