Mobilizando o conceito de interseccionalidade à luz da obra de Lélia Gonzalez: três estudos de caso em dança

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36025/arj.v9i2.28902

Palavras-chave:

dança, interseccionalidade, Lélia Gonzalez, racismo, corpo negro

Resumo

O artigo tem como objetivo analisar a trajetória de três artistas de dança negros buscando compreender como os marcadores sociais de classe, raça e gênero tem operado na constituição de suas carreiras, favorecendo ou desfavorecendo mobilidade social e profissional. Apresenta uma leitura do conceito de interseccionalidade a partir da obra da intelectual negra Lélia Gonzalez, tecendo relações com pesquisas em dança na busca de uma práxis decolonial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suzane Weber da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Professora Associada no Curso de Arte Dramática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Brasil. Professora no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UFRGS. Doutora em Études et pratiques des arts, na Université du Québec, Montreal (UQAM), Canadá. Professora no Programa de Artes Cênicas. Pesquisa de pós-doutorado na Coventry University, Inglaterra. Dançarina e coreógrafa.

Anielle Lemos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Docente titular de Educação Física no Grupo Marista, Florianópolis, Brasil. Doutoranda no Programa de Artes Cênicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Brasil. Mestre pelo Programa Escola de Educação Física da Universidade Federal de Pelotas, Brasil. Coreógrafa e dançarina.

Manoel Gildo Alves Neto, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Professor Auxiliar no Curso de Dança da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Doutorando em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Brasil. Dançarino e coreógrafo.

Luciano Correa Tavares, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Docente colaborador no Curso de Dança da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Brasil. Doutorando no Programa de Artes Cênicas na UFRGS. Dançarino e coreógrafo.

Monica Fagundes Dantas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Professora Associada no Curso de Dança da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Brasil. PhD em Études et pratiques des arts, na Université du Québec (UQAM), Montreal, Canadá. Professora no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UFRGS. Pesquisa de pós-doutorado na Coventry University, Inglaterra. Dançarina.

Claudia Muller Sachs, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Professora Adjunto no Curso de Arte Dramática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Brasil. PhD em Teatro pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, Brasil. Estudou na École International de Thèatre Jacques Lecoq, Paris, França. Atriz, diretora.

Referências

AHMED, Sara. On Being Included: Racism and Diversity in Institutional Life, Durham and London: Duke University Press, 2012.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Jandaíra, 2019.

ALVES NETO, Manoel Gildo. Falarfazendo dança afro-gaúcha: ao encontro de mestre Iara. 2019. 192 p. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

ASSIS, Dayane N. Conceição de. Interseccionalidades. Salvador: UFBA, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências, 2019. 57 p. (Superintendência de Educação a Distância, Universidade Federal da Bahia).

BALÉ de pé no chão. Direção: Marianna Monteiro e Lilian Solá Santiago. Produção: Terra Firme Digital. Coprodução: SESC TV, 2005. Documentário. (52min).

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 11, p. 89-117, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-33522013000200004. Acesso em: 12 agosto 2022.

CARDOSO, Claudia Pons. Amefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p 965-986, set-dez. 2014.

CERQUEIRA, D. et al. Atlas da violência 2019: retratos dos municípios brasileiros. Brasília: Ipea; FBSP, 2019. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=36488&Itemid=432. Acesso em: 28 abr. 2022.

CRENSHAW, Kimberlé Williams. Demarginalizing the intersection of race and sex: a black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics. The University of Chicago Legal Forum, Chicago, n. 140, p. 139-167, 1989. Disponível em: https://chicagounbound.uchicago.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1052&context=uclf. Acesso em: 17 abr. 2022.

CRENSHAW, Kimberlé. Mapping the margins: intersectionality, identity politics, and violence against women of color. Stanford Law Review, Minneapolis, v. 43, n. 6, p. 1241-1299, jul. 1991.

DANTAS, Mônica Fagundes. Dance Studies in Brazilian Universities: Enhancing Dance Fields and Interrogating Dance Studies Geography. In: DAVID, Ann; HUXLEY, Michael; WHATLEY, Sarah (orgs.). Dance Fields: Staking a Claim for Dance Studies in the 21st Century. Londres: Dance Books, 2020. p. 105-131.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento Negro Brasileiro: alguns apontamentos históricos. Revista Tempo, Niterói/RJ, v. 12, n. 23, p. 100-122, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tem/v12n23/v12n23a07.pdf. Acesso em: 22 abr. 2022.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 51. ed. São Paulo: Global, 2006.

GAVIOLI, Izabela Lucchese. Estudo do processo de criação em dança: experimento em neuromodulação com o coreógrafo Rui Moreira. 2019. 224 f. Tese (Doutorado em Artes Cênicas) Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de Amefricanidade. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 92/93, p. 60-82, jan./jun. 1988.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. In: RIOS, Flávia; RATTS, Alex. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio de Janeiro: ZAHAR, 2020, p. 217.

MOREIRA, Rui. Entrevista com Rui Moreira. Entrevistador: Luciano Correa Tavares. Porto Alegre: 2020.

NASCIMENTO, Beatriz. A mulher negra no mercado de trabalho. In: Hollanda, Heloísa Buarque de (org.). Pensamento feminista brasileiro. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 259-263.

RATTS, Alex; RIOS, Flávia. A perspectiva interseccional de Lélia Gonzalez. In: PINTO, Ana Flávia Magalhães; CHALHOUB, Sidney. Pensadores negros, pensadoras negras: Brasil, séculos XIX e XX. Belo Horizonte: Editora UFRB, 2016. p. 379-409.

RATTS, Alex; RIOS, Flávia. Lélia Gonzalez. São Paulo: Selo Negro, 2010. (Retratos do Brasil Negro).

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

RIOS, Flavia. Améfrica Ladina: The conceptual legacy of Lélia Gonzalez (1935-1994). LASA Forum, Pittsburgh, v. 50, n. 3, p. 75-79, 2019.

ROY, Simon N. L’étude de cas. In: GAUTHIER, Benoît (ed.). Recherche sociale: de la problématique à la collecte des données. Québec: Presses de l’Université du Québec, 2003. p. 159-184.

SEGATO, Rita. Crítica da colonialidade em oito ensaios: e uma antropologia por demanda. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2021.

SILVA, Ingrid. A sapatilha que mudou meu mundo. Rio de Janeiro: Globo Livros, 2021.

YIN, Robert K. Case Study Research: Design and Methods. Sage Publications, 1994. 171 p.

Publicado

06-12-2022

Como Citar

SILVA, S. W. da; LEMOS, A.; ALVES NETO, M. G. .; TAVARES, L. C. .; DANTAS, M. F.; SACHS, C. M. . Mobilizando o conceito de interseccionalidade à luz da obra de Lélia Gonzalez: três estudos de caso em dança. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, [S. l.], v. 9, n. 2, 2022. DOI: 10.36025/arj.v9i2.28902. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/28902. Acesso em: 8 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê: Dramaturgias e Epistemologias Insurgentes na Dança