As associações científicas como agentes num campo de forças: pensando estratégias para a área de Arte

Palavras-chave: Música, Abem, Associações científicas, Campo científico, Campo de forças

Resumo

Neste texto, apresentado originalmente na mesa-redonda “Associações Nacionais: conexões entre associação, formação e políticas educacionais” que teve lugar no XXVIII Confaeb, discute-se o papel e a importância das associações científicas. Propõe-se compreender as associações científicas, especialmente as associações brasileiras da área de Artes, como agentes num campo de forças: o campo científico. Desta forma, compreende-se as associações como agentes capazes de engendrar estratégias que visem a alteração da ortodoxia do campo científico. Defende-se a união dos esforços  das associações da área de Arte para ações coletivas em prol de políticas públicas que respeitem as linguagens artísticas como conhecimento essencial para a formação cidadã e democrática dos brasileiros e brasileiras. Para tal, é necessário avaliações internas e externas, afinando discursos e estruturando ações conjuntas especialmente, mas não exclusivamente, junto ao Ministério da Educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcus Vinícius Medeiros Pereira, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Possui graduação em Música - Bacharelado em Piano pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005), mestrado em Música pela Universidade Federal de Minas Gerais (2007) e doutorado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2012). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Juiz de Fora, onde dirige o Centro Cultural Pró-Música. Atua como professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação - UFJF; e professor colaborador do Programa de Pós-Graduação Música em Contexto da UnB. É presidente da Associação Brasileira de Educação Musical. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Educação musical, atuando principalmente nos seguintes temas: currículo, sociologia da educação musical, e educação musical escolar. Na área da musicologia e da performance musical, seus interesses de investigação são a canção brasileira, e estudos relacionados ao piano.

Referências

BOURDIEU, P. O campo científico. In: ORTIZ, R. (org.) Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

BOURDIEU, P. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983b.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. 2a ed. São Paulo: Perspectiva: 1987.

BRACHT, Valter. 30 anos do CBCE: Os desafios para uma associação científica. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 30, n. 3, p. 31-44, maio 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017a. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/06/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em: 10 out. 2018.

BIANCHETTI, Lucídio. 30 anos do Colégio Brasileiro das Ciências do Esporte: os desafios para uma associação científica e os dilemas dos intelectuais institucionalizados. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 30, n. 3, p. 13-30, maio 2009.

DEL-BEN, Luciana. A produção de conhecimento em educação musical: uma perspectiva sobre o Brasil. In: QUEIROZ, Luis Ricado Silva; OLIVEIRA, Mário André Wanderlei; MENDES, Jean Joubert Freitas (Orgs.). Educação Musical na América latina: singularidades, diálogos e interações. UFRN, Natal, 2019. No prelo.

DELICADO, Ana; JUNQUEIRA, Luís; REGO, Raquel; CONCEIÇÃO, Cristina; PEREIRA, Inês. Associações científicas portuguesas: mapeamento e caracterização. Fórum Sociológico [Online], 21, p. 97 – 107, 2011.

DELICADO, Ana; RÊGO, Raquel; JUNQUEIRA, Luís. Associações Científicas: uma proposta de tipologia. Sociologia On line, n. 7, pp. 7-32, 2014.

GRAMSCI, Antonio. La Città Futura (1917-1918), (Sergio Caprioglio, org.). Torino: Einaudi Editore, 1982.

GRAMSCI, Antonio. Os indiferentes. In: CAVALCÂNTI, Pedro Celso Uchôa (Org. e Trad.) Convite à leitura de Gramsci. Rio de Janeiro: Achiamé, 1985. Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/gramsci/1917/02/11.htm Acesso em 10 de outubro de 2018.

NOGUEIRA, Ilza. Seminário de avaliação da área de música: um esforço pela efetividade e otimização do fomento à música. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA, 9., Rio de Janeiro, 1996. Anais… Rio de Janeiro: Anppom, 1996a. p. 39-44.

NOGUEIRA, Ilza. O modelo atual da educação musical no Brasil: um drama em três atos incongruentes. Fundamentos da Educação Musical, n. 3, p. 5-21, jun. 1996b. (Série Fundamentos 3).

PEREIRA, Marcus V. M. Música, Currículo e Educação do Campo: Uma análise de livros didáticos de Arte aprovados no PNLD Campo 2016. Intermeio, Campo Grande, v. 23, n. 45, jan.jun 2017.

RODRIGUES, Meghie. O progresso da ciência é língua universal de associações pelo mundo. Cienc. Cult., São Paulo, v. 70, n. 3, p. 22-24, Julho 2018. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252018000300007&lng=en&nrm=iso. Acessado em 14 Fev. 2019. http://dx.doi.org/10.21800/2317-66602018000300007.

SANTOS, Daniel da Silva dos; PEREIRA, Marcus Vinícius Medeiros. “Por toda PArte”: um estudo do currículo apresentado aos professores de Arte do Ensino Médio. Semana de Educação Musical, VII; Colóquio de Pesquisa em Educação Musical das Vertentes, I; Seminário Música na Escola – PIBID/UFSJ, I. Anais... São João Del Rei: UFSJ, 2017, p. 1 – 11.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

WATERS, L. Inimigos da esperança. Publicar, perecer e o eclipse da erudição. São Paulo: Editora Unesp, 2006.

WITTER, Geraldina. Importância das sociedades/associações científicas: desenvolvimento da ciência e formação do profissional-pesquisador. Boletim de Psicologia, v. LVII, n. 126, p. 1 – 14, 2007.

Publicado
16-06-2019
Como Citar
PEREIRA, M. V. M. As associações científicas como agentes num campo de forças: pensando estratégias para a área de Arte. ARJ – Art Research Journal / Revista de Pesquisa em Artes, v. 6, n. 1, 16 jun. 2019.