Aplicabilidade dos modelos CAPM local, CAPM local ajustado e CAPM ajustado híbrido ao mercado brasileiro

Palavras-chave: Capital Asset Price Model, Custo de Capital Próprio, Mercado Emergente

Resumo

Objetivo: O objetivo desta pesquisa é verificar a aplicabilidade dos modelos CAPM local, CAPM Local Ajustado e CAPM Ajustado Híbrido ao mercado brasileiro, a partir da análise de suas respectivas premissas e, adicionalmente, verificar a existência de diferenças estatísticas significativas entre os modelos.

Metodologia: Para os indicadores escolhidos, objetivando representar as premissas de cada modelo, é testada a série história de 2007 a 2014, compreendendo uma amostra de 94 empresas mais líquidas do mercado brasileiro avaliadas conforme os modelos de precificação de ativos CAPM Local, CAPM Local Ajustado e CAPM Ajustado Híbrido. São realizados testes estatísticos (com confiabilidade de 95%), por meio do programa ASSISTAT versão 7.7 beta para as análises das estatísticas descritivas, comparado posteriormente por meio de um teste não paramétrico e também com estimativa de correlação.

Resultados: As comparações múltiplas após as premissas indicam que as diferenças ocorrem entre os modelos CAPM Local e CAPM Local Ajustado e entre CAPM Local Ajustado e CAPM Ajustado Híbrido. Os resultados apontam uma correlação positiva entre os retornos do Embi + Br e do T-Bond 10 e 30 anos. Teoricamente, esta correlação não é esperada, uma vez que o risco país não deveria estar correlacionado às taxas livres de risco globais. O Ibovespa apresenta correlação positiva com o MSCI ACWI e com o S&P 500, um resultado que evidencia a correlação entre os retornos de mercado local e global. A Selic apresenta correlação negativa com o Ibovespa, pois, teoricamente a taxa livre de risco local não deveria ser correlacionada ao retorno de mercado local.

Contribuições do Estudo: A contribuição deste estudo é de que a aplicabilidade dos modelos CAPM local, local ajustado e ajustado hibrido ao mercado emergente brasileiro é possível para precificação de ativos, devendo se atentar para o fato de que os Betas Locais possuem influência nesses valores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vandliny Paiva Martins Teixeira, Universidade Federal de Goiás – UFG

Especialista em Controladoria e Finanças (UFG).

Moisés Ferreira da Cunha, Universidade Federal de Goiás – UFG

Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (USP), Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade de Brasília (UnB) e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor Adjunto na Universidade Federal de Goiás. Diretor da Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Ciências Econômicas FACE/UFG. Conselheiro Técnico do Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos. Foi presidente do Conselho e representante da área das Ciências Sociais Aplicadas no Conselho Deliberativo da Fundação de Apoio à Pesquisa (FUNAPE/UFG). Coordenador de Projetos Técnicos-Científicos na área de Valuation. Pesquisador na área da Contabilidade e Finanças, com ênfase na linha de Finanças corporativas.

Thaisa Renata dos Santos, Universidade Federal de Goiás

Mestre em Ciências Contábeis pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federal de Goiás (2018). Especialista em Auditoria e Gestão de Tributos pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás - PUCGO (2011). Possui graduação em Ciências Contábeis pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás - PUCGO (2008). Atualmente Professora Auxiliar do Curso de Ciências Contábeis e Coordenadora Geral de Trabalho de Conclusão Curso da Pontifícia Universidade Católica de Goiás - PUCGO. 

Referências

Antunes, V. C. V. (2010). Quality and timing option value in US treasury bond futures markets (Doctoral dissertation). Iscte - University Institute of Lisbon. Recuperado de: https://repositorio.iscte-iul.pt/handle/10071/3957

ASSISTAT – Versão 7.7 beta. Software Estatístico. Por Prof. Dr. Francisco de A.S. e Silva. Universidade Federal de Campina Grande. Recuperado em 03 de janeiro, 2015, de http: URL:http://www.assistat.com/indexp.html

Banco Central do Brasil (BACEN). Históricos das Taxas SELIC. URL: Recuperado em 02 janeiro, 2015, de http://www.bcb.gov.br/?COPOMJUROS.

Bloomberg. United States Government Bonds. URL: Recuperado em 12 janeiro, 2015, de

http://www.bloomberg.com/markets/rates-bonds/government-bonds/us/.

B3, Brasil, Bolsa e Balc.: Recuperado em 03 março, 2021, de: http://www.b3.com.br/pt_br/.

Copeland, T. E., Koller, T., & Murrin, J. (2006). Avaliação de empresas-valuation: calculando e gerenciando o valor das empresas. Pearson Makron Books.

