INDICADORES DE QUALIDADE NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE NO BRASIL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

  • Juliana Mota Ferreira Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN
  • Pamela Kulbok University of Virginia - UVA
  • Carlos Antonio Bruno da Silva Universidade de Fortaleza-UNIFOR
  • Fábia Barbosa de Andrade Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN
  • Iris do Céu Clara Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN
Palavras-chave: Atenção primária à saúde, qualidade da assistência à saúde, indicadores de qualidade, diabetes mellitus, hipertensão

Resumo


Objetivo: Apresentar a síntese dos indicadores de qualidade relacionados a resultados, com foco nas condições de saúde na atenção primária, presentes na literatura internacional e, a partir destes, descrever as intervenções ou estratégias utilizadas no Brasil para alcançar melhores resultados em saúde nos últimos anos. Métodos: Estudo de revisão integrativa dividido em duas etapas. Primeiro, foi realizada revisão da literatura, buscando identificar quais os indicadores relacionados a resultados utilizados para qualificar a atenção primária, sendo selecionados 6 estudos. Na segunda etapa, realizou-se revisão sistemática nas bases de dados MEDLINE, LILACS e CINAHL, na busca de artigos publicados no período de 2011 a 2017 que descrevessem intervenções realizadas no Brasil. Foram selecionados 25 artigos. Resultados: Compilou-se 18 domínios de indicadores de qualidade para atenção primária. Destes, 4 foram selecionados para a etapa posterior: diabetes mellitus, hipertensão arterial, imunização e/ou vacinação, e tabagismo e/ou alcoolismo. As intervenções ou estratégias estudadas foram, em sua maioria, direcionadas para promoção da saúde e prevenção de agravos, e mostraram resultados positivos de forma geral, utilizando educação em saúde, orientação farmacêutica e nutricional, recursos tecnológicos, entre outros. Conclusão: Os resultados apresentados fornecem suporte adicional para o monitoramento da qualidade da atenção primária no Brasil, ressaltando quais indicadores são internacionalmente reconhecidos com essenciais para melhoria da prestação do cuidado em saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

  • Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO; Ministério da Saúde; 2002.

  • Shi L. The Impact of Primary Care: A Focused Review. Scientifica. 2012; 2012.

  • Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). PNASS – Programa Nacional de Avaliação de Serviços de Saúde: resultado do processo avaliativo 2004-2006. Brasília: Anvisa; 2007.

  • Campos, CEA. Estratégias de avaliação e melhoria contínua da qualidade no contexto da Atenção Primária à Saúde. Rev. bras. saúde matern. infant. 2005; 5(supl. 1): s63-s69.

  • Marshall M, Klazinga N, Leatherman S, Hardy C, Bergmann E, Pisco L et al. OECD Health Care Quality Indicator Project. The expert panel on primary care prevention and health promotion. International Journal for Quality in Health Care. 2006; 18(suppl 1): 21-25. http://dx.doi.org/10.1093/intqhc/mzl021

  • Canadian Institute for Health Information (CIHI). Pan-Canadian Primary Health Care Indicators Update Report. 2012. Disponível em: <https://secure.cihi.ca/free_products/ Pan-canadian_PHC_Indicator_Update_Report_en_web.pdf>. Acesso em: 10 mar 2016.

  • Wessell AM, Liszka HA, Nietert PJ, Jenkins RG, Nemeth LS, Ornstein S. Achievable benchmarks of care for primary care quality indicators in a practice-based research network. Am J Med Qual. 2008; 23(1): 39-46. http://dx.doi.org/10.1177/ 1062860607310774.

  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ): manual instrutivo. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

  • Gribben B, Coster G, Pringle M, Simon J. Quality of care indicators for population-based primary care in New Zealand. N Z Med J. 2002; 115: 163-5.

  • Torres HC, Roque C, Nunes C. Visita domiciliar: estratégia educativa para o autocuidado de clientes diabéticos na atenção básica. Rev enferm UERJ. 2011; 19(1): 89-93.

