Tecnoestética, interlocuções e afecções entre arte-vida

Palavras-chave: Arte contemporânea. Hibridismo. Tecnoestética. Multidisciplinar. Corpo.

Resumo

Este texto aborda questões associadas à produção artística contemporânea de caráter híbrida. Para tanto, a partir das experiências vivenciadas junto aos trabalhos selecionados para esta discussão, percebemos que os mesmos foram conduzidos por articulações de caráter multidisciplinares. Verificamos então, a existência de atravessamentos conceituais e escolhas técnicas associadas às ideias compartilhadas entre arte, espiritualidade, ciência e vida. Todo trabalho, escolhido neste recorte, apresenta uma tecno-estética estrategicamente elaborada para atender aos objetivos presentes em cada processo criativo, seja pelo uso de tecnologias dos materiais, métodos científicos, apropriação de materiais “simbolicamente potentes” ou criação de objetos como representantes de signos transcendentais, metaforicamente identificados em suas formas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eriel de Araújo Santos, Universidade Federal da Bahia

Artista multimeios. Doutor em Artes Visuais, Mestre em Artes Visuais, Bacharel em Artes Plásticas. Professor do Departamento de Expressão Gráfica e Tridimensional da Escola de Belas Artes. Atua como professor e pesquisador do Programa de Pós Graduação em Artes Visuais da UFBA. É lider do grupo de pesquisa Artes Híbrida CNPq. 

http://lattes.cnpq.br/5711679753140543

A produção artística de Eriel Araújo é baseada na observação, interpretação e articulação dos fatos sociais e pessoais, de acordo com escolhas de procedimentos, materiais e linguagens unidos em torno de uma ideia. Essa ideia, muitas vezes, consiste no retorno da imagem ao material ou situação que lhe deu origem. Outras vezes, propõe desvios, contraposições e até mesmo transformações nas obras, capazes de alterar suas qualidades, em decorrência do contato entre os materiais e as ações do tempo. O resultado é uma espécie de alquimia da arte.

Como artista multimídia, Eriel usa processos fotográficos, gráficos, escultóricos, cerâmicos, pictóricos e vídeos. As vivências humanas fornecem grandes contribuições à elaboração de suas obras, sejam elas interpretadas de maneira figurativa ou abstrata, nas quais os resultados são obtidos pelas mutações, justaposições e sobreposições de materiais e seus valores simbólicos. Ele propõe situações em que elementos iconográficos, materiais e conceituais sobre os fenômenos sociais se agrupam num mesmo lugar. Assim, tais combinações procuram ativar sentidos de convivência entre o Ser e as coisas

Referências

BERGSON, Henri. Matéria e memória, ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

CAMPOS, Marcelo. Escultura contemporânea no Brasil. Salvador: EPP, 2016.

DEWEY, John. Art as Experience. New York: Perigee Books, 1938.

PASSERON, René. Da estética à poïética. In: Porto Arte, Porto Alegre, V.8, n.15, 1997.

HUBERMANN, Didi. A sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

GOLDSTEIN, Gabriela. La experiencia estética, escritos sobre psicoanálisis y arte. Buenos Aires: Del Estante, 2005.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Tradução Ana Isabel Soares. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2010.

SIMONDON, Gilbert. Sobre a tecno-estética: Carta a Jacques Derrida. In: ARAÚJO, Hermetes Reis de. Tecnociência e Cultura, ensaios sobre o tempo presente. São Paulo: Estação Liberdade, 1998.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. Corpos de passagem, ensaios sobre a subjetividade contemporânea. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

WARR, Tracey. The artists’ body. Londres: Phaidon, 2000.

ZAMBONI, Silvio. A Pesquisa Em Arte, um Paralelo Entre Arte e Ciência. Campinas: Autores Associados, 2001.

Publicado
10-04-2018
Como Citar
SANTOS, E. DE A. Tecnoestética, interlocuções e afecções entre arte-vida. ARJ – Art Research Journal / Revista de Pesquisa em Artes, v. 4, n. 2, p. 056-066, 10 abr. 2018.