Turismo responsável: caminhos possíveis?

Autores

  • Cassiana Gabrielli UFRN

DOI:

https://doi.org/10.21680/2357-8211.2017v5n1ID7738

Palavras-chave:

Turismo Responsável. Desenvolvimento Turístico. Planejamento.

Resumo

O presente artigo foi produzido com o objetivo de discutir as formas como turismo tem se desenvolvido e a importância do planejamento dessa atividade com fins sustentáveis e responsáveis. Nesse sentido, foi realizada uma pesquisa bibliográfica para embasar as ponderações sobre como a atividade se constituiu e como as mudanças sociais ocorridas, especialmente com o advento da tecnologia, tem propiciado novos modos de vivenciar as experiências turísticas e como o mercado tem se comportado no sentido de absorver tais modificações, evidenciando-se o surgimento de formas alternativas de práticas turísticas. No texto são abordados conceitos sobre o turismo, desenvolvimento, pós-modernidade e planejamento, como a finalidade de propor reflexões críticas sobre como o turismo pode vir a ser realmente desenvolvido de modo responsável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cassiana Gabrielli, UFRN

Bacharel em Turismo UFPR; Mestre em Cultura e Turismo UESC/UFBA; Doutora em Estudos sobre mulheres, gênero e feminismo UFBA. Atualmente realiza estágio pós-doutoral junto ao PPGTUR/UFRN.

Referências

Barreto, M. (2002) . Planejamento e organização em turismo. (7a ed.). Campinas: Papirus.

Baudrillard, J. (1995). Para uma crítica da economia política do signo. Lisboa: Edições 70.

Boisier, S. (2001). Desarollo (Local): De que estamos hablando? Anais da Transformaciones globales, instituiciones y políticas de desarrollo local. Rosário: Editoria Homo Sapiens.

Boyer, M. (2003). A história do turismo de massa. Trad. Viviane Ribeiro. Bauru, SP: EDUSC.

Brasil (2010). Ministério do Turismo. Ecoturismo: orientações básicas. / Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação Geral de Segmentação. (2a ed.). – Brasília: Ministério do Turismo.

Coriolano, L. N. (2009). O turismo comunitário no nordeste brasileiro. Anais de Bartholo, Roberto; Sansolo, Davis Gruber & Bursztyn, Ivan (orgs). Turismo de Base Comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Editora Letra e imagem.

Coriolano, L. N. (2013). Lazer e turismo para o desenvolvimento na escala humana. Revista Lusófona de Estudos Culturais | Lusophone Journal of Cultural Studies, (2), 127-142.

Goodwin, H. (2015). Biggest ever longlist for world responsible tourism awards announced. Recuperado em 10 julho, 2015, de http://haroldgoodwin.info/blog/.

Irving, M. A. (2015). Turismo, áreas protegidas e inclusão social: uma triangulação necessária em planejamento, no caso brasileiro. Anais de M. Irving, Marta; Rodrigues, Camila Gonçalves de Oliveira; Rabinovici, Andrea & Costa, Helena Araújo. (orgs). Turismo, áreas protegidas e inclusão social: Diálogos entre saberes e fazeres. – Rio de Janeiro. Folio Digital: Letra e Imagem.

Jafari, J. (2010). Prefácio. Anais de Panosso Netto, Alexandre e Gaeta, Cecília (orgs). Turismo de Experiência. – São Paulo: SENAC.

Matos, R., & Rovella, S. (2010). Do crescimento econômico ao Desenvolvimento Sustentável: Conceitos em evolução. Anais da Administração e ciências contábeis, 6(3), SP. Recuperado em 29 de julho, 2015, de http://www.opet.com.br/faculdade/revista-cc-adm/pdf/n3/DO-CRESCIMENTO-ECONOMICO-AO-DESENVOLVIMENTO-SUSTENTAVEL-CONCEITOS-EM-EVOLUCAO.pdf

Moesch, M.(2000). A produção do saber turístico. SP: Contexto.

Oliveira, S., & Fontana, R. (2006). Turismo Responsável: uma alternativa ao turismo sustentável? Trabalho apresentado ao GT2 “Abordagem Histórico – Crítica do Turismo” do 4° Seminário de Pesquisa em Turismo do MERCOSUL. Caxias do Sul.

Urry, J. (2001). O olhar do turista: lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. Trad. Carlos Eugênio Marcondes de Moura – (3a ed.). (Coleção Megalópolis). São Paulo: Studio Nobel, SESC

Vaitsman, J. (1994). Flexíveis e plurais: identidade, casamento e família em circunstâncias pós-modernas. Rio de Janeiro: Rocco.

World Comission of Environment and Development (1987). Our common future. Oxford, Oxford University Press.

Downloads

Publicado

30-06-2017

Como Citar

GABRIELLI, C. Turismo responsável: caminhos possíveis?. Revista de Turismo Contemporâneo, [S. l.], v. 5, n. 1, 2017. DOI: 10.21680/2357-8211.2017v5n1ID7738. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/turismocontemporaneo/article/view/7738. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos