"Territórios impossíveis": experimentos em torno das noções de “natureza” e “artifício” nas práticas artísticas contemporâneas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36025/arj.v10i2.28417

Palavras-chave:

natureza, artifício, arte, prática artística, desterritorialização e reterritorialização

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar, a partir dos conceitos de território, desterritorialização e reterritorialização dos filósofos franceses Gilles Deleuze e Félix Guattari, as conceções de natureza e artifício na sua possível relação com os domínios do pensamento e das práticas artísticas atuais. Em diálogo com estas, procurar-se-á entender o modo como as esferas de produção e artealização da arte existem mergulhadas num continuum de fluxos, permutas, contaminações e interferências entre ambos os territórios – o natural e o artificial –, tornando-se, simbólica e conceptualmente, numa alternativa(s) a essa histórica polarização entre os termos ou, como diria o filósofo francês Clément Rosset, – uma forma de naturalização do homem através da desnaturalização da ideia de natureza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Regina Ramos, Universidade do Porto (U.Porto)

Maria Regina Ramos (1992) nasceu em Vila Nova de Cerveira e é mestre em Artes Plásticas – Pintura, pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP), com o projeto “O Olhar Aproximado: Fragmentos de uma paisagem selecionada – o jardim” (2019), prova pública na qual obteve a classificação máxima de 20 valores. Enquanto investigadora não-doutorada, recentemente integrada no Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade (i2ADS) e na Vicarte – Vidro e Cerâmica para as Artes, tem desenvolvido trabalho de investigação teórico-prático, bem como, contribuído e colaborado em várias publicações e eventos de investigação, com principal enfoque no contexto das Artes Plásticas. Para além da participação em congressos e eventos científicos, profundamente ligados com a investigação em Arte, tem desenvolvido, como artista, produção regular desde 2015, participando num largo número de eventos, concursos e exposições de âmbito nacional e internacional. Ao nível do pensamento e da prática artística, o seu interesse tem-se centrado em torno da fragmentação do real, a fim de questionar, a partir de conceitos como “desterritorialização” e reterritorialização”, os limites percetivos da noção de “território”, interligando uma experimentação fenomenológica, cinestésica e vivencial de um “micro” e “macro” cosmos de natureza arqueológica, a uma resignificação mais convencional da noção de “paisagem”. Atualmente, encontra-se a frequentar o Programa Doutoral de Artes Plásticas na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, ao abrigo de uma Bolsa de Investigação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

Teresa Almeida, Universidade do Porto (U.Porto)

Teresa Almeida, artista plástica e professora na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP). Possui uma Licenciatura em Artes Plásticas - Pintura da FBAUP. Realizou duas pós-graduações, em “Vidro e a Arquitectura” e “Vidro e as Artes Plásticas”, na Central Saint Martins College of Art and Design, Londres; Mestrado em Arte/Vidro na Universidade de Sunderland, Inglaterra; Doutoramento em "Estudos de Arte" na Universidade de Aveiro e Pós-Doutoramento na VICARTE, ambos com bolsa da FCT. Desde 2006 integra a Unidade de Investigação VICARTE (Vidro e Cerâmica para as Artes), onde participa em vários projetos de investigação, colabora com o i2ADS, Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade desde 2011. Tem participado em vários congressos internacionais, expõe regularmente em território nacional e no estrangeiro, nomeadamente, Hong Kong, Bélgica, Luxemburgo, Reino Unido, Estados Unidos, Holanda, Dinamarca, Brasil, Austrália, Itália, Espanha, Argentina, Suécia, Finlândia, entre outros. Possui publicações em revistas internacionais, capítulos de livros e trabalhos de curadoria. Atualmente, é membro editorial da revista Éter e membro do comité Internacional do ICOM Glass. O seu trabalho artístico foca o vidro como material plástico, onde a problemática ambiental é abordada.

Domingos Loureiro, Universidade do Porto (U.Porto)

Domingos Loureiro nasceu em Valongo (1977) e é doutor em "Arte e Design" pela Universidade do Porto. Acumula a sua atividade de artista visual com a de Professor Auxiliar na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP), no Departamento de Artes Plásticas – Pintura. Investigador Integrado do Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade (i2ADS). Acumula diversos cargos e funções associados à Academia e é autor e editor de diversos documentos científicos e académicos. Artista premiado, conta no seu currículo com exposições em diversos países tais como Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Bélgica, Itália, Irlanda, EUA, Brasil, Japão, Alemanha, Canadá e Holanda.

Referências

Arendt, Hannah. The Human Condition. Chicago, Illinois, USA: University of Chicago Press, 1958.

Baudrillard, Jean. Simulacros e Simulação. Lisboa: Relógio d’Água, 1991. (Obra original publicada em 1981)

Beaude, Joseph. Apresentação. In R. Lenoble (A.), História da Ideia de Natureza (T. L. Pérez, Trad.) (pp. 11-24). Lisboa, Portugal: Edições 70, 2002. (Obra original publicada em 1969)

Carlson, Allen. Aesthetics and the Environment: The appreciation of nature, art and architecture. London, UK & New York, USA: Routledge, 2000.

