Fenomenologia nas pesquisas em turismo: análise das dissertações dos programas de pós-graduação no Brasil

  • Clébia da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Orlando Alcobia Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Moema Hofstaetter Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Ana Karina Maia Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Resumo

Na perspectiva de aferir como se vem procedendo metodologicamente e verificar a exata aplicação do método fenomenológico aos estudos em turismo no Brasil, foi realizada neste presente trabalho uma pesquisa de caráter exploratório-descritivo, onde foram analisadas 570 (quinhentos e setenta) dissertações de mestrados acadêmicos, depositadas entre os anos de 2008 e 2016 em todas as instituições aqui examinadas, pertencentes ao território brasileiro. Em um enfoque da busca da compreensão do caminho metodológico foi feita uma análise de dados, observando-se os processos e técnicas utilizadas pelos pesquisadores em questão, tais como entrevistas em profundidade, observação participante e relatos experienciais. Da análise da discussão dos resultados observou-se que, das 570 (quinhentos e setenta) dissertações analisadas, apenas 13 (treze) adotaram o método fenomenológico. Diante deste fato, conclui-se que, dada a necessidade de um embasamento teórico complexo de seu pesquisador, este método é de pouca aplicação nas instituições envolvidas nesta pesquisa. Ademais, a essencialidade da postura neutra de seu pesquisador dificulta muito a caracterização das pesquisas como adotantes do método.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Orlando Alcobia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Estudante do curso de doutorado em Turismo no PpgTur da UFRN, com experiência de 8 anos como professor universitário na Escola Superior de Hotelaria e Turismo de Inhambane pertencente à Universidade Eduardo Mondlane (Moçambique), afeto ao departamento de Gestão Hoteleira. 
Possui graduação em Gestão Hoteleira pela Universidade do Algarve (Portugal) e mestrado em Gestão Estratégica de Destinos Turísticos pela Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (Portugal).

Referências

Ales Bello, A. A. (2006) Introdução à fenomenologia. Bauru, SP: Edusc.

Caldas M. e Macêdo S. (2011) Uma Análise Crítica Sobre as Técnicas de Pesquisa Fenomenológica Utilizadas em Psicologia Clínica. Revista do Nufen, Vol.1(1), 3-16. Belém: UFPa.

Demo, P. (1995) Metodologia científica em ciências sociais. São Paulo: Atlas.

Graças, E. M. (2000) Pesquisa qualitativa e a perspectiva fenomenológica: fundamentos que norteiam sua trajetória. Revista Mineira de Enfermagem 4(1/2), 28-33.

Guedes, V. & Borschiver, S. (2005) Bibliometria: uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. II. Anais. Encontro Nacional de Ciência da Informação, Salvador, p 1-18.

Husserl. E. (1990) A idéia da Fenomenologia. Lisboa: Edições 70.

Krippendof, J. (2009) Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. (3ª ed. rev. e ampli) São Paulo: Aleph.

Las Casas A.; Siani, S. e Correa D. (2016) Fenomenologia, Método Fenomenológico e Pesquisa Empírica: o instigante universo da construção do conhecimento esquadrinhada na experiência da vida. Revista de Administração da UNIMEP, Vol.14(1), 193-219. Piracicaba: UNIMEP.

Lyotard, J. F. (1954) A fenomenologia. Lisboa: Edições 70.

Macedo F. e Boava D. (2012) Fenomenologia Social: possibilidades para a pesquisa organizacional. Anais do VII Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD. Curitiba: EnEO.

Macedo F.; Boava D. e Antonialli L. (2012) A Fenomenologia Social na Pesquisa Estratégica. Revista de Administração Mackenzie, Vol.13(5), 171-203. São Paulo: UPM.

Martinez M. e da Silva P. (2014) Fenomenologia: o uso do método em comunicação. Anais do XII Congresso de la Asociación Latinoamericana de Investigadores de la Comunicación. Lima: ALAIC.

Masini, E. F. S. (1997) Enfoque fenomenológico de pesquisa em educação. In: Fazenda, I. Metodologia da pesquisa educacional. 4. Ed. São Paulo: Cortez.

Moreira, D. A O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

Creswell, J. W. (1998) Qualitative inquiry and research design: choosing among fi ve traditions. Thousand Oaks: Sage Publications.

Nechar, M. C. (2011) Epistemología critica del turismo ¿qué es eso? Turismo em Análise, 22 (3), 516-538.

Panosso Netto, A. (2005) Filosofia do Turismo: Teoria e Epistemologia. São Paulo: Aleph.

Passador, J.; Medeiros, M. e Becheleni D. (2010) A Fenomenologia e a Pesquisa em Turismo: reflexões para a aplicação com base no turismo gastronômico. Revista Turismo em Ação – eletrônica, Vol.13(1), 20-34. Vale do Itajaí: Univali.

Ray, M. A. (1994) The richness of phenomenology: philosophic, theoretic and methodological concerns. In: MORSE, J. M. Critical issues in qualitative research methods. London: Sage Publications.

Selltiz, C., Jahoda, M., Deutsch, M. & Cook, S. (1974) Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: E.P.U.

Tribe, J. (1997) The indiscipline of tourism. Annals of Tourism Research, 24(3), pp.638–657.

Vanti, N. A. (2002) Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, Brasília, 31 (2), 152-16

(3), pp.638–657.

Publicado
27-12-2018
Como Citar
DA SILVA, C.; ALCOBIA, O.; HOFSTAETTER, M.; MAIA, A. Fenomenologia nas pesquisas em turismo: análise das dissertações dos programas de pós-graduação no Brasil. Revista de Turismo Contemporâneo, v. 6, n. 2, p. 270-290, 27 dez. 2018.
Seção
Artigos