A experiência da natureza como processo de inventividade

Palavras-chave: Arte, Experiência, Natureza, Inventividade

Resumo

O artigo apresenta, de forma resumida, um projeto de investigação vocacionado para a experiência da natureza como estímulo à criatividade. É aqui refletido sobre a relação com a natureza e da experiência do contato direto que manifesta um potencial que as experiências simbólica e indireta não conseguem proporcionar. Este contato direto para além de fortalecer a conexão com a natureza e elevar o bem-estar, também aumenta a curiosidade e inventividade. Esta investigação reúne um conjunto de estudos que indicam a natureza capaz de evocar o pensamento criativo, tornando uma pessoa mais flexível na forma de pensar e mais apta para conseguir novas ideias. Procura perceber-se como auxilia na restauração da atenção direcionada, fundamental na avaliação e evolução das ideias. Por último, são mencionadas práticas artísticas que fundamentam esta questão da natureza como promotor criativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sabina Couto, Universidade do Porto

Sabina Couto nasceu em Marco de Canaveses, Portugal, em 1993. Licenciada em Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP) (2015). Mestre em Pintura na FBAUP (2017), e atualmente a frequentar o Doutoramento em Educação Artística na FBAUP. Investigadora Integrada do Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade. Bolseira de Doutoramento da Fundação de Ciência e Tecnologia (FCT) - i2ADS/FBAUP. Colaborou no Projeto “A new life after a tree” (FBAUP, Museu Nacional Soares dos Reis, Pure Print, i2ADS, Japan Foundation), 2020. Como artista, participa em exposições, desde 2009, em países como Espanha, Brasil e Portugal.

Domingos Loureiro, Universidade do Porto

Domingos Loureiro nasceu em Valongo (1977) e é doutor em Arte e Design pela Universidade do Porto. Acumula a sua atividade de artista visual com a de Professor Auxiliar na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, no Departamento de Artes Plásticas – Pintura. Investigador Integrado do Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade. Acumula diversos cargos e funções associados à Academia e é autor e editor de diversos documentos científicos e académicos. Artista premiado, conta no seu currículo com exposições em diversos países tais como Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Bélgica, Itália, Irlanda, EUA, Brasil, Japão, Alemanha, Canadá e Holanda.

Referências

AMARANTE [Câmara Municipal de Amarante]. Alberto Carneiro: Grande Prémio Amadeu de Sousa-Cardoso. [S. l.], 2015.

ATCHLEY, Ruth Ann; STRAYER, David L.; ATCHLEY, Paul. Creativity in the Wild: Improving Creative Reasoning through Immersion in Natural Settings. PLoS ONE, 7(12), p. 10-13, 2012.

BAI, Heesoon; ELZA, Daniela; KOVACS, Peter; ROMANYCIA, Serenna. Re‐searching and re‐storying the complex and complicated relationship of biophilia and bibliophilia Re-searching and Re-storying the Complex and Complicated Relationship of Biophilia and Bibliophilia. Environmental Education Research, [s. l.], 16(3), 351-365, 2010. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/248965513_Re-searching_and_re-storying_the_complex_and_complicated_relationship_of_biophilia_and_bibliophilia

BANNING, Wendy; SULLIVAN, Ginny. Lens on Outdoor Learning. St. Paul, MN: Readleaf Press, 2010.

FERRARO III, Frank M. Enhancement of Convergent Creativity Following a Multiday Wilderness Experience. Ecopsycologie, [s. l.], v. 7, n. 1, p. 7-11, Mar. 2015.

FINCH, Ken; BAILIE, Patti Ensel. Nature Preschools: Putting Nature at the Heart of Early Childhood. Occasional Paper Series, [s. l.], n. 33, 2015

GRANDE, John K. Art nature dialogues: interviews with environmental artists. New York: State University of New York, 2004.

KELLERT, Stephen R. Nature and Childhood Development. In: Building for Life: Designing and Understanding the Human-Nature Connection. London: Island Press, 2005.

LONG, Richard. Walking in circles. London: [s. n.], 1994.

MEDNICK, Sarnoff. The associative basis of the creative process. Psychological Review, [s. l.], v. 69, n. 3, p. 220–232, 1962.

MODESTO, Filipa. A osteologia na arquitectura de Gaudí: Casa Battló, Casa Milá, Parque Guëll, Colonia Guëll e Sagrada Família. 2014. Dissertação (Mestrado em Anatomia Artística) – Faculdade de Belas-Artes, Universidade de Lisboa, [s. l.], 2014.

PLAMBECH, Trine; VAN DEN BOSCH, Cecil C. Konijnendijk. The impact of nature on creativity – A study among Danish creative professionals. Urban Forestry & Urban Greening, [s. l.], v. 14, n. 2, p. 255-263, 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.ufug.2015.02.006.

SCHIAVONE, Theresa. Grand Canyon Suite. [s. l.], 2000. Disponível em: https://www.npr.org/2000/10/29/1113160/grand-canyon-suite?t=1579090605880&t=1579177828724.

SIC NOTÍCIAS. Estudo prova que passar quatro dias na natureza sem tecnologias aumenta a criatividade em 50%. [s. l.], 2012. Disponível em: https://sicnoticias.pt/vida/2012-12-12-estudo-prova-que-passar-quatro-dias-na-natureza-sem-tecnologias-aumenta-criatividade-em-50.

TOVEY, Helen. Playing Outdoors: Spaces and Places, Risk and Challenge. Maidenhead, England: Open University Press, 2007.

WHITE, Randy. Young Children’s Relationship with Nature: Its Importance to Children’s Development & the Earth’s Future. [S. l.]: White Hutchinson, 2004. Disponível em: https://www.whitehutchinson.com/children/articles/childrennature.shtml. Acesso em: 25 Out. 2020.

Publicado
26-10-2020
Como Citar
COUTO, S.; LOUREIRO, D. A experiência da natureza como processo de inventividade. ARJ – Art Research Journal / Revista de Pesquisa em Artes, v. 7, n. 2, 26 out. 2020.