  • Chagas IAD, Camilo J, Santos MAD, Rodrigues FFL, Arrelias CCA, Teixeira CRDS et al. Patients' knowledge of Diabetes five years after the end of an educational program. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47(5): 1137-42. http://dx.doi.org/10.1590 /S0080-623420130000500018.

  • Faria HTG, Veras VS, Xavier ATDF, Teixeira CRDS, Zanetti ML, Santos MAD. Quality of life in patients with diabetes mellitus before and after their participation in an educational program. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47(2): 348-54. http://dx.doi.org/ 10.1590/S0080-62342013000200011

  • Torres HC, Reis IA, Roque C, Faria P. Monitoramento telefônico como estratégia educativa para o autocuidado das pessoas com diabetes na Atenção Primária. Cienc enferm. 2013; 19(1): 95-105. http://dx.doi.org/10.4067/S0717-95532013000100009

  • Mourão AOM, Ferreira WR, Martins MAP, Reis AMM, Carrillo MRG, Guimaraes AG et al. Pharmaceutical care program for type 2 diabetes patients in Brazil: a randomised controlled trial. Int J Clin Pharm. 2013; 35(1): 79-86. http://dx.doi.org/ 10.1007/s11096-012-9710-7

  • Moura IH, Silva AN, Anjos JS, Castro THU, Almeida PC, Silva ARV. Educational strategies with adolescents at risk from diabetes type 2: comparative study. Online braz j nurs. 2015; 14 (1): 25-31. Acesso em: 15 jan 2016. Disponível em: http://www.objnursing.uff.br/index.php/ nursing/article/view/ 4585.

  • Grillo MF, Neumann CR, Scain SF, Rozeno RF, Beloli L, Perinetto T et al. Diabetes education in primary care: a randomized clinical trial. Cad Saude Publica. 2016; 32(5). http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00097115.

  • Fernandes BS, Reis IA, Torres HC. Evaluation of the telephone intervention in the promotion of diabetes self-care: a randomized clinical trial. Rev Lat Am Enfermagem. 2016; 24:e2719. http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.0632.2719.

  • Diehl LA, Souza RM, Gordan PA, Esteves RZ, Coelho IC. InsuOnline, an Electronic Game for Medical Education on Insulin Therapy: A Randomized Controlled Trial with Primary Care Physicians. J Med Internet Res. 2017; 19(3):e72. http://dx.doi.org/ 10.2196/jmir.6944.

  • Nascimento TMV, Resnicow K, Nery M, Brentani A, Kaselitz E, Agrawal P et al. A pilot study of a Community Health Agent-led type 2 diabetes self-management program using Motivational Interviewing-based approaches in a public primary care center in São Paulo, Brazil. BMC Health Serv Res. 2017; 17(1):32. http://dx.doi.org/ 10.1186/s12913-016-1968-3.

  • Ribeiro AG, Ribeiro SM, Dias CM, Ribeiro AQ, Castro FA, Suárez-Varela MM et al. Non-pharmacological treatment of hypertension in primary health care: A comparative clinical trial of two education strategies in health and nutrition. BMC Public Health. 2011; 11(1): 637. http://dx.doi.org/10.1186/1471-2458-11-637.

  • Nascimento ES, Branco MPFC, Moreira AKF, Hazime FA. Os efeitos do Lian Gong em hipertensos assistidos em unidade de saúde da família do município de Parnaíba, Piauí. Rev. bras. promoç. saúde. 2012; 25(4): 435-444.

  • Lima STRM, Souza BDSN, França AKT, Salgado Filho N, Sichieri R. Dietary approach to hypertension based on low glycaemic index and principles of DASH (Dietary Approaches to Stop Hypertension): a randomised trial in a primary care service.Br J Nutr.2013;110(8):1472-9. http://dx.doi.org/10.1017/S0007114513000718.

  • Santos MVRD, Oliveira DC, Novaes MA. A telehealth strategy for increasing adherence in the treatment of hypertension in primary care. Telemed e health. 2013; 19(4): 241-7. http://dx.doi.org/10.1089/tmj.2012.0036.

