Relações intertextuais na família Renoir: tal pai, tal filho?

Palavras-chave: Intertextualidade, Pintura, Cinema, Pierre-Auguste Renoir, Jean Renoir, Leitura de imagens

Resumo

Neste artigo discute-se a intertextualidade, objeto teórico, tendo como objeto empírico a relação entre as obras do pintor impressionista Pierre-Auguste Renoir e as de seu filho, o cineasta do realismo poético francês, Jean Renoir. Os dados foram preferencialmente obtidos na exposição Renoir Père et Fils, apresentada no Musée D’Orsay, em Paris, de 6 de novembro de 2018 a 27 de janeiro de 2019. Após revisitar a biografia de cada um desses expoentes da arte, foram analisadas brevemente as oito salas da mostra do D’Orsay, destacando as relações entre pai e filho, bem como as extrapolações dessas influências, trazendo outros artistas e escritores cujas obras foram articuladas na obra de Jean Renoir. Por fim, são apresentadas algumas problematizações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Ramalho, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Professora e Pesquisadora da Universidade do Estado de Santa Catarina/UDESC, orienta dissertações e teses; é Doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP e fez pós-doutoramento na França (2002). É autora dos livros Imagem também se lê, Moda também é texto, Sentidos à mesa e Diante de uma imagem; organizou, em coautoria, dez outros títulos de livros. Foi Presidente da ANPAP (gestão 2007-2008); Diretora Geral do Centro de Artes da UDESC (1998-2001), Coordenadora do PPGAV da UDESC (2009–2011). Presidiu bancas de doutoramento na Université Paris VII (2011) e Universidad de Barcelona (2013). Foi agraciada com as Medalhas do Mérito Universitário João David Ferreira Lima pela Câmara de Vereadores de Florianópolis e com a do Mérito Funcional Alice Petrelli pelo Governo de Santa Catarina. Atualmente (2020) é Professora Visitante na Universitat de Girona, Espanha.

Referências

BARTHES, Roland. Théorie du texte et intertextuaité. In: RABEAU, Sophie. L’Intertextualité. Paris: Flammarion, 2002.

FEIST, Peter H. Pierre-Auguste Renoir 1841-1919: um sonho de harmonia. São Paulo: Taschen, 1990.

FIORIN, José. Luiz. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, 2008.

GENETTE, Gérard. La transtextualité ou l’intertextualité redéfinie. In: RABAU, Sophie. L’Intertextualité. Paris: Flammarion, 2002.

HOLZWARTH, Hans Werner (org). Arte Moderna 1870-2000. São Paulo: Taschen, 2012.

KRISTEVA, Julia. L’acte de naissance de l’intertextualité ou l’espace de la signification. In: RABAU, Sophie. L’Intertextualité. Paris: Flammarion, 2002.

MUSÉE D’ORSAY. Renoir Père et Fils: visite de l’exposition. Paris: nov. 2018 - jan. 2019.

OLIVEIRA, Ana Claudia. Neolítico: Arte Moderna. São Paulo: Perspectiva, 1987.

RENOIR, Jean. Ma vie et mes films. Paris: Flammarion, 2005.

RIBEIRO, Virgínia Cândida. Apropriação na arte contemporânea: colecionismo e memória. In: MAKOWIECKY, Sandra; RAMALHO E OLIVEIRA, Sandra. Panorama da Pesquisa em Artes Visuais: Anais do 17° Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas /ANPAP. Florianópolis: UDESC, 2007.

TARANILLA, Carlos Javier. Breve Historia del Arte. Madrid: Ediciones Nowtilus, 2017.

WEBER, Patrick. Histoire de l’Art. Paris: Librio, 2009.

Publicado
26-07-2020
Como Citar
RAMALHO E OLIVEIRA, S. R. Relações intertextuais na família Renoir: tal pai, tal filho?. ARJ – Art Research Journal / Revista de Pesquisa em Artes, v. 7, n. 1, 26 jul. 2020.
Seção
Dossiê: Perspectivas Multidisciplinares no Campo da Arte