Costa, E. B. M. (2003). Avaliação de empresas através do método do fluxo de caixa descontado em mercados emergentes: como incorporar o nível extra de risco que caracteriza diversos países emergentes. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil. Recuperado de: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/85315

Cunha, Moisés Ferreira da (2011). Avaliação de Empresas no Brasil pelo Fluxo de Caixa Descontado: Evidências Empíricas Sob o Ponto de Vista do Desempenho Econômico-Financeiro. 2011. 170 f. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis), Programa de Pós Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo: Faculdade de Economia, São Paulo, Brasil. Recuperado de: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-08022012-181605/en.php

da Costa, L. S., Blank, F. F., Oliveira, F. L. C., & Villalobos, C. E. M. (2019). Modelo de precificação condicional com heteroscedasticidade: Avaliação de fundos brasileiros. RAE-Revista de Administração de Empresas, 59(4), 225-241.doi: https://doi.org/10.1590/S0034-759020190402

Damodaran, A. (1997). Avaliação de Investimentos: Ferramentas e técnicas para a determinação do valor de qualquer ativo (1ª Ed.) Rio de Janeiro: Qualitymark.

Damodaram. (2002). Investiment Valuation. New York: John Wiley & Sons.

Damodaram. Betas by sector. Atualizado jan.2015. recuperado: http://pages.stern.nyu.edu/~adamodar/New_Home_Page/datafile/Betas.html. Acesso em 28/01/2015.

Erb, C.; Harvey, C.; Viskanta, T. (1965). Country risk and global equity selection. Journal of Portfolio Management, v. 21, n. 2, p. 74-83.

Fama, E. F. (1970). Efficient capital markets: A review of theory and empirical work. The journal of Finance, 25(2), 383-417. doi: 10.2307/2325486

Fávero, L. P., Belfiore, P., Silva, F. D., & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Elsevier Brasil.

Fávero, L. P., & Belfiore, P. (2017). Manual de análise de dados: estatística e modelagem multivariada com Excel®, SPSS® e Stata®. Elsevier Brasil.

Fellet, B. G., Cunha, M. F., & Iara, R. N. (2014). Estimação do custo de capital próprio no mercado acionário brasileiro através de adaptações do modelo CAPM. Anais do Congresso Anpcont. São Paulo. Brasil.

Fellet, B. G. (2016). Avaliação de modelos de precificação de ativos no mercado acionário brasileiro. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis, Programa de Pós Graduação em Ciências Contábeis, Universidade Nacional de Brasília, Brasília. Brasil. Recuperado de: https://repositorio.unb.br/handle/10482/20125

Garrán, F. T., & Martelanc, R. (2007). Metodologias em uso no Brasil para determinação do custo de capital próprio. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração. – EnANPAD, 31. Rio de Janeiro. Brasil.

Godfrey, S.; & Espinosa, R. (1996). A practical approach to calculating costs of equity for investments in emerging markets. Journal of Applied Corporate Finance Fall, 80-89. doi: 10.1111/j.1745-6622.1996.tb00300.x

Gomes, F. A. R., & Cresto, V. (2010). Avaliação do desempenho dos fundos long-short no Brasil. Revista Brasileira de Finanças, 8(4), 505-529.

Gonçalves, D. E. S., Lima, A. C. M., dos Santos, L. A. F., & Santos, R. O. (2019). Impacto da convergência às Normas Internacionais de Contabilidade sobre o Custo de Capital Próprio nas companhias listadas na BM&FBOVESPA. Revista de Administração e Contabilidade da FAT, 11(1).

INVESTING.COM. T-Bond 10 Anos. Recuperado em 02 janeiro, 2015, de: URL: http://br.investing.com/rates-bonds/us-10-yr-t-note-historical-data.

________________. T-Bond 30 Anos. Recuperado em 02 janeiro, 2015, de: URL: http://br.investing.com/rates-bonds/us-30-yr-t-bond. Acesso em 02/01/2015.

________________. MSCI ACWI. Recuperado em 02 janeiro, 2015, de: URL: http://pt.investing.com/etfs/ishares-msci-acwi-index-fund-historical-data. Acesso em 02/01/2015.

Jin, X. (2015). Asymmetry in return and volatility spillover between China's interbank and exchange T-bond markets. International Review of Economics & Finance, 37, 340-353. Doi: https://doi.org/10.1016/j.iref.2014.12.005

Leal, R. P. (2002). Revisão da literatura sobre estimativa de custo de capital aplicada ao Brasil. COPPEAD/UFRJ.

Lessard, D. (1996). Incorporating country risk in the valuation of offshore projects. Journal of Applied Corporate Finance 9, 52-63. Doi: 10.1111/j.1745-6622.1996.tb00298.x

Lintner, J. (1965). The valuation of Risk Assets and the Selection of Risky Investments in Stock Portfolios and Capital Budgets. Review of Economics and Statistics, 47:1 , 13-37. Doi: 10.2307/1924119

Machado, M. R. R. (2007). Fluxo de caixa descontado: metodologias e critérios adotados na determinação da taxa de desconto. Anais do Seminário de Administração-SEMEAD, 10. São Paulo.