Carvalho, Marcos. O que é Natureza? (2ª ed.). São Paulo, Brasil: Editora Brasiliense, 2003. (Obra original publicada em 1991)

Castro, Laura. Antes e Depois da Paisagem. APHA, Associação Portuguesa de Historiadores da Arte: A Paisagem, boletim nº 3, pp. 1-19, 2006, junho 28. Acedido a janeiro 28, 2022, em https://apha.pt/wp-content/uploads/boletim3/LauraCastro.pdf

Castro, Laura. Exposições de Arte Contemporânea na Paisagem: Antecedentes, Problemáticas e Práticas. Tese de doutoramento, Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Porto, Portugal, 2010.

Collingwood, Robin George. Ciência e Filosofia: A Ideia de Natureza (F. Montenegro, Trad.). Lisboa, Portugal: Editorial Presença, 1986. (Obra original publicada em 1945)

Crowe, Norman. Nature and the idea of a man-made world: An investigation into the evolutionary roots of form and order in the built environment. Cambridge, Massachusetts, USA: The MIT Press, 1997. (Obra original publicada em 1995)

Deleuze, Gilles & Guattari, Félix. O Anti-Édipo: Capitalismo e Esquizofrenia 1 (J. M. Varela & M. M. Carrilho, Trads.). Lisboa, Portugal: Assírio & Alvim, 2004. (Obra original publicada em 1972)

Didi-Huberman, Georges. O que vemos, o que nos olha (P. Neves, Trad.) (1ª ed.). São Paulo, Brasil: Editora 34, 2005. (Obra original publicada em 1992)

Dorfles, Gillo. Artificio e Natura. Milano, Italia: Skira, 2003. (Obra original publicada em 1968)

Eagleton, Terry. A Ideia de Cultura (S. Rodrigues, Trad.) (1ª ed.). Lisboa, Portugal: Temas e Debates, 2003. (Obra original publicada em 2000)

Fortes, Hugo. Transversalidades entre Arte e Ciência nas Imagens da Natureza Contemporânea. ANPAP, 18º Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas - Transversalidades nas Artes Visuais, pp. 538-550, 2009. Acedido a fevereiro 24, 2022, em http://www.anpap.org.br/anais/2009/pdf/cpa/hugo_fernando_salinas_fortes_jr.pdf

Fortes, Hugo. Interações entre Natureza e Ciência na Arte Contemporânea. Art & Sensorium – Revista Interdisciplinar Internacional de Artes Visuais da Unespar/Embap, vol. 01, nº 2, pp. 79-96, 2014, dezembro. Acedido a fevereiro 24, 2022, em http://periodicos.unespar.edu.br/index.php/sensorium/article/view/292

Gonçalves, Márcia. Filosofia da Natureza. Rio de Janeiro, Brasil: Jorge Zahar Editor, 2006.

Grande, John K. Art Nature Dialogues. Interviews with environmental artists. New York, USA: State University of New York Press, 2004.

Guattari, Félix. Schizoanalytic Cartographies (A. Goffey, Trad.). London, UK & New York, USA: Bloomsbury, 2013. (Obra original publicada em 1989)

Haesbaert, Rogério & Bruce, Glauco. A Desterritorialização na Obra de Deleuze e Guattari. Revista do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFF, v. 4, nº 7, pp. 7-22, 2002. Acedido a fevereiro 24, 2022, em

http://periodicos.uff.br/geographia/article/view/13419/8619

Haesbaert, Rogério. O Mito da Desterritorialização: Do “Fim dos Territórios” à Multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 2004.

Julia, Didier. Dicionário Temático Larousse: Filosofia (M. Moiteiro, Trad.). Lisboa, Portugal: Círculo de Leitores, 2002.

Kesselring, Thomas. O conceito de natureza na história do pensamento ocidental. Episteme, Porto Alegre, nº 11, pp. 153-172, julho-dezembro, 2000.

Lenoble, Robert. História da Ideia de Natureza (T. L. Pérez, Trad.). Lisboa, Portugal: Edições 70, 2002. (Obra original publicada em 1969)

Merleau-Ponty, Maurice. A Natureza: Curso do Collège de France (A. Cabral, Trad.). São Paulo, Brasil: Martins Fontes, 2000. (Obra original publicada em 1995)

Rosset, Clément. La Anti-Naturaleza: Elementos para una filosofia trágica (F. C. Serraller, Trad.). Madrid, Espanha: Taurus Ediciones, 1974. (Obra original publicada em 1973)

Vogel, Steven. Thinking like a mall: Environmental philosophy after the end of nature. Cambridge, Massachusetts, USA & London, UK: The MIT Press, 2015.

Wanner, Maria C. A. Paisagens Sígnicas: Uma reflexão sobre as artes visuais contemporâneas. Salvador, Bahia, Brasil: EDUFBA, 2010.

Whitehead, Alfred North. O Conceito de Natureza (J. B. Fischer, Trad.). São Paulo, Brasil: Martins Fontes, 1994. (Obra original publicada em 1920)

Publicado

22-11-2023

Como Citar

RAMOS, M. R.; ALMEIDA, T.; LOUREIRO, D. "Territórios impossíveis": experimentos em torno das noções de “natureza” e “artifício” nas práticas artísticas contemporâneas. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, [S. l.], v. 10, n. 2, 2023. DOI: 10.36025/arj.v10i2.28417. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/28417. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Perspectivas Multidisciplinares no Campo da Arte