What we talk about when we talk about play in artistic research

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36025/arj.v10i2.28382

Palavras-chave:

arte, jogo, atitude lúdica, estratégias e processos criativos, dispositivos ou contra-dispositivos representacionais

Resumo

O presente artigo ensaia a noção de “jogo” nos territórios do pensamento e das práticas artísticas contemporâneas, como um “dispositivo” ou “contra-dispositivo” representacional. Para tal, analisa o modo como a sua aparente paradoxalidade – dada pela sua indefinibilidade – lhe permitem não só operar como condição aporética de toda a obra de arte e da sua irredutibilidade no plano da interpretação, mas, simultaneamente, assumir-se como “literalidade” ao nível das suas táticas, atitudes, estratégias e processos criativos, onde a noção – “jogo” – se transforma não só em termos estéticos e poéticos no mote para uma “apropriação” e transfiguração de práticas, contextos, objetos e comportamentos, como os seus resultados ampliam e “re-significam” o seu próprio conceito e definição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivan Postiga, Universidade do Porto (U.Porto)

Ivan Postiga (1991), nasceu na Póvoa de Varzim e é Mestre em Artes Plásticas – Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP) com o projeto “Inconsciente Estético: O pensamento sem imagem e a lógica de um significado expandido” (2019), prova pública na qual obteve a classificação máxima de 20 valores. Em termos profissionais e académicos, encontra-se a frequentar o Programa Doutoral de Artes Plásticas na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, ao abrigo de uma Bolsa de Investigação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), como investigador-não doutorado, recentemente integrado no Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade (i2ADS). No seu currículo, conta com prémios e participações individuais e coletivas em exposições, congressos e eventos científicos de âmbito nacional e internacional, assim como, a colaboração em várias publicações e eventos de investigação inseridos no contexto das Artes Plásticas. Ao longo dos últimos anos, enquanto artista/investigador, o seu interesse tem-se centrado em torno da exploração do conceito de “experimentação radical”, onde a questão do “jogo”, dos processos de transformação e apropriação do real, e da noção de “gesto” e “autoria” surgem intimamente problematizados via noções de “acaso”, “aleatoriedade” e “indeterminação”.

Domingos Loureiro, Universidade do Porto (U.Porto)

Domingos Loureiro nasceu em Valongo (1977) e é doutor em Arte e Design pela Universidade do Porto. Acumula a sua atividade de artista visual com a de Professor Auxiliar na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, no Departamento de Artes Plásticas – Pintura. Investigador Integrado do Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade. Acumula diversos cargos e funções associados à Academia e é autor e editor de diversos documentos científicos e académicos. Artista premiado, conta no seu currículo com exposições em diversos países tais como Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Bélgica, Itália, Irlanda, EUA, Brasil, Japão, Alemanha, Canadá e Holanda.

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. Tradução: I. C. Benedetti. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007. Obra original publicada em 1971.

ALMEIDA, B. P. Arte e Infinitude: O Contemporâneo: Entre a Arkhé e o tecnológico (O Seminário de Serralves). Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2018.

BAKHTIN, M. Rabelais and His World. Tradução: H. Iswolsky. Bloomington, Indiana: Indiana University Press, 1984. Obra original publicada em 1965.

BATAILLE, G. A parte maldita – Precedida de “A noção de dispêndio”. Tradução: J. C. Guimarães. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. Obra original publicada em 1949.

BATAILLE, G. O Nascimento da Arte. Tradução: A. Fernandes. Lisboa: Sistema Solar, 1955

BATESON, G. Steps to an ecology of mind. Chicago, Illinois: The University of Chicago Press, 2000. Obra original publicada em 1972.

BELTING, H. Art History after Modenism. Tradução: M. Cohen e K. J. Northcott. Chicago, Illinois: The University of Chicago Press, 2003.

BISHOP, C. Participation: Documents of Contemporary Art. London, England; Cambridge, Massachusetts: Whitechapel Gallery; The MIT Press, 2006.

BOURRIAUD, N. Estética Relacional. Tradução: D. Bottmann. São Paulo: Martins Fontes, 2009. Obra original publicada em 1998.

BROTCHIE, A.; GOODING, M. A Book of Surrealist Games. Boston; London: Shambhala, 1995.

CAILLOIS, R. Os Jogos e os Homens: A máscara e a vertigem. Tradução: J. G. Palha. Lisboa: Cotovia, 1990. Obra original publicada em 1958.

DANTO, A. C. A transfiguração do lugar comum: Uma filosofia da arte. Tradução: V. Pereira. São Paulo: Cosac Naif, 2005. Obra original publicada em 1981.