Markowitz, H. (1952). The utility of wealth. Journal of political Economy, 60(2), 151-158.

____________. (1959). Portfolio Selection: Efficient diversification of investments. Copyright by Cowles Foundation for Research in Economics at Yale University.

Mariscal, J.; Hargis, K. (1999). A long-term perspective on short-term risk. Goldman Sachs Portfolio Strategy, October 26, pp.1-23.

Mossin, J. (1966). Equilibrium in a Capital Asset Market. Econometrica, Vol 34 , 768-783. Doi: https://doi.org/10.2307/1910098

NETO, A. (2014). Valuation: métricas de valor & avaliação de empresas. São Paulo: Atlas, 20.

Neto, A. A., Lima, F. G., & de Araújo, A. M. P. (2008). Uma proposta metodológica para o cálculo do custo de capital no Brasil. Revista de Administração-RAUSP, 43(1), 72-83.

Noda, R. F., Martelanc, R., & Kayo, E. K. (2016). O fator de risco lucro/preço em modelos de precificação de ativos financeiros. Revista Contabilidade & Finanças, 27(70), 67-79. doi: https://doi.org/10.1590/1808-057x201412060

O'Brien, T. J. (1999). The global CAPM and a firm's cost of capital in different currencies. Journal of Applied Corporate Finance, 12(3), 73-79. Doi: https://doi.org/10.1111/j.1745-6622.1999.tb00032.x

Pei, G. (2019, January). Empirical Study on the Listed Banks of China: Based on the CAPM Model. In 2019 International Conference on Intelligent Transportation, Big Data & Smart City (ICITBS) (pp. 642-644). IEEE. doi: https://doi.org/ 10.1109/ICITBS.2019.00159

PORTAL BRASIL. EMBI. Recuperado em 06 março, 2021, de URL: http://www.portalbrasil.net/indices_dolar.htm.

Pereiro, Luis E. (2001). The valuation of closely-held companies in Latin America. Emerging Markets Review, Vol. (2/4), pp. 330-370. doi: https://doi.org/10.1016/S1566-0141(01)00024-3

_______________. (2002). Valuation of companies in emerging markets: A practical approach. Editor: John Wiley & Sons.

_______________. (2010). The beta dilemma in emerging markets. Journal of Applied Corporate Finance, 22(4), 110-122.

Piccoli, P. G. R., Cruz, J. A. W., & Citadin, M. W. (2014). DETERMINANDO A TAXA LIVRE DE RISCO PARA A APLICAÇÃO DO CAPM NO MERCADO BRASILEIRO. REAVI-Revista Eletrônica do Alto Vale do Itajaí, 3(4), 01-11. Doi: https://doi.org/10.5965/2316419003042014001

Santos, J. O., & Fontes, R. J. S. (2011). Análise da Relação entre o Coeficiente Beta, o Índice de Alavancagem D/E e a Taxa de Retorno de Ações Ordinária de uma Amostra de Empresas listadas no Ibovespa. Contabilidade Vista & Revista, 22(4), 173-197.

Sharpe, William F (1964). Capital Asset Prices: A Theory of Market Equilibrium Under Conditions of Risk. Journal of Finance, 19(3), 425-442. doi: https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.1964.tb02865.x

Silva, R. K. M. D. (2006). Determinação do custo do capital próprio em mercados emergentes. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Economia do IBMEC SÃO PAULO. Dissertação de Mestrado em Economina, Programa de Mestrado Profissional em Economia da Faculdade Ibmec São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperado em 02 janeiro, 2015, de: URL: http://hdl.handle.net/11224/1082

Silva, C. P., & Machado, M. A. V. (2020). O efeito do fluxo de investimentos estrangeiros sobre a comunalidade na liquidez no mercado acionário brasileiro. Revista Contabilidade & Finanças, (AHEAD). Doi: https://doi.org/10.1590/1808-057x201909530

Teixeira, V. P. M., Cunha, M. F. D., & Machado, C. A. (2013). Avaliação de empresas no Brasil: análise da premissa Risco Brasil. Anais do In Congresso usp de iniciação científica em contabilidade. São Paulo, Anais. Recuperado em 02 janeiro, 2015, de: URL: http://www.congressousp.fipecafi.org/anais/artigos132013/379.pdf

TESOURO NACIONAL. Títulos públicos federais e suas formas de precificação. Parte 3, Capítulo 2. Recuperado em 02 janeiro, 2014, de: URL: http://www3.tesouro.gov.br/divida_publica/downloads/Parte%203_2.pdf.

Publicado
05-01-2022
Como Citar
PAIVA MARTINS TEIXEIRA, V.; FERREIRA DA CUNHA, M.; RENATA DOS SANTOS, T. Aplicabilidade dos modelos CAPM local, CAPM local ajustado e CAPM ajustado híbrido ao mercado brasileiro. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 14, n. 1, p. 1-22, 5 jan. 2022.
Seção
Seção 1: Contabilidade Aplicada ao Setor Empresarial (S1)