Antigas estruturas para montagens teatrais contemporâneas

Palavras-chave: Antigas estruturas. Espaços teatrais. Teatros. Novos espaços adaptados. Montagens contemporâneas.

Resumo

Este artigo busca investigar o papel da arquitetura no processo teatral e o uso de antigas estruturas para abrigar espetáculos contemporâneos de diretores brasileiros. Recentemente, o diretor José Celso Martinez Corrêa readaptou em diferentes lugares onde encenou Os Sertões, espaços similares ao seu Teatro Oficina em São Paulo. Outra possibilidade de novos arranjos para a arquitetura teatral é o teatro de arena, como por exemplo o Teatro SESC de Copacabana, no qual Miguel Vellinho dirigiu Peer Gynt com um cenário perfeito adaptado ao palco e criando uma interação ideal entre os atores e o público. Mas esses usos alternativos das arquiteturas existentes não são a única maneira de "encontrar o espaço", e demonstro como uma estrutura arquitetônica bem antiga pode propiciar espaços perfeitamente adequados para exibir drama nos tempos atuais como o Globe Theatre reconstruído não muito longe do local real do Shakespeare’s Globe, no qual Gabriel Villela encenou Romeu e Julieta em 2000. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evelyn Furquim Werneck Lima, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Evelyn Furquim Werneck Lima é arquiteta com doutorado em História Social (UFRJ/EHESS) e pós-doutorado em Artes (Paris X) e Professora Titular na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e Pesquisadora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico -CNPq. Ela é autora de Arquitetura, Teatro e Cultura: revisitando espaços, cidades e dramaturgos do século XVII (Contracapa/FAPERJ 2012), Arquitetura e Teatro: de Andrea Palladio a Christian de Portzamparc (Contracapa/FAPERJ 2010), e Arquitetura do Espetáculo (Ed. UFRJ, 2000), entre outros.

Referências

BERKOWITZ, Gerald. Romeu and Julieta Shakespeare's GlobeSummer 2000. Available at: http://www.theatreguidelondon.co.uk/reviews/romeoarchive.htm. Accessed on March 10, 2013.

BRANDÃO, Carlos Antonio Leite. Grupo Galpão: uma história de risco e rito. 2a Ed. Belo Horizonte: o Grupo, 2002.

BROOK, Peter. O teatro e seu espaço. Petrópolis: Vozes, 1970 (1968).

CORREA, José Celso Martinez. Zé Celso’s interview in Domus. Available at http://www.domusweb.it/en/architecture/2012/05/21/the-street-is-a-theatre.html. Accessed on June 12, 2013.

COSTA FILHO, José da. Os sertões em cena:crítica, vocalização e cruzamento de sentidos. Sala Preta, v. 10, 2010, p. 77-92.

CUNIN, Muriel. Shakespeare et l´architecture. Nouvelles inventions pour bien bâtir et bien jouer. Paris: Honoré Champion Éditeur Br, 2008.

FITZPATRICK, Tim. “Reconstructing Shakespeare’s Second Globe using CAD design tools”, Early Modern Literature Studies, March 2004. Available at: http://www.shu.ac.uk/emls/emlshome.html. Accessed on October 10, 2012.

GREENBLATT, Stephen. Shakespearean Negotiations. The Circulation of Social Energy in Renaissance England. Berkeley, Los Angeles: University of California Press, 1988.

GROTOWSKI, Jerzy. Towards a Poor Theatre. New York and London: Routledge, 2002 (1968)

GURR, Andrew. The Shakespearean Stage:1574-1642. Cambridge University Press (fourth edition), 2009.

HILDY, Franklin. Colocando uma “cinta” ao redor do The Globe. Arqueologia e tamanho do teatro de Shakespeare. In: LIMA, Evelyn F.W. (org.) Arquitetura, Teatro e Cultura. Rio de Janeiro: Contracapa, 2012. P. 117-135.

LIMA Evelyn F. W. e LACROIX, Nicole, « Théâtre et Société dans la région du Minas au Brésil: Un public métis pour les salles de spectacle », Annales Canadiennes d’Histoire, n° 42, printemps/été 2007, p. 25-51.

LIMA, Evelyn F. W. «Aspectos da história de um espaço urbano de entretenimento: o sul de Londres nos séculos XVI e XVII”. in: FREITAS, Bernardino e MENDONÇA, Eneida.(org.) A construção da cidade e do urbanismo.ideias têm lugar? Vitória: EDUFES, 2012, p. 203-222.

MAGGIO, Sérgio. Article published in Correio Braziliense on October16, 2007.

PAVIS, Patrice, « L’enfantement de la scène », Le Théâtre au croisement des cultures, Paris, José Corti, 1990.

SCHECHNER, Richard. Environmental Theater. New York: Hawthorn Books, 1973.

SUGERS, Anne. Scénographies du théâtre occidental. Paris: Armand Colin. 2010.

VELLINHO, Miguel. Peer Gynt. Description of the production. Available at http://www.pequod.com.br, Accessed on Mai 20, 2006.

WATERS, Michael, “An audience does not only go to the theatre…..” Innervate, 2019-2010, pp. 417-426. Available at http://www.nottingham.ac.uk/english/documents/innervate/09-0/0910watersperfomancesites.pdf. Accessed on June 25, 2011.

WÖLFFLIN, Heinrich, Prolégomènes a une psychologie de l´architecture (1886) trad. Bruno Queysanne, Grenoble: La Villete Editeurs, 2005.

Publicado
13-08-2017
Como Citar
FURQUIM WERNECK LIMA, E. Antigas estruturas para montagens teatrais contemporâneas. ARJ – Art Research Journal / Revista de Pesquisa em Artes, v. 4, n. 1, p. 76-95, 13 ago. 2017.