Refazer o corpo, esculpir afetos ou o que aprendemos com Antonin Artaud

  • Martha de Mello Ribeiro Universidade Federal Fluminense – UFF
Palavras-chave: Cena-corpo, Artaud, Decolonização, Afetos, Autoficção

Resumo

O pensamento sobre o corpo se coloca contemporaneamente no centro das reflexões sobre a arte, sobre o sujeito, suas experiências, sua singularidade, em toda complexidade de nosso estar no mundo. Um corpo feito de intensidades, um bloco denso de afetos, dono de um saber que coloca em dúvida a construção de nossa subjetividade. Esse corpo ultrapassa o familiar em nós, nos atravessa, provocando experiências para além do corpo sensível. Neste ensaio, observa-se na gênese de uma cena-corpo autoficcional tentativas de insurreição e de decolonização das estruturas de subjetivação do corpo sensível, em direção à liberdade da "dança às avessas” performada por corpos impróprios, conforme nos instigou Artaud, em seu Teatro da Crueldade. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Martha de Mello Ribeiro, Universidade Federal Fluminense – UFF

Diretora Teatral e Professora Adjunta na Universidade Federal Fluminense, Instituto de Arte e Comunicação Social, Departamento de Arte. Coordena as seguintes linhas de pesquisa: “Pirandello Contemporâneo” e “Paisagem e retrato como dispositivos na cena teatral contemporânea”. Realizou na Università di Bologna, Pós-Doutorado em teatro (bolsa Capes-Brasil 2015-2016)

Referências

ARTAUD, Antonin. A perda de si: cartas de Antonin Artaud. Tradução: Ana Kiffer e Mariana Patrício Fernandes. Rio de Janeiro: Rocco, 2017.

ARTAUD, Antonin. O teatro e seu duplo. Tradução: Teixeira Coelho. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

ARTAUD, Antonin. Oeuvres. Paris: Quarto Gallimard, 2004.

BAUMAN, Zygmunt. Vida em fragmento. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

BOAL, Augusto. Stop: c’est magique! Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

BOÉTIE, Etienne La. Discurso da servidão voluntária. Tradução: Casemiro Linarth. São Paulo: Martin Claret, 2009.

CORNAGO, Óscar. Atuar “de verdade”. A confissão como estratégia cênica. Tradução: André Carreira. Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 13, p. 99-111, 2009.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia: vol. 1. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 1971.

FOUCAULT, Michel. O corpo Utópico. São Paulo: N-1 Edições, 2013.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Lisboa: Vega, 2002.

FOUCAULT, Michel. Tecnologías del yo y otros textos afines. Tradução: Mercedes Allendesalazar. Buenos Aires: Paidós, 2008.

GIL, José. Movimento total: o corpo e a dança. São Paulo: Iluminuras, 2013.

GIL, José. Em busca da identidade, o desnorte. Lisboa: Relógio D’água, 2009.

ISQUIERDO, Ivan. Conferência de Abertura. In: ISAACSSON, Marta (coord.). Tempos de memória: vestígios, ressonâncias e mutações. Publicação originada do VII Congresso da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas. Porto Alegre: ABRACE, 2013.

MEREDIEU, Florence. Eis Antonin Artaud. São Paulo: Perspectiva, 2011.

RANCIÈRE, Jacques. O desmedido momento. Serrote, n. 28, 2018.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. São Paulo: Editora 34, 2009.

RIBEIRO, Martha. Teatros do real e a abertura da representação. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 37, p. 344-355, abr. 2020. ISSN 2358-6958. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/1414573101372020344. Acesso em: 22 abr. 2020. doi:https://doi.org/10.5965/1414573101372020344.

RIBEIRO, Martha. Corpos impróprios e corpos reias: da crueldade ao doce extermínio da cena da ilusão. In: FLORY, Villibor; MIRANDA, Célia Arns de; ALVES, Lourdes Kaminski (org.). Dramaturgia e teatro: a cena contemporânea. Maringá: EDUEM, 2019. p. 171-186.

ROLNIK, Suely. Esferas da insurreição, notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: N-1 Edições, 2018

ROLNIK, Suely. Esquizoanálise e Antropofagia. In: ALLIEZ, Éric. Gilles Deleuze: uma vida filosófica. Coordenação de tradução: Ana Lúcia de Oliveira. São Paulo: Editora 34, 2000.

Publicado
19-09-2021
Como Citar
DE MELLO RIBEIRO, M. Refazer o corpo, esculpir afetos ou o que aprendemos com Antonin Artaud. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, v. 8, n. 1, 19 set. 2021.