Platinidades, literatura e diálogos no processo criativo da canção "Gaucho" de Mateus Porto e Juliano Guerra

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36025/arj.v10i2.31318

Palavras-chave:

canção brasileira, cancioneiro gaúcho, milonga, processos criativos, música popular

Resumo

O presente artigo tem por objetivo refletir sobre o processo criativo da canção Gaucho de Juliano Guerra e Mateus Porto. Acreditando nas potencialidades e possibilidades de se fazer pesquisa do ponto de vista da criação artística adotou-se uma metodologia afim com a pesquisa artística. Discutiram-se questões que surgem a partir dos movimentos que deram origem à canção citada, assim como pontos disparadores dessa criação. Assim, foi possível pensar sobre uma filiação entre o objeto de pesquisa e as músicas dos países vizinhos Argentina e Uruguai, ou seja, a presença de elementos de uma sonoridade platina. Em um segundo momento, explorou-se o diálogo da canção com o poema Martin Fierro de José Hernández, pensando, a partir disso, nas relações da canção popular brasileira com a literatura. Ao final apresentaram-se resultados condizentes com a metodologia adotada, relacionando a canção com elementos violonísticos e a presença de uma literatura platina na composição discutida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Tiné, Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP

Possui graduação em bacharelado em música com habilitação em regência pela Universidade de São Paulo (1994), mestrado em Artes pela Universidade de São Paulo (2001), doutorado em Artes pela Universidade de São Paulo (2008) e Livre Docente pela Universidade Estadual de Campinas (2021). Atualmente é professor associado da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Música, com ênfase em Arranjo e Harmonia, atuando principalmente nos seguintes temas: Música Brasileira, Música Instrumental e Popular.

Mateus Porto, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Doutorando e mestre em m´úsica pela Unversidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e bacharel  em música pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Referências

BALDI, Armando Dogomar González. José Hernández y Jorge Luis Borges: “Martín Fierro” y “El Fin”, un caso de intertextualidad explícita y dialógica divergente. 2011. Dissertação (Mestrado em Letras). – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

BORGDORFF, H. O conflito das faculdades: sobre teoria, prática e pesquisa em academias profissionais de artes. Tradução: Daniel Lemos Cerqueira. Opus, v. 23, n. 1, p. 314-323, abr. 2017.

BRAGAGNOLO, B.; PELLEGRIM SANCHEZ, L. Pesquisa artística no Brasil: mapas, caminhos e trajetos. Orfeu, Florianópolis, v. 7, n. 2, 2022.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da

modernidade. Tradução: Heloísa P. Cintrão e Ana Regina Lessa. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2015.

COELHO, Luciano (diretor). A Linha Fria do Horizonte. Curitiba: Linha Fria Filmes. 1 DVD (98 min). 2014

DAVID, Sergio Lyra. O latin jazz como processo criativo: fronteiras e encontros. 2019. Tese (Doutorado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2019.

ESCUDEIRO, Daniel Alexander de Souza. Aporia: um caminho para composição musical intertextual. 2012. Dissertação (Mestrado em Música) – Escola de Música, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

FERREIRA, Clarissa Figueiró. Campeirismo musical e os festivais de música nativista do sul do Brasil: a (pós)modernidade (re)construindo o “gaúcho de verdade”. 2014. Dissertação (Mestrado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

GUTFREIND, I; REICHEL, H. J. As raízes históricas do Mercosul: A Região Platina Colonial. São Leopoldo: Editora Unisinos, 1996.

LÓPEZ-CANO, R.; SAN CRISTÓBAL, Ú. Investigación artística en música: problemas, métodos, paradigmas, experiencias y modelos. Barcelona: Fonca-Esmuc, 2014. Disponível em: http://invartistic.blogspot.com.es/. Acesso em: 4 jul. 2018.

MORAES, Mateus Porto. A voz de um milongueiro não morre: o violão na milonga do sul do Brasil. 2021. Dissertação (Mestrado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2021.

NASCIMENTO, Ismael Lima do. O idiomatismo na obra para violão solo de Sebastião Tapajós. 2013. Dissertação (Mestrado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, 2013.

NUNES, Thais. A Sonoridade Específica do Clube da Esquina. Sonora, Campinas, n. 2., 2005.

PANITZ, Lucas Manassi. Redes musicais e [re]composições territoriais no Prata: por uma Geografia da Música em contextos multi-localizados. 2017. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

PÉREZ FERNÁNDEZ, Rolando Antonio. La Binarización de los ritmos ternários africanos em América Latina. Havana: Ediciones Casa de las Americas, 1986.

RAMIL, Vitor. A estética do frio. Pelotas: Satolep Livros, 2004.

SOSA, Marcos Vladimir Miraballes. A milonga no redemoinho da canção popular: Bebeto Alves e Vitor Ramil. 2012. Dissertação (Mestrado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

TINÉ, Paulo José de Siqueira. Procedimentos modais na música brasileira: do campo étnico do Nordeste ao popular da década de 1960. 2009. Tese (Doutorado em Musicologia) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

WISNIK, José Miguel. Sem Receita. São Paulo: Publifolha, 2004.

Downloads

Publicado

22-11-2023

Como Citar

TINÉ, P. J. de S.; MORAES, M. P. Platinidades, literatura e diálogos no processo criativo da canção "Gaucho" de Mateus Porto e Juliano Guerra. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, [S. l.], v. 10, n. 2, 2023. DOI: 10.36025/arj.v10i2.31318. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/31318. Acesso em: 28 fev. 2024.