DANTO, A. C. The Artworld. The Journal of Philosophy, v. 61, n. 19, p. 571-584, out. 1964.

DE CERTEAU, M. The Practice of Everyday Life. Tradução: S. Rendall. Berkeley, California: University of California Press, 1984. Obra original publicada em 1980.

DEKOVEN, B. The Well-Played Game: Playfull Path to Wholeness. Lincoln, Nebraska: Writers Club Press, 2002.

DELEUZE, G. Lógica do Sentido. Tradução: L. R. S. Fortes. São Paulo: Perspectiva, 2015. Obra original publicada em 1969.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O Anti-Édipo: Capitalismo e Esquizofrenia 1. Tradução: J. M. Varela e M. M. Carilho. Lisboa: Assírio & Alvim, 2010. Obra original publicada em 1972.

DERRIDA, J. A farmácia de Platão. Tradução: R. Costa. São Paulo: Iluminuras, 2005. Obra original publicada em 1972.

DERRIDA, J. Apories: Mourir s’attendre aux « limites de la vérité ». Paris: Galilée, 1996.

DERRIDA, J. Gramatologia. Tradução: M. Schnaiderman e R. J. Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 2006. Obra original publicada em 1967.

DUCHAMP, M. Salt Seller: The Writtings of Marcel Duchamp. Organização: M. Sanouillet e E. Peterson. New York: Oxford University Press, 1973.

FEYERABEND, P. Against Method. London: Verso, 1993. Obra original publicada em 1975.

FINK, E. Play as Symbol of the World and Other Writings. Tradução: I. A. Moore e C. Turner. Bloomington; Indianapolis: Indiana University Press, 2016. Obra original publicada em 1960.

FLANAGAN, M. Critical Play: Radical Game Design. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 2009.

FOSTER, H. 1994a: A mid-career exhibition of Mike Kelley highlights a pervasive concern with states of regression and abjection, while Robert Gober, Kiki Smith, and others use figures of the broken body to address questions of sexuality and mortality. In: FOSTER, H.; KRAUSS, R.; BOIS, Y-A.; BUCHLOH, B. H. D.; JOSELIT, D, Art Since 1900: Modernism, Antimodernism, Postmodernism. 3. ed. London: Thames & Hudson, 2016. p. 747-751. Obra original publicada em 2004.

FOSTER, H. The ‘Primitive’ Unconscious of Modern Art. October, n. 34, p. 45-70, Autumn, 1985.

FOSTER, H. The Return of the Real: The Avant-garde at the End of the Century. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 2014. Obra original publicada em 1996.

FOUCAULT, M. História da Loucura na Idade Clássica. Tradução: J. T. C. Netto. São Paulo: Editora Perspectiva, 2012. Obra original publicada em 1961.

GADAMER, H-G. Verdade e Método: Traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução: F. P. Meurer. Petrópolis: Vozes, 2015. Obra original publicada em 1960.

GOODMAN, N. Maneras de hacer mundos. Tradução: C. Thiebaut. Madrid: La balsa de la Medusa, Visor, 1990. Obra original publicada em 1978.

HEIDEGGER, M. A origem da obra de arte. Tradução: M. C. Costa. Lisboa: Edições 70, 2010. Obra original publicada em 1950.

HUIZINGA, J. Homo Ludens: A Study of the Play-Element in Culture. Tradução: J. P. Monteiro. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2000. Obra original publicada em 1938.

JOSELIT, D. 2009c: Harun Farocki exhibits a range of works on the subject of war and vision at the Ludwig Museum in Cologne and Raven Row in London that demonstrate the relationship between popular forms of new-media entertainment such as video games and the conduct of modern war. In: FOSTER, H.; KRAUSS, R.; BOIS, Y-A; BUCHLOH, B. H. D.; JOSELIT, D. Art Since 1900: Modernism, Antimodernism, Postmodernism. 3. ed. London: Thames & Hudson, 2016. p. 818-823. Obra original publicada em 2004.

KANT, I. Crítica da Faculdade de Julgar. Tradução: F. C. Matos. Petrópolis: Vozes, 2018. Obra original publicada em 1790.

KANT, I. Crítica da Razão Pura. Tradução: M. P. Santos e A. F. Morujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001. Obra original publicada em 1781.

KAPROW, A. Essays on Blurring of Art and Life. Berkeley, California: University of California Press, 2003.

KRAUSS, R. Sculpture in the Expanded Field. October, n. 8, p. 30-44, Spring, 1979.

LAPOUJADE, D. Deleuze, Os Movimentos Aberrantes. Tradução: I. G. Santos. São Paulo: n-1 edições, 2015. Obra original publicada em 2014.

