Outras Cassandras e as classes perigosas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36025/arj.v6i1.17418

Palavras-chave:

Teatro, Feminismo, Fascismo, Imaginário, Ativismo, Performance

Resumo

Este texto corresponde a fala na mesa temática “Vozes Feministas”, realizada no X Congresso da ABRACE, Natal, 2018. A partir do mito de Cassandra, profetiza a quem ninguém dava ouvidos, mencionada em inúmeras tragédias clássicas, desdobram-se associações com o imaginário do feminino no contemporâneo, buscando evidenciar a ligação entre este e a violência contra a mulher. Num sentido mais amplo e tendo como referência o campo das Artes, aponta-se a ligação entre patriarcado, capitalismo e fascismo e a importância revolucionária dos feminismos.  Compõem o texto imagens das intervenções Liquidação de Mulheres, sob orientação da autora (Coletivo Carochinha, 2018), do programa performativo da doutoranda Elisa Abrão Quais as Vantagens de ser mulher, investigação prática da disciplina PPGAC/UNICAMP, Escritas da Cena: Arte e Ativismo (2018), e da perfo-conferência Mujeres Violentas, direção de Cláudia Echenique, com a Boa Companhia (2011/2018).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Verônica Fabrini Machado de Almeida, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Mestra em Artes (UNICAMP, 1996), Doutora em Artes Cênicas (ECA, USP, 2000), Pós-Doutorado em Teatro e Filosofia (Universidade de Lisboa, 2006). Professora do Departamento de Artes Cênicas da Unicamp, pesquisadora do PPGAC/Artes da Cena, UNICAMP, diretora da Boa Companhia, Campinas, São Paulo.

Referências

BARRANCO CASTILLO, Enriqueta; GIRÓN IRUESTE, Fernando. Aspectos Teosóficos del Teatro de Agustina González López y Ramón María del Valle-Inclán. Ferrolanálises: revista de pensamiento y cultura, n.25, [2010], p. 130-139. Disponível em http://www.clubdeprensadeferrol.com/pdf/FA25_17.pdf. Acesso em: 7 set. 2018.

ESQUILO. Agamemnon. Tradução Trajano Vieira. São Paulo, Perspectiva, 2007.

EURÍPEDES. Duas Tragédias Gregas – Hecuba e Troianas. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FABIÃO, E. Programa performativo: o corpo-em-experiência. ILINX Revista do LUME, n.4, dezembro de 2013.

FABRINI, Veronica; ECHENIQUE, Claudia. La presencia de las Fúrias en mujeres violentas. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2017. Disponível em: http://www.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499447369_ARQUIVO_LAPRESENCIADELASFURIASVERSAOFINAL.pdf

FEDERICI, Silvia. Calibã e as Bruxas. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

FRANÇA, Thais; PADILLA, Beatriz. Epistemologias feministas e mobilidade científica: contribuições para o debate, Configurações [Online], n.12, 2013, disponibilizado em 08/10/2014. DOI: 10.4000/configuracoes.2203. Disponível em: <http://configuracoes.revues.org/2203>. Acesso em 31 ago. 2018.

GIBSON, Ian. O assassinato de García Lorca. Porto Alegre: LPM, 1981.

GRAVES, Robert. Mitos Gregos. São Paulo: Madras, 2004.

HARAWAY, Donna (1988). Situated knowledges: The science question in feminism and the privilege of partial perspective. Feminist Studies 14(3): 575-599.

KOSAK, Mirian Maria; PEREIRA, Deivdy Borges; INÁCIO, Adriele Andreia. Gaslighting e mansplaining: As formas da violência psicológica. V Simpósio Gênero e Políticas Públicas, Universidade Estadual de Londrina, 2018. Disponível em http://www.uel.br/eventos/gpp/pages/arquivos/VSGPP-%20GT3-%20Mirian%20Maria%20Kosak%20Deivdy%20Borges%20Pereira%20e%20Adriele%20Andreia%20Inacio.pdf . Acesso em: 31 jan. 2019.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas. v.22, n.3, 2014. p. 935-952. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36755/28577. Acesso em: 20 ago.2018

NIEVA DE LA PAZ, Pilar. Autoras Dramaticas Españolas entre 1918 y 1936, Teatro y Representación. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, Instituto de Filosofia, 1993.

RAGO, Margaret. Epistemologia Feminista, Gênero e História. In: PEDRO, Joana Maria; GROSSI, Miriam Pillar (orgs.). Masculino, Feminino, Plural. Florianópolis: Editora das Mulheres, 1998. p. 21-42.

SOARES, Luiz Eduardo. A barbárie está autorizada. O horror saiu do armário. Sul21, 06 out. 2018. Disponível em: https://www.sul21.com.br/opiniaopublica/2018/10/a-barbarie-esta-autorizada-o-horror-saiu-do-armario-por-luiz-eduardo-soares/. Acesso em: 9 out. 2018.

VINAGRE PEREIRA, Sandra. Cassandra: a voz de uma ideologia. 2013. 146 p. Dissertação (Mestrado em Estudos Clássicos). Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2013.

Downloads

Publicado

26-10-2019

Como Citar

ALMEIDA, V. F. M. de. Outras Cassandras e as classes perigosas. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, [S. l.], v. 6, n. 1, 2019. DOI: 10.36025/arj.v6i1.17418. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/17418. Acesso em: 1 fev. 2023.