O nomadismo como função estética nos contos de Lima Barreto

Palavras-chave: Conto, Estética, Lima Barreto, Nomadismo

Resumo


O estudo crítico sobre o conjunto da obra de Lima Barreto tem se posicionado, desde Francisco de Assis Barbosa, na década de 1950, passando por estudiosos como Sevcenko (1985), Resende (2004) e, mais recentemente, Schwarcz (2017), na perspectiva de escrita engajada socialmente, em especial com questões ideológica e racial. O objetivo deste trabalho é analisar a produção barretiana sob o viés nômade, o que explicaria a aproximação e a repulsa, em sua obra, a diversos nichos sociais – como o negro, o suburbano, a academia, etc.. Esses paradoxos não conseguem ser explicados pela crítica cultural, pois inserem autor e obra numa redoma ideológica em que os aspectos estéticos do texto não são observados. Nesse sentido, este artigo define e analisa recursos estéticos nos contos de Lima Barreto como primeiro passo de investigação, em seguida, procede-se à análise semântica e contextual e, por fim, à explicação do material em estudo à luz do nomadismo de Flusser (2007). É possível inferir que os elementos estéticos analisados aqui sugerem deslocamentos de valores e assunção de outros – esse gesto nômade cumpre uma função: a arte como elemento de comunhão entre os homens, pois ao se desprender de valores considerados eternos, como, por exemplo, identidade e classe social, eliminam-se também os preconceitos. Nesse sentido, sua escrita é fluida, não se fixando – cultural ou socialmente – em um ponto específico, transita entre estes, como um nômade que precisa cortar os laços com o sectarismo ideológico e manter a distância dos agrupamentos sociais para melhor observar seus paradoxos, pois o que está em jogo não é uma bandeira social, e sim uma defesa estética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Humberlan Arruda de Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutorando em Estudos da Linguagem, área Literatura Comparada, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Atualmente é professor do Instituto Federal do Maranhão - IFMA. 

Kátia Aily Franco de Camargo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutorado em Letras (Língua e Literatura Francesa) pela Universidade de São Paulo (2005). Pós-doutorado em Ciência da Literatura pela UFRJ e pela Université de Saint-Quentin de Yvelines (2012). Atualmente é professora associada da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Publicado
07-08-2019
Como Citar
HUMBERLAN ARRUDA DE OLIVEIRA, F.; AILY FRANCO DE CAMARGO, K. O nomadismo como função estética nos contos de Lima Barreto. Revista Odisseia, v. 4, n. 2, p. p. 16 - 33, 7 ago. 2019.
Seção
Artigos