A dinâmica cognitiva do pensamento indexical

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1983-2109.2022v29n59ID29537

Palavras-chave:

Dinâmica cognitiva, Arquivos mentais, Retenção de crenças, Indexicais, Transparência

Resumo

A questão central da dinâmica cognitiva é explicar como retemos e re-expressamos as crenças que anteriormente expressamos por meio de expressões indexicais. Minha tese é a de que a única maneira de reter uma crença indexical é convertendo-a em uma crença mnemônica, isto é, baseada na memória. Minha visão diverge de outras recentemente avançadas na medida em que negamos a mera possibilidade de re-expressar uma crença por meio de uma expressão indexical. Uma vez que uma crença indexical é expressa, ela só pode ser pensada e expressa novamente através de um demonstrativo de memória. Sua retenção, portanto, pressupõe que seja despida de sua indexicalidade. Motivarei o problema da dinâmica cognitiva a partir dos influentes comentários de Frege em “O Pensamento”, partindo daí a revisar algumas teses fundamentais sobre a crença e como elas parecem conflitar quando pensamos em casos de sujeitos que perdem a noção do tempo ou espaço. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRANQUINHO, J. 1998. The problem of cognitive dynamics. Grazer Philosophische Studien 56:2-15.

BRANQUINHO, J. 2008. On the persistence and re-expression of indexical belief. Manuscrito 31(2):573-600.

BOGHOSSIAN, PA The transparency of mental content. Philosophical perspectives, pages 33–50, 1994.

BOZICKOVIC, V. 2015. Belief Retention: A Fregean Account. Erkenntnis 80 (3):477-486.

CAPPELEN, H. and DEVER, J. 2013. The Inessential Indexical: On the Philosophical Insignificance of Perspective and the First Person. Oxford University Press, Oxford.

EVANS, G. 1981. Understanding demonstratives. In Herman Parret (ed.), Meaning and Understanding. Clarendon Press 280--304.

FREGE, G. & BEANEY, M. (eds.) 1997. The Frege Reader. Blackwell Publishers.

GARCÍA-CARPINTERO, M. & TORRE, S. (eds.) (2016). About Oneself: De Se Thought and Communication. Oxford University Press.

KAPLAN, D. 1989. Demonstratives: An Essay on the Semantics, Logic, Metaphysics and Epistemology of Demonstratives and other Indexicals. In Joseph Almog, John Perry & Howard Wettstein (eds.), Themes From Kaplan. Oxford University Press. pp. 481-563.

KINDERMANN, D. 2019. Coordinating perspectives: De se and taste attitudes in communication. Inquiry: An Interdisciplinary Journal of Philosophy 62 (8):912-955.

NINAN, D. 2015. On Recanati's Mental Files. Inquiry: An Interdisciplinary Journal of Philosophy 58 (4):368-377.

NINAN, D. 2016.What is the problem of de se attitudes? In M. GarcÍa-Carpintero and S. Torre, editors, About Oneself: De Se Attitudes and Communication. Oxford University Press, Oxford.

PERRY, J. 1979. The Problem of the Essential Indexical. Noûs 13: 3-21.

PERRY, J. 1996. Rip Van winkle and other characters. European Review of Philosophy 2:13-39.

RECANATI, F. 2012. Mental Files. Oxford University Press.

RECANATI, F. 2016. Mental Files in Flux. Oxford University Press.

SHOEMAKER, S. 1970. Persons and Their Pasts. American Philosophical Quarterly 7: 269-85.

Downloads

Publicado

04-08-2022

Como Citar

VALENTE, M. A dinâmica cognitiva do pensamento indexical. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), [S. l.], v. 29, n. 59, p. 130–151, 2022. DOI: 10.21680/1983-2109.2022v29n59ID29537. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/principios/article/view/29537. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Dossiê 130 anos do artigo de Frege ‘Über Sinn und Bedeutung’