  • Martins BPR, Aquino ATD, Provin MP, Lima DM, Dewulf NDLS, Amaral RG. Pharmaceutical care for hypertensive patients provided within the family health strategy in Goiânia, Goiás, Brazil. Braz J Pharm Sci. 2013; 49(3): 609-18. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-82502013000300023.

  • Pimenta HB, Caldeira AP, Mamede S. Effects of 2 Educational Interventions on the Management of Hypertensive Patients in Primary Health Care. J Contin Educ Health Prof. 2014; 34(4): 243-51. http://dx.doi.org/10.1002/chp.21252.

  • Lima ST, Souza BS, França AK, Salgado JV, Salgado-Filho N, Sichieri R. Reductions in glycemic and lipid profiles in hypertensive patients undergoing the Brazilian Dietary Approach to Break Hypertension: a randomized clinical trial. Nutr res. 2014; 34(8): 682-7. http://dx.doi.org/10.1016/j.nutres.2014.07.009.

  • Souza AC, Moreira TM, Oliveira ES, Menezes AV, Loureiro AM, Silva CB et al. Effectiveness of Educational Technology in Promoting Quality of Life and Treatment Adherence in Hypertensive People. PLoS One. 2016; 16;11(11):e0165311. http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0165311.

  • Kuhmmer R, Lazzaretti RK, Guterres CM, Raimundo FV, Leite LE, Delabary TS et al. Effectiveness of multidisciplinary intervention on blood pressure control in primary health care: a randomized clinical trial. BMC Health Serv Res. 2016 http://dx.doi.org/10.1186/s12913-016-1703-0.

  • Obreli Neto PR, Marusic S, Lyra Júnior DP, Pilger D, Cruciol-Souza JM, Gaeti WP, et al. Effect of a 36-month pharmaceutical care program on the coronary heart disease risk in elderly diabetic and hypertensive patients. J Pharm Pharmaceut Sci. 2011; 14(2): 249-63. http://dx.doi.org/10.18433/J3259Q.

  • Sereno AB, Soares ECC, Lapa e Silva JR, Nápoles AM, Bialous SA, Costa e Silva VL et al. Feasibility study of a smoking cessation intervention in Directly Observed Therapy Short-Course tuberculosis treatment clinics in Rio de Janeiro, Brazil. Rev Panam Salud Publica. 2012; 32(6): 451–6. http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892012001400009.

  • Pereira CA, Wen CL, Tavares H. Alcohol abuse management in primary care: an e-learning course. Telemed J E Health. 2015; 21(3):200-6. http://dx.doi.org/10.1089/ tmj.2014.0042.

  • World Health Organization (WHO). Global status report on noncommunicable diseases 2014. Geneva: World Health Organization, 2014.

  • World Health Organization (WHO). Global Report for Research on Infectious Diseases of Poverty. 2012. Geneva: World Health Organization, 2012.

  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Saúde Brasil 2013: uma análise da situação de saúde e das doenças transmissíveis relacionadas à pobreza. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

  • Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). Semana de vacinação nas américas 2015. Acesso em 21 jun 2016. Disponível em: <http://www.paho.org/bireme/ index.php?option=com_content&view=article&id=284%3Asemana-de-vacinacao-nas-americas 2015&Itemid=73&lang=es>.

  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus: hipertensão arterial e diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

  • Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 338, de 06 de maio de 2004 – Política Nacional de Assistência Farmacêutica. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

  • Foellmer L, Oliveira KR, Moreira AC. Uso racional de medicamentos: prioridade para a promoção da saúde. Ver. Contexto Saúde. 2010; 9(18):53-62.

  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

  • Carotta F, Kawamura D, Salazar J. Educação Permanente em Saúde: uma estratégia de gestão para pensar, refletir e construir práticas educativas e processos de trabalhos. Saúde Soc. 2009;18 (supl.1): 48-51. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902009000500008.

Publicado
22-04-2018
Como Citar
FERREIRA, J. M.; KULBOK, P.; SILVA, C. A. B. DA; ANDRADE, F. B. DE; COSTA, I. DO C. C. INDICADORES DE QUALIDADE NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE NO BRASIL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA. Revista Ciência Plural, v. 3, n. 3, p. 45-68, 22 abr. 2018.
Seção
Artigos