A serpente como símbolo do tempo da arte latino-americana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36025/arj.v9i1.29702

Palavras-chave:

Serpente, Temporalidade, História da Arte, América Latina, Aby Warburg

Resumo

Esse texto faz parte dos primeiros rascunhos da tese de doutorado “Em busca de serpentes: uma investigação sobre a temporalidade da História da Arte a partir de Aby Warburg”. E, como todo rascunho, apresenta lacunas, obscuridades, imprecisões, equívocos, etc. Aberto à discussão, o texto também parte de notas –fragmentárias, enigmáticas– encontradas nas anotações do primeiro rascunho do texto Bilder aus dem Gebiet der Pueblo-Indianer (Imagens do território dos índios Pueblo). Este texto foi redigido e apresentado no dia 21 de abril de 1923, no formato de uma conferência e serviu também como um atestado de sanidade mental para Aby Warburg. Nestas notas de rodapé, Warburg se pergunta: “Quais são as propriedades que fazem da serpente uma metáfora relevante na literatura e na arte?” (El Ritual de la serpiente, México, Sexto Piso, 2004. p. 53). Nessas anotações encontramos o tema que orienta este texto, ou seja, pensar em como a simbologia da serpente pode nos ser útil para pensar a temporalidade da história da arte. Em outras palavras, como a serpente, presente em praticamente todas as mitologias ameríndias, pensada como metáfora, nos ajuda a compreender o tempo histórico das imagens, suas migrações, aparições, desaparições, suas mudanças e permanências –sobretudo as imagens produzidas na Arte Latino Americana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcela Botelho Tavares, Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ)

Marcela Botelho Tavares (doutora em Artes Visuais) é professora de filosofia do Instituto Federal do Rio de Janeiro, atuando junto ao curso de Especialização em Linguagens artísticas, Cultura e Educação. Atualmente desenvolve uma investigação sobre a temporalidade da arte latino-americana e de sua história a partir de Aby Warburg, no âmbito de seu projeto de doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro. 

Referências

ACHA, Juan. Arte y sociedad Latinoamericana: sistema de producción. México: Fondo de Cultura Económica, 1979.

ANDRADE, Oswald de. Revista O Pirralho. São Paulo, 31 de agosto de 1912, no 56. Apud: FONSECA, Maria Augusta. Oswald de Andrade. Biografia. São Paulo: Editora Globo, 2007.

ANGEL, Sara. The Mnemosyne Atlas and the Meaning of Panel 79 in Aby Warburg's Oeuvre as a Distributed Object. Leonardo, v. 44, n. 3, p. 266-267, 2011.

ARTAUD, Antoin. L’ombilic des limbes. Paris: Gallimard, 1979.

BARTHOLOMEU, Cezar (org.). Dossiê Warburg. Revista Arte & Ensaios. Ano XVII, n.19, 2009. p. 118. Disponível em: <http://www.eba.ufrj.br/ppgav/lib/exe/fetch.php?media=revista:e19:dossie.pdf> Acesso em: 03 abr. 2017

BENETTI, Alfonso. A autoetnografia como método de investigação artística sobre a expressividade na performance pianística. Opus, v. 23, n. 1, p. 147-165, abr. 2017.

CAMPOS, Augusto de. Paul Valéry: A serpente e o pensar. São Paulo: Brasiliense, 1984.

CASSIRER, Ernst. La Filosofia de las formas simbólicas. México: Fondo de Cultura Económica, 1972.

FONSECA, Mário Geraldo Rocha da. A cobra e os poetas: Uma mirada selvagem na literatura brasileira. 2013. 334 f. Tese (Doutorado em Literatura Comparada). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

GOMBRICH, E. Aby Warburg. An Intellectual Biography. Oxford: Phaidon, 1986.

KANDINSKY, Wassily. Do espiritual na arte. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

KOSELLECK, Reinhart. Estratos do tempo: Estudos sobre história. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

KUBLER, George. A forma do tempo: Observações sobre a história dos objetos. Lisboa: Vega, 1991.

LAGROU, Els. A fluidez da forma: arte, alteridade e agência em uma sociedade amazônica (Kaxinawa, Acre). Rio de Janeiro: TopBooks, 2007.

LEVY, Carminha; MACHADO, Alvaro. A sabedoria dos animais: viagens xamânicas e mitologias. São Paulo: Ground, 1999.

MICHAUD, Philippe-Alain. Aby Warburg e a imagem em movimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

NARBY, Jeremy. A serpente cósmica, o DNA e a origem do Saber. Rio de Janeiro: Dantes, 2018.

SILVA, Adriano Clayton da. O devir-antropólogo/xamã/tradutor. Espaço ameríndio, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 175-188, jan./jun. 2018.

TAVARES, Marcela B. Borges e os labirintos do tempo. Monografia (Bacharelado em Filosofia). Faculdade de Filosofia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

VIDAL, Lux. A Cobra Grande: uma introdução à cosmologia dos povos indígenas do Uaçá e Baixo Oiapoque – Amapá. Rio de Janeiro: Museu do Índio, 2007.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas canibais: Elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

WARBURG, Aby. A Lecture on Serpent Ritual. Journal of the Warburg Institute, v. 2, n. 4 (Apr., 1939), pp. 277-292, Londres: The Warburg Institute, 1939. Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/750040>. Acesso em: 03 abr. 2017

WARBURG, Aby. A renovação da Antiguidade: Contribuições científico-culturais para a história do Renascimento europeu. Tradução: Markus Hediger. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

WARBURG, Aby. Atlas Mnemosyne. Tradução: Joaquin Chamorro Mielke. Madrid: Ediciones Akal, 2010.

WARBURG, Aby. El ritual de la serpiente. Tradução de Joaquín Etorena Homache. Epílogo de Ulrich Raulff. México: Sexto Piso, 2004.

WARBURG, Aby. Imagens da região dos índios Pueblo da América do Norte. Tradução de Jason Campel. Revisão técnica de Roberto Conduru. Revista Concinnitas. Ano 6, v. 1, n. 8, julho 2005.

WARBURG, Aby. Images from the Region of the Pueblo Indians of North America. Tradução e ensaio: Michael P. Steinberg. Londres: Cornell University Press, 1995.

WARBURG, Aby. Le rituel du serpent : Art et anthropologie. Introdução de Joseph L. Koerner. Paris: Macula, 2003.

Downloads

Publicado

28-07-2022

Como Citar

BOTELHO TAVARES, M. A serpente como símbolo do tempo da arte latino-americana. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, [S. l.], v. 9, n. 1, 2022. DOI: 10.36025/arj.v9i1.29702. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/29702. Acesso em: 27 set. 2022.

Edição

Seção

Outros tempos e outras geografias / Otras épocas y otras geografías