VIOLÊNCIA NA POPULAÇÃO INFANTIL: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ABUSOS VERIFICADOS NO AMBIENTE ESCOLAR

  • Cléa Adas Saliba Garbin Faculdade de Odontologia de Araçatuba - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
  • Paula Caetano Araújo Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Uberlândia
  • Tânia Adas Saliba Rovida Faculdade de Odontologia de Araçatuba - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
  • Ana Carolina Rocha Faculdade de Odontologia de Araçatuba - Universidade Estadual Paulista"Júlio de Mesquita Filho"
  • Renato Moreira Arcieri Faculdade de Odontologia de Araçatuba - Universidade Estadual Paulista"Júlio de Mesquita Filho"
  • Artênio José Ísper Garbin Faculdade de Odontologia de Araçatuba - Universidade Estadual Paulista"Júlio de Mesquita Filho"
Palavras-chave: maus-tratos infantis, violência, pré-escolar, educação infantil

Resumo


Introdução: A violência infantil é caracterizada como uma mazela de saúde pública, uma vez que a violação aos direitos humanos é inegável, alcançando ainda todos os estratos de uma sociedade. Logo, qualquer profissional que tenha contato com crianças, deve notificar casos suspeitos e/ou identificados. Dentre estes profissionais, destaca-se o importante papel do educador de ensino infantil. Objetivo: Desta forma, este estudo transversal objetivou verificar o perfil dos casos suspeitos e/ou confirmados de violência contra a criança em Escolas Municipais de Ensino Básico (EMEBS) do município de Araçatuba / SP, com o auxílio da equipe pedagógica. Métodos: As escolas foram selecionadas por sorteio e o instrumento de análise utilizado foi um relatório sobre suspeita e/ou confirmação de abusos, desenvolvido pelo Núcleo de Pesquisa em Saúde Coletiva da FOA Unesp. Resultados: Do total de 879 crianças, 272 menores foram identificados como vítimas de violência, 51,1% eram do sexo masculino e 48,9% do sexo feminino. Os pais e/ou responsáveis foram apontados como os principais agressores (58,4%), sendo que não houve distinção entre pai e mãe. Na descrição dos abusos, os casos mais verificados foram: piolho (35,2%), agressividade no comportamento infantil (15,8%), roupas inadequadas (15,4%) e cárie (11%). Sendo assim, observa-se que a negligência foi o tipo de violência mais prevalente (92,6%). Dos casos identificados, 76,4% apresentaram recidivas (76,4%). Conclusões: Portanto, ainda são elevados os índices de violência contra criança identificados em escolas de ensino infantil. Sugere-se assim melhor direcionamento das políticas públicas voltadas ao enfrentamento da violência, a fim de que se possa proteger os menores na melhor fase da vida, a infância.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  • Rodrigues JL, Lima AP, Nagata JY, Rigo L, Cericato GO, Franco A, Paranhos LR. Domestic violence against children detected and managed in the routine of dentistry: a systematic review. J Forensic Leg Med. 2016 Jul 13;43:34-41.

  • Paiva RLS, Zamora MHRN, Vilhena JD, Silva SGD. Violência, delinquência e tendência antissocial. Sobre a experiência de um atendimento a crianças vítimas da violência em uma favela do Rio de Janeiro. Estud Pesqui Psicol. 2015;15(3):891-915.

  • Nunes AJ, Sales MCV. Violência contra crianças no cenário brasileiro. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(3):871-80.

  • Martins CBG, Andrade SM. Epidemiologia dos acidentes e violências entre menores de 15 anos em município da região sul do Brasil. Rev Latino-Am Enfermagem. 2005;13(4):530-7.

  • Assaad R, Friedemann-Sánchez G, Levison D. Impact of domestic violence on children’s education in Colombia methodological challenges. Violence Against Women. 2016. In press. DOI: 10.1177/1077801216661036.


  • Azevedo MA, Guerra UNA. Infância e violência doméstica: módulo 2. São Paulo: Laboratório de Estudo da Criança; 2002.

  • Brasil. Ministério da Saúde. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violência: orientações para gestores e profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

  • Ferriani MGC, Bertolucci AP, Silva MAI. Assistência em saúde as crianças e adolescentes abrigados em Ribeirão Preto, SP. Rev Bras Enferm. 2008;61(3):342-8.

  • Paixao ACW, Deslandes SF. Análise das políticas públicas de enfrentamento da violência sexual infantojuvenil. Saúde Soc. 2010;19(1):114-26.

  • Devries KM, Naker D, Monteath-van Dok A, Milligan C, Shirley A. Collecting data on violence against children and young people: need for a universal standard. Int Health. 2016 May;8(3):159-61.

  • Hutz C. Situações de risco e vulnerabilidade na infância e na adolescência: aspectos teóricos e estratégias de intervenção. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2002.

  • Brasil. Estatuto da Criança e do Adolescente: lei nº 8069 de 13 de julho de 1990. São Paulo: Forja; 1991.

  • Vagostello L. Levantamento de fontes de denúncias na Vara de Infância e Juventude do Foro Regional de Itaquera. São Paulo: mimeo; 2001.

  • Goncalves HS, Ferreira AL. A notificação da violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes por profissionais de saúde. Cad Saúde Pública. 2002;18(1):315-9.

  • Vieira MJG, Rezende LS, Conceição EBO. A violência na escola: um debate necessário na formação de professores. In: Anais do 9º Encontro Internacional de Formação de Professores; 10º Fórum Permanente de Inovação Educacional, 2016 [cited 2015 Jul 9]. Available from: https://eventos.set.edu.br/index.php/enfope/article/view/2591.

  • Yin RK. Case study research: design and methods. Los Angeles: SAGE; 1989.

  • Krug EG, Dahlberg LL, Mercy JA, Zwi AB, Lozano R. Violence: a global public health problem. In: Krug EG, Dahlberg LL, Mercy JA, Zwi AB, Lozano R, editors. World report on violence and health. Genebra: WHO; 2002. p. 3-21.

  • Garbin CAS, Lima TJV, Garbin AJI, Rovida TAS, Saliba O. Conhecimento e percepção dos educadores do ensino infantil sobre violência. Rev Ciênc Plural. 2015;1(2):37-47.

  • Ristum M. As marcas da violência doméstica e a identificação por professores do ensino fundamental. Rev Bras Psicol. 2014; 1(1):13-26.

  • Brito AMM, Zanetta DMT, Mendonça RDCV, Barison SZ, Andrade VA. Violência doméstica contra crianças e adolescentes: estudo de um programa de intervenção. Ciênc Saúde Coletiva. 2005;10(1):143-9.

  • Mascarenhas MDM, Malta DC, Silva MMA, Lima CM, Carvalho MGO, Oliveira VLA. Violência contra a criança: revelando o perfil dos atendimentos em serviços de emergência, Brasil, 2006 e 2007. Cad Saúde Publica. 2010;26(2):347-57.

  • Barros ASD, Freitas MFQ. Violência doméstica contra crianças e adolescentes: consequências e estratégias de prevenção com pais agressores. Pensando Fam. 2015;19(2):102-14.

  • Martins CBG, Jorge MHPM. A violência contra crianças e adolescentes: características epidemiológicas dos casos notificados aos Conselhos Tutelares e programas de atendimento em município do Sul do Brasil, 2002 e 2006. Epidemiol Serv Saúde. 2009;18(4):315-34.

  • Silva LS, Mendonça KML. A violência escolar em matérias de jornal: um imaginário construído em Belém-PA. Comun Educ. 2015;20(1):39-49.

Publicado
27-12-2016
Como Citar
ADAS SALIBA GARBIN, C.; CAETANO ARAÚJO, P.; ADAS SALIBA ROVIDA, T.; ROCHA, A. C.; MOREIRA ARCIERI, R.; ÍSPER GARBIN, A. J. VIOLÊNCIA NA POPULAÇÃO INFANTIL: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ABUSOS VERIFICADOS NO AMBIENTE ESCOLAR. Revista Ciência Plural, v. 2, n. 2, p. 41-54, 27 dez. 2016.
Seção
Artigos