O COVID -19 NO TERRITÓRIO DAS MULHERES PREFEITAS

Resumo


Este artigo objetiva discutir sobre a incidência do novo coronavírus na gestão das mulheres prefeitas do Nordeste do Brasil, na pespectiva  de traçar um panomara sobre como a pandemia se apresenta nestas gestões. Trabalhos de Brollo & Troiano (2012) e Grossi & Miguel (2001);  apontam para o desempenho das mulheres enquanto gestoras, principalmente na área da saúde pública, o que nos faz questionar: As gestoras municipais brasileiras conseguiram, em suas estratégias, diminuir o número de contágio e morte? Neste sentido, buscamos introduzir uma discussão a respeito das mulheres em cargos públicos (CARVALHO & YASUDA, 2017, DAHLERUP&FREINDEVALL, 2010; PRÁ, 2013; VIOTTI, 1995) e, a partir disso (1) Mapear o panorama nordestino, destacando onde há incidência de casos em gestão de prefeitas; (2) Identificar estados com maior predomínio no número de casos com óbitos nos municípios gestados por mulheres (3) Destacar o município onde ocorre a maior incidência do Covid-19. Trata-se de uma pesquisa exploratória e quantitativa, cujas metodologias para a produção foram: dados do Covid-19 retirados dos boletins diários do Ministério da Saúde, casos confirmados e mortes nos municípios nordestinos até 17 de Maio, avaliando dois meses depois do primeiro óbito. Com a tabulação e cruzamento de dados, podemos visualizar que a incidência de casos e mortes no recorte proposto são relativamente baixos. A pesquisa se justifica visando compreender fenômenos que são particulares e que geram impactos sociais, assim como defender a inclusão de mais mulheres em cargos de chefia na política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cyntia Brasileiro, UERN

Professora do curso de Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN. Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande (2017). Mestre em Ciências Sociais (2012) pela mesma instituição vinculada à linha de pesquisa Cultura e Identidades. Licenciada (2011) e Bacharel (2009) em Ciências Sociais com área de concentração em Antropologia e ênfase nos estudos de Antropologia da Política e Comportamento Eleitoral. Foi bolsista do Programa de Educação Tutorial em Antropologia (PET - Antropologia) e bolsista CAPES. Tem interesse nas área de Comportamento Eleitoral, Eleições, Gênero e Política.

Terezinha Albuquerque, UERN

Professora efetiva da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, lotada no departamento Ciências Sociais e Política. Doutora pela Universidade Federal de Pernambuco no Programa de Pós-Graduação em Ciência Política.Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Possui bacharelado em Ciências Sociais(2007) optando pela Sociologia e Ciências Políticas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Esta vinculada ao projeto Observatório das Metrópoles.Tem experiência na área de Desenvolvimento Regional, com ênfase em Estado e Políticas Públicas, atuando principalmente no seguinte tema: Gestão Pública, Políticas Públicas, Métodos Quantitativos,Participação e Cultura Política

José Silvan Borborema, UERJ

Graduado em Geografia pela Universidade Estadual da Paraíba (2009). Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (2012). Doutor em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, com período sanduiche na Università degli Studi di Roma "Tor Vergata". Tem experiência na área de Geografia, atuando em pesquisas ligadas à Geografia Agrária, principalmente nos temas relacionados a espaços periurbanos, relação cidade/campo, rural/urbana e relações agrárias.

Publicado
02-09-2020
Como Citar
BRASILEIRO, C.; ALBUQUERQUE, T.; BORBOREMA, J. S. O COVID -19 NO TERRITÓRIO DAS MULHERES PREFEITAS. Revista Inter-Legere, v. 3, n. 28, p. c21196, 2 set. 2020.
Seção
DOSSIÊ A PANDEMIA DE COVID-19 NA VIDA DE MULHERES