Análise da receita per capita nos municípios catarinenses conforme a receita corrente líquida

Palavras-chave: Receita pública, Setor público, Per capita, Receita corrente líquida

Resumo

Objetivo: A pesquisa objetivou identificar a receita per capita nos municípios catarinenses com base na Receita Corrente Líquida e a relação existente entre receitas próprias, transferências com a capacidade de cada município.

 

Metodologia: O estudo que ora se apresenta, quanto aos objetivos como descritiva, pois busca analisar a receita pública per capita, analogamente aos procedimentos caracteriza-se como documental, pois torna possível, a partir dos relatórios publicados, em relação à abordagem do problema, como pesquisa quantitativa, com emprego de valores e suas correlações. O período em análise compreende os anos de 2015 e 2016. A amostra consiste nos 295 municípios catarinenses.

 

Resultados: Os resultados apontam que, na estratificação e análise, a Receita Corrente Líquida Per Capita por porte de Município, aos quais, os municípios com maior porte possuem, proporcionalmente, melhor distribuição da arrecadação municipal, que culmina na maior capacidade de enfrentamento às demandas sociais. Na média da Receita Corrente Líquida Per Capita dos municípios Catarinenses, nos anos de 2015 e 2016, foi de R$ 3.332,61, com uma variação entre a receita per capita mínima e máxima de R$ 1.377,24 e R$ 8.055,16, o que demonstra haver discrepância significativa entre os municípios analisados.

 

Contribuições do Estudo: Considerando os valores recebidos pelos municípios catarinenses, a pesquisa procurou demonstrar e esclarecer a influência de valores recebidos da União e do Estado por ente para investimentos e manutenção das atividades, em função da divisão populacional e porte de cada município, sendo informações uteis e relevantes para o planejamento e captação de recursos para aplicação em benefício da população.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Zolet, Universidade Comunitária Regional de Chapecó (Unochapecó)
Especialista em Contabilidade Aplicada ao Setor Público pela Universidade Comunitária Regional de Chapecó (2016). Contador da Prefeitura Municipal de Chapecó.
Gilvane Scheren, Universidade do Oeste de Santa Catarina – Unoesc
Mestre em Ciências Contábeis e Administração pela Universidade Comunitária Regional de Chapecó, especialista em MBA em Finanças, Controladoria e Gestão Tributária pela Universidade Regional de Blumenau (2013), especialista em Contabilidade Aplicada ao Setor Público pela Universidade Comunitária Regional de Chapecó (2016) e graduado em Ciências Contábeis pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (2010). Atualmente é professor da Universidade do Oeste de Santa Catarina, contador da Prefeitura Municipal de Chapecó e Controlador Interno da Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento (ARIS). Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Ciências Contábeis nas áreas de controladoria, finanças e contabilidade governamental.

Celso Galante, Universidade Comunitária Regional de Chapecó (Unochapecó)

Possui graduação em Ciências Contábeis pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (1997) e mestrado em Ciências Contábeis Controladoria pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (2005). Especialização em Administração Pública e especialização em Contabilidade e Gestão pública. Atualmente é professor titular da Universidade Comunitária da Região de Chapecó e atua na área de Controle Interno Municipal. Tem experiência na área de Governamental, com ênfase em Contabilidade Pública, atuando nos temas de Gestão pública, Planejamento público, Balanço Social, Análise das Demonstrações públicas, entre outros.

Referências

Afonso, J. R. R., & Araújo, É. A. (2000, junho). A capacidade de gastos dos municípios brasileiros: arrecadação própria e receita disponível. In Cadernos Adenauer 4: Os municípios e as eleições de 2000, São Paulo: Fundação Konrad-Adenauer-Stiftung, 35.

Carvalho, D. F. (2002). Pacto federativo e descentralização fiscal no Brasil na década de 90. VII Encontro Nacional de Economia Política. São Paulo, SP, Brasil, 1.

Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de outubro de 1988 (1988). Brasília, DF. Recuperado em 30 de janeiro 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao /ConstituicaoCompilado.htm>.

Federação Catarinense de Municípios – FECAM. Municípios. Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado em 10 de janeiro 2018, de https://www.fecam.org.br/municipio/detalhes-municipio/codMunicipio/.

Finanças do Brasil – FINBRA (2018). Dados Contábeis dos Municípios. Secretaria do Tesouro Nacional, Brasília, DF. Recuperado em 10 de janeiro de 2018, de https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/index.jsf.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, 5(61), 16-17.

Instituto Brasileiro de Geografia, Estatística. Coordenação de Trabalho Rendimento - IBGE (2006). Conheça Cidades e Estados do Brasil. Brasília, DF, Brasil. Recuperado em 10 de janeiro 2018, de https://cidades.ibge.gov.br/.

Kohama, H. (2017). Contabilidade pública: teoria e prática (15a ed.). São Paulo: Atlas.

Lei no 4.320, de 17 de março de 1964 (1964). Estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. Recuperado em 10 de janeiro 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4320.htm>.

Lei Complementar n° 101, de 04 de maio de 2000 (2000). Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, publicado em 05 de maio de 2000. Recuperado em 30 de novembro de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp101.htm.

Raupp, F. M., & Beuren, I. M. (2008). Caracterização da Pesquisa em Contabilidade. In. BEUREN, Ilse Maria (Org). In. BEUREN, Ilse Maria (Org). Como elaborar trabalhos mono-gráficos em contabilidade: teoria e prática (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Reis, P. R. C., Costa, T. M. T., & Silveira, S. F. R. (2013). Receita pública e bem-estar social nos municípios mineiros emancipados no período de 1988 a 1997. REAd. Revista Eletrônica de Administração, 19(1), 61-82.

Righi, M. B., & Ceretta, P. S. (2015). Análise Temporal das Receitas da Prefeitura Municipal de Santa Maria. Administração Pública e Gestão Social, 7(3), 120-130.

Rodrigues, L. N. (2008). A receita corrente líquida efetiva: considerações sobre o planejamento público municipal. Pensar Contábil, 7(28), 1-8.

Secretaria Do Tesouro Nacional – STN (2016). Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público – MCASP [Manual] (7a ed.), Brasília, DF.

Secretaria Do Tesouro Nacional – STN (2017). Manual de Demonstrativos Fiscais – MDF [Manual] (8a ed.), Brasília, DF.

Soares, C. S., Flores, S. A. M., & Coronel, D. A. (2014). O comportamento da receita pública municipal: um estudo de caso no Município de Santa Maria (RS). Desenvolvimento em Questão, 12(25), 312-338.

Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina – TCE/SC (2018). Informações dos Municípios. Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado em 10 de janeiro 2018, de http://portaldocidadao.tce.sc.gov.br/homesic.php.

Zuccolotto, R., Ribeiro, C. P. P., & Abrantes, L. A. (2009). O comportamento das finanças públicas municipais nas capitais dos estados brasileiros. Enfoque Reflexão Contábil, 28(1), 54-69.

Publicado
03-07-2019
Como Citar
ZOLET, R.; SCHEREN, G.; GALANTE, C. Análise da receita per capita nos municípios catarinenses conforme a receita corrente líquida. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 11, n. 2, p. 88-108, 3 jul. 2019.
Seção
Seção 2: Contabilidade Aplicada ao Setor Público e ao Terceiro Setor (S2)