LEROI-GOURHAN, A. Evolução e Técnicas I – O Homem e a Matéria. Tradução: F. P. Basto. Lisboa: Edições 70, 1971. Obra original publicada em 1943.

LEROI-GOURHAN, A. O Gesto e a Palavra 2 – Memória e Ritmos. Tradução: E. Godinho. Lisboa: Edições 70, 1983. Obra original publicada em 1964.

MARCUSE, H. Eros and Civilization: Philosophical Inquiry into Freud. Boston, Massachusetts: Beacon Press, 1974. Obra original publicada em 1955.

MOMA. Gabriel Orozco: Horses Running Endlessly, 2023. Disponível em: https://www.moma.org/collection/works/81977. Acesso em: 15 fev. 2023.

NIETZSCHE, F. O Nascimento da Tragédia: ou Helenismo e Pessimismo. Tradução: J. Guinsburg. São Paulo: Companhia de Bolso, 1992. Obra original publicada em 1872.

PLATÃO. República. Tradução: E. Corvisiere. Rio de Janeiro: Best Seller, 2002. Obra original do século IV a. C.

POSTIGA, I. Inconsciente Estético: O pensamento sem imagem e a lógica de um significado expandido. Dissertação (Mestrado em Artes Plásticas) – Faculdade de Belas Artes, Universidade do Porto, Porto, Portugal, 2019. Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/124201/2/367248.pdf.

POSTIGA, I.; LOUREIRO, D. “Arché” Ludens: O jogo como imagem “desnormativa” de/para uma transfiguração estética. Revista Internacional Interdisciplinar Art & Sensorium, Curitiba, v. 9, n. 1, p. 204-222, jan.-jun. 2022. https://doi.org/10.33871/23580437.2022.9.1.204-222.

RANCIÈRE, J. O Inconsciente Estético. Tradução: M. C. Netto. São Paulo: Editora 34, 2009. Obra original publicada em 2001.

RUBIN, W. Dada, Surrealism and their heritage. New York: The Museum of Modern Art, 1968.

SALEN, K.; ZIMMERMAN, E. (ed.). Rules of Play: Game Design Fundamentals. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 2004.

SARTRE, J-P. Play and Sports. In: MORGAN, William J.; MEIER, Klaus, V. (ed.). Philosophic Inquiry in Sport. Champaingn, Illinois: Human Kinetics, 1988.

SCHECHNER, R. The Future of Ritual Process: Writings on Culture and Performance. London; New York: Routledge, 2004. Obra original publicada em 1993.

SCHILLER, F. Letters on the Aesthetic Education of Man. Tradução: R. Snell. Mineola, New York: Dover Publications, 2004. Obra original publicada em 1794.

SICART, M. Play Matters. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 2014.

SPARIOSU, M. I. Dionysus Reborn: Play and the Aesthetic Dimension in Modern Philosophical and Scientific Discourse. Ithaca, New York: Cornell University Press, 1989.

SUITS, B. The Grasshopper: Games, Life and Utopia. Peterborough: Broadview Press, 2005. Obra original publicada em 1978.

SUTTON-SMITH, B. The Ambiguity of Play. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 1997.

TURNER, V. Liminal to Liminoid, in Play, Flow and Ritual: An Essay in Comparative Symbology. Rice Institute Pamphlet – Rice University Studies, v. 60, n. 3, p. 53-92, 1974. Disponível em: https://hdl.handle.net/1911/63159.

VIRILIO, P. The Accident of Art. New York: Semiotext(e), 2005.

WALTON, K. L. Mimesis as Make-Believe: On the Foundations of the Representational Arts. Cambridge, Massachusetts; London, England: Harvard University Press, 1990.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas – Philosophische Untersuchungen. Tradução: J. J. R. L. Almeida. Curitiba: Horle Books, 2022. Obra original publicada em 1953.

WITTGENSTEIN, L. Philosophical Investigations. Tradução: G. E. M. Anscombe. 3. ed. Oxford: Basil Blackwell, 1986. Obra original publicada em 1953.

ZOURABICHVILI, F. L’Art comme Jeu. Paris: Presses Universitaires de Paris Nanterre, 2020.

ZOURABICHVILI, F. La Littéralité et autres essais sur l’art. Paris: Presses Universitaires de France, 2011. (Collection Lignes d’Art).

Publicado

22-11-2023

Como Citar

POSTIGA, I.; LOUREIRO, D. What we talk about when we talk about play in artistic research. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, [S. l.], v. 10, n. 2, 2023. DOI: 10.36025/arj.v10i2.28382. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/28382. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Perspectivas Multidisciplinares no Campo da Arte