Quando a dança se torna nossa: corpos, movimentos, modos de atenção e(m) pesquisa

Autores

  • Emyle Daltro Universidade Federal do Ceará (UFC)

DOI:

https://doi.org/10.36025/arj.v9i2.25851

Palavras-chave:

investigação de movimentos com não/humanos, atenção, pesquisa artística em dança, cartografia, Dança Salobra

Resumo

A proposta deste texto é verificar as relações que deram início e teceram a pesquisa artística composta com uma experimentação em dança e vídeo denominada Dança Salobra. Evidencia-se como a investigação de movimentos com não/humanos teve possibilidade de nascer e se desdobrar dessas/com essas relações, criando corpos e(m) danças com a experiencia da própria pesquisadora. Por meio do método da cartografia, processos atencionais foram acompanhados, configurando-se como importantes mediadores dessa composição em arte e vida.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emyle Daltro, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Emyle Pompeu de Barros Daltro é professora adjunta dos cursos de Bacharelado e Licenciatura em Dança da Universidade Federal do Ceará (UFC). Artista-pesquisadora do Observatório e Laboratório de Pesquisa Artística: performance, criação e cultura contemporânea na América Latina, Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT).

Referências

BORGDORFF, Henk. Artistic Research as Boundary Work, pp. 4-11. In How does Artistic Research Change us? Proceedings of CARPA 1 – 1st Colloquium on Artistic Research in Performing Arts. Theatre Academy, Helsinki November 19.-21., 2009. Theatre Academy 2010.

CHIANTORE, Luca. Retos y oportunidades en la investigación artística en música clássica. Quodlibet 74, 2, pp. 55-86, 2020. ISSN: 2660-4582 DOI: https://doi.org/10.37536/quodlibet.2020.74.775

CITTON, Ives. Da economia à ecologia da atenção. Ayvu, Rev. Psicol., v. 05, n. 01, pp. 13-41, 2018. Disponível em: <https://periodicos.uff.br/ayvu/article/view/27498/15999> Acesso em 26 abr. 2021.

COESSENS, K.; CRISPIN, D.; DOUGLAS, A. The Artistic Turn: a manifesto. Orpheus Research Centre in Music Series. Publisher: Leuven University Press. Editor: Orpheus Institute, 2009. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/233819881_The_Artistic_Turn_a_Manifesto> Acesso em: 27 abr. 2021.

DALTRO, Emyle. Corporrelacionalidades e Coletivo na Composição e Aprendizagem Inventivas em Dança. 2014. 233f. Tese (Doutorado em Arte) - Departamento de Artes Visuais, Programa de Pós-Graduação em Arte, Universidade Federal de Brasília, Brasília/DF, 2014.

GALINDO, D.; MILIOLI, D.; MÉLLO, R. Dançando com grãos de soja, espécies companheiras na deriva pós-construcionista. Psicologia & Sociedade, v. 25 (1), pp. 48-57, 2013. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/psoc/a/9wRwvV7XCWTkgS4FGnzGXFr/?format=pdf&lang=pt> Acessos em: 12 jun. 2013 e 20 jun. 2021.

GREINER, Christine; KATZ, Helena. Corpo e processos de comunicação. Revista Fronteiras: estudos midiáticos, v. 3, n. 2, pp. 66-74, dez. 2001.

HARAWAY, Donna. Saberes Localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, Campinas, v. 5, pp. 07-41, 1995.

HARAWAY, Donna; AZERÊDO, Sandra. Companhias Multiespécies nas Naturezaculturas: uma conversa entre Donna Haraway e Sandra Azerêdo. In: MACIEL, Maria Esther (Org.). Pensar/Escrever o Animal – ensaios de zoopoética e biopolítica. Florianópolis: Editora da UFSC, 2011, pp. 389-417.

INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Tradução de Fábio Creder. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015a.

INGOLD, Tim. O dédalo e o labirinto: caminhar, imaginar e educar a atenção. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 21, n. 44, p. 21-36, jul./dez. 2015b. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/ha/a/fGyCC7jgq7M9Wzdsv559wBv/?format=pdf&lang=pt> Acesso em: 17 mai. 2021.

KASTRUP, Virgínia. A invenção de si e do mundo: uma introdução do tempo e do coletivo no estudo da cognição. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

KASTRUP, Virgínia. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (orgs.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

KLEIN, Julian. "What is Artistic Research?” JAR – Journal for Artistic Research. jar-online.net. doi: 10.22501/jarnet.0004. Disponível em: <https://jar-online.net/what-artistic-research> Acesso em: 25 mai. 2021.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. 1ª ed., São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

KRENAK, Ailton; DANTES, Anna et al. A serpente e a canoa. Flecha 1. Cadernos SELVAGEM - publicação digital da Dantes Editora Biosfera, 2021. Disponível em: <http://selvagemciclo.com.br/wp-content/uploads/2021/05/CADERNO_23_SERPENTE_CANOA-2.pdf> Acesso em 30 mai. 2021.

LATOUR, Bruno. Políticas da natureza: como fazer ciência na democracia. Trad. Carlos Aurélio Mota de Souza. Bauru, SP: EDUSC, 2004.

LATOUR, Bruno. Como Falar do Corpo? A dimensão normativa dos estudos sobre a ciência. In: NUNES, João Arriscado; ROQUE, Ricardo. Objetos Impuros: experiências em estudos sobre a ciência. Porto: Edições Afrontamento e autores, 2008, pp. 39-61.

LATOUR, Bruno. Reagregando o social: uma introdução à teoria do Ator-Rede. Salvador: Edufba, 2012; Bauru, São Paulo: Edusc, 2012.

LOUPPE, Laurence. Poética da dança contemporânea. Tradução Rute Costa. 1ª ed. Portuguesa, Lisboa: Orfeu Negro, 2012.

MANCUSO, Stefano. Revolução das plantas: um novo modelo para o futuro. Traduzido por Regina Silva. São Paulo: Ebu Editora, 2019.

MILIOLI, D. Dançando com não/humanos: processos sociotécnicos em dança contemporânea como experimentos em pesquisa. 2012. 89 f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Cultura Contemporânea), Instituto de Linguagens, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT, 2012.

MUNIZ, Zilá. Improvisação como processo de composição na dança contemporânea. 2004. 80 f. Dissertação (Mestrado em Teatro), Centro de Artes da Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC. 2004.

POZZANA, Laura. A formação do cartógrafo é o mundo: corporificação e afetabilidade. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; TEDESCO, S. (orgs.). Pistas do método da cartografia: a experiência da pesquisa e o plano comum. Vol. 2. Porto Alegre: Sulina, 2016.

SZTUTMAN, Renato (org.). Eduardo Viveiros de Castro. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2008. (Encontros)

Downloads

Publicado

01-12-2022

Como Citar

DALTRO, E. P. de B. Quando a dança se torna nossa: corpos, movimentos, modos de atenção e(m) pesquisa. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, [S. l.], v. 9, n. 2, 2022. DOI: 10.36025/arj.v9i2.25851. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/25851. Acesso em: 8 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê: Dramaturgias e Epistemologias Insurgentes na Dança