Fecha os olhos e vê!

Palavras-chave: Ver, Cegueira, Piscadela, Presentidade, Imagem

Resumo

O presente artigo fala sobre o ver, a cegueira e a piscadela, a partir de um trecho do primeiro capítulo do livro Ulisses, de James Joyce, tendo como base filosófica o pensamento de Jacques Derrida, em especial, o desenvolvido em Memórias de cego e outras ruínas, fazendo uma relação com a ideia de presentidade desenvolvida pelo artista Robert Morris e com o cinema, particularmente o filme La Jetée, do diretor francês Chris Marker.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisa de Magalhães, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professora do Curso de Artes Visuais/Escultura da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Referências

DERRIDA, Jacques. Pensar em não ver: escritos sobre as artes do visível (1979-2004); organização Ginette Michaud, Joana Masó, Javier Bassas; tradução Marcelo Jacques de Moraes. Florianópolis: Ed. Da UFSC, 2012.

_______________. Memórias de cego e outras ruínas; tradução Fernanda Bernardo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2010.

_______________. Le toucher, Jean-Luc Nancy. Paris: Éditions Galilée, 2000.

JOYCE, James. Ulisses; traducão Antonio Houaiss. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1966.

RIVERA, Tania. Cinema, imagem e psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

REFERÊNCIAS FILMOGRÁFICAS

LA Jetée. Direção Chris Marker. Produção: Anatole Dauman. Intérpretes: Jean Négroni, Hélène Chatelain, Davos Hanich e outros. Roteiro: Chris Marker. Música: Trevor Duncan. Paris: Argos Films, Radio-Télévision Française (28 min), black and White.

Publicado
10-04-2018
Como Citar
DE MAGALHÃES, E. Fecha os olhos e vê!. ARJ – Art Research Journal / Revista de Pesquisa em Artes, v. 4, n. 2, p. 046-055, 10 abr